Se­ma­na

Em me­mo­rá­vel Se­ma­na Li­te­rá­ria do Sesc, Os­car Na­ka­sa­to, Jo­sé Cas­tel­lo, Antônio Tor­res, Antonio Ci­ce­ro e Cha­cal dis­cu­ti­ram os ru­mos da li­te­ra­tu­ra bra­si­lei­ra

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ale­xan­dre Gai­o­to

gai­o­to@odi­a­rio.com Dei­ta­dão no so­fá, com os pés apoi­a­dos nu­ma ca­dei­ra, Cha­cal me per­gun­ta so­bre a ce­na de rock da ci­da­de e in­da­ga se há sa­raus por aqui. Fal­tam uns quin­ze mi­nu­tos para ele as­su­mir o mi­cro­fo­ne da Se­ma­na Li­te­rá­ria do Sesc, ao la­do de Antonio Ci­ce­ro, en­quan­to eu me en­car­re­go da me­di­a­ção. Cha­cal está cal­çan­do um tê­nis es­por­ti­vo e usa uma ja­que­ta des­po­ja­da, di­fe­ren­te­men­te de Antonio Ci­ce­ro, sen­ta­do na ca­dei­ra com a pos­tu­ra ere­ta, com um bla­zer ele­gan­te e, nos pés, sa­pa­tos só­bri­os. São di­fe­ren­tes, no com­por­ta­men­to e na po­e­sia, os dois au­to­res. Cha­cal es­cre­ve com gí­ri­as, abre­vi­a­ções, se apro­pria das va­ri­a­ções lin­guís­ti­cas. Ci­ce­ro re­cor­re à nor­ma cul­ta com citações a um pu­nha­do de gre­gos e la­ti­nos em seus ver­sos. Lo­go de­pois de sa­ber da no­va ce­na de rock e dos po­lê­mi­cos sa­raus, Cha­cal adi­an­ta um de seus ob­je­ti­vos: quer ler seus po­e­mas, ao la­do de Ci­ce­ro. E faz ques­tão que o público par­ti­ci­pe ati­va­men­te do de­ba­te: uma me­di­a­ção com por­tas aber­tas. “To­do po­e­ma é sem­pre iné­di­to. Quem co­nhe­ce, sem­pre es­que­ce. E tem mui­ta gen­te que não co­nhe­ce os nos­sos ver­sos.A gen­te quer mes­mo é ler nos­sos po­e­mas”, adi­an­ta.

Na úl­ti­ma sex­ta-fei­ra, Cha­cal e Antonio Ci­ce­ro pro­ta­go­ni­za­ram um dos de­ba­tes mais quen­tes de to­das as Se­ma­nas, com dis­cus­sões à flor da pe­le so­bre a for­ma­ção do câ­no­ne li­te­rá­rio. E o público par­ti­ci­pou bem, ex­plo­ran­do as di­fe­ren­ças en­tre os dois po­e­tas ca­ri­o­cas. De­fen­sor do pro­ces­so canô­ni­co, Ci­ce­ro as­su­miu uma pers­pec­ti­va mais tra­di­ci­o­na­lis­ta da li­te­ra­tu­ra. Cha­cal, no pa­pel de “po­e­ta mar­gi­nal” -po­rém já per­ten­cen­te ao câ­no­ne bra­si­lei­ro -, re­cha­çou e iro­ni­zou a im­por­tân­cia do câ­no­ne. Foi quen­te, po­rém edu­ca­da, a tro­ca de opi­niões: um de­ba­te de idei­as e de al­mas.

Ain­da na­que­la noi­te, lem­brei que Antonio Ci­ce­ro che­gou a se can­di­da­tar à Aca­de­mia Bra­si­lei­ra de Le­tras (ABL), no iní­cio des­te ano, mas per­deu a va­ga para a pro­fes­so­ra uni­ver­si­tá­ria Ro­sis­kaDarcy. Ques­ti­o­na­do so­bre uma no­va can­di­da­tu­ra, o po­e­ta li­mi­tou-se a res­pon­der que, sim, ten­ta­rá no­va­men­te uma va­ga na ABL. In­da­guei, em se­gui­da, a ra­zão de tan­to in­te­res­se em en­trar para o pan­teão de “imor­tais”. Cha­cal abriu um sor­ri­so, dis­se al­go co­mo “Isso, boa per­gun­ta!”. Pres­si­o­na­do, Ci­ce­ro vol­tou ao as­sun­to e men­ci­o­nou a con­for­tá­vel re­mu­ne­ra­ção dos aca­dê­mi­cos. “A ABL, en­tão, é só um pé de meia para vo­cê?”, ques­ti­o­nei. E Ci­ce­ro fi­nal­men­te ad­mi­tiu a sua mo­ti­va­ção fi­nan­cei­ra. “A ABL ga­ran­te uma boa es­ta­bi­li­da­de econô­mi­ca”, con­cor­dou. “Quan­to a mim, só en­tra­ria nu­ma dis­pu­ta da ABL, se fos­se para con­cor­rer com o FHC”, pro­vo­cou Cha­cal, ar­ran­can­do bo­as ri­sa­das do público, até do pró­prio Ci­ce­ro. E pe­la noi­te, car­re­ga­da de um hu­mor fi­no, ain­da par­ti­ram con­se­lhos a no­vos es­cri­to­res. Os po­e­tas re­lem­bra­ram a im­por­tân­cia da “po­e­sia mar­gi­nal” e da Ge­ra­ção Mi­meó­gra­fo - com­pa­ran­do com o atu­al ce­ná­rio li­te­rá­rio -, e abor­da­ram os ca­mi­nhos que os le­va­ram a seus res­pec­ti­vos es­ti­los pró­pri­os. Além é cla­ro, da lei­tu­ra de mui­tos po­e­mas, para a nos­sa ale­gria. Um diá­lo­go emo­ci­o­nan­te, na me­di­da cer­ta.

