Um fan­tas­ma ron­da o Brasil

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

Ape­sar da re­fe­rên­cia no tí­tu­lo, não se tra­ta do pol­ter­geist co­mu­nis­ta que pro­me­tia re­vo­lu­ci­o­nar as ins­ti­tui­ções eu­ro­pei­as de 1848, co­mo anun­ci­a­do na aber­tu­ra do fa­mo­so Ma­ni­fes­to que Marx e En­gels lan­ça­vam na­que­le ano. Nos­so fan­tas­ma é do ti­po se­di­ci­o­so, da­que­les que se alo­jam e vão fi­can­do, de mo­do que, lo­go, nin­guém mais os es­tra­nha. Tor­nam-se da fa­mí­lia. E é aí, nes­sa su­pos­ta nor­ma­li­da­de, que re­si­de seu pe­ri­go. Ali­men­ta­das por pro­je­tos po­lí­ti­cos que não ul­tra­pas­sam o ho­ri­zon­te da elei­ção mais pró­xi­ma, as as­som­bra­ções que pu­xam o País pe­lo pé são bem co­nhe­ci­das, mas vou fo­car em uma de­las: a fal­ta de qua­li­fi­ca­ção da mão de obra, que di­fi­cul­ta a ge­ra­ção de em­pre­gos de qua­li­da­de e re­tar­da o de­sen­vol­vi­men­to das em­pre­sas.

Um es­tu­do di­vul­ga­do em ju­nho pe­la con­sul­to­ria Man­powerG­roup, abran­gen­do 42 na­ções e re­giões, apon­tou o Brasil co­mo se­gun­do país com mai­or in­ten­ção de con­tra­ta­ção e o se­gun­do tam­bém com mai­or di­fi­cul­da­de pa­ra pre­en­cher su­as va­gas. Sob a óti­ca do que cha­ma de “Era do Po­ten­ci­al Humano”, a em­pre­sa con­si­de­ra que a ca­pa­ci­da­de pa­ra for­mar e ofe­re­cer ta­len­tos tor­nou-se um no­vo in­di­ca­dor de ava­li­a­ção do po­ten­ci­al de cres­ci­men­to de uma eco­no­mia. E nes­se sen­ti­do pre­ci­sa­mos avan­çar mui­to mais do que um pas­si­nho de ca­da vez.

São as­sus­ta­do­res, por exem­plo, os ín­di­ces de edu­ca­ção que re­gis­tra­mos. Pa­ra fi­car na com­pa­ra­ção ape­nas com ou­tras na­ções la­ti­no-ame­ri­ca­nas, de acor­do com da­dos do Pro­gra­ma das Na­ções Uni­das pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to (Pnud), pu­bli­ca­dos em mar­ço úl­ti­mo, apre­sen­ta­