Emo­ci­o­nan­te foi tam­bém o en­con­tro de Os­car Na­ka­sa­to com Jo­sé Cas­tel­lo. Os­car, que par­ti­ci­pou das edi­ções pas­sa­das da Se­ma­na Li­te­rá­ria, co­mo ou­vin­te, nes­te ano che­gou co­mo uma das atra­ções prin­ci­pais, le­van­do seus lei­to­res ao Sesc, to­dos com um exem­plar de “Nihon­jin” nas mãos. Nu­ma me­di­a­ção exem­plar, fei­ta pe­lo pro­fes­sor Mil­ton Her­mes Ro­dri­gues (UEM), Na­ka­sa­to fa­lou so­bre o pro­ces­so de cri­a­ção de “Nihon­jin”, co­men­tou, em­ba­sa­do em pes­qui­sas re­cen­tes, a si­tu­a­ção dos lei­to­res bra­si­lei­ros e re­lem­brou sua tra­je­tó­ria. Na mes­ma me­sa re­don­da, Cas­tel­lo re­co­nhe­ceu que su­as crí­ti­cas li­te­rá­ri­as são im­pres­si­o­nis­tas, ra­di­cal­men­te di­fe­ren­tes da pro­du­ção aca­dê­mi­ca, e con­tou bo­as his­tó­ri­as so­bre seu pas­sa­do - que in­clu­em ca­sos fol­cló­ri­cos com Cla­ri­ce Lis­pec­tor, de quem re­ce­beu uma crí­ti­ca ain­da em ten­ra ida­de: “Jo­sé, vo­cê é mui­to me­dro­so. E nin­guém es­cre­ve com me­do”, avi­sou a es­cri­to­ra, de­pois de ler um con­to de Cas­tel­lo.

O jor­na­lis­ta do D+ e es­cri­tor Wi­la­me Prado tam­bém fez uma me­di­a­ção com­pe­ten­te, no papo com o ro­man­cis­ta Antônio Tor­res. Bem hu­mo­ra­do, Tor­res re­cha­çou o ró­tu­lo de es­cri­tor re­gi­o­na­lis­ta, con­tou his­tó­ri­as en­gra­ça­dís­si­mas de sua car­rei­ra li­te­rá­ria e afir­mou que os lei­to­res bra­si­lei­ros só es­tão a fim de con- su­mir obras de au­to-aju­da.Lem­brou ain­da do dia em que foi elo­gi­a­do pe­lo con­sa­gra­do es­cri­tor me­xi­ca­no Ru­an Rul­fo, au­tor de “Pe­dro Pá­ra­mo”, du­ran­te um de­ba­te no ex­te­ri­or. “Ele dis­se que a li­te­ra­tu­ra do Bra­sil era a me­lhor das Amé­ri­cas. E que eu era um dos re­pre­sen­tan­tes des­sa li­te­ra­tu­ra”, re­cor­dou. Na úl­ti­ma Se­ma­na, foi es­sa a con­clu­são dos lei­to­res ma­rin­ga­en­ses: íco­nes da po­de­ro­sa li­te­ra­tu­ra bra­zu­ca, a poucos me­tros de dis­tân­cia, sol­tan­do o ver­bo, abor­dan­do te­mas po­lê­mi­cos, dis­cu­tin­do os ver­sos e as pro­sas da­qui. Uma Se­ma­na bom­bás­ti­ca, me­mo­rá­vel. Es­ta­mos pron­tos para a pró­xi­ma.

Fo­tos João Cláudio Fragoso

Os po­e­tas Antonio Ci­ce­ro e Cha­cal, du­ran­te a úl­ti­ma sex­ta-fei­ra na Se­ma­na Li­te­rá­ria do Sesc: hu­mor, con­tra­di­ções e lei­tu­ra de po­e­mas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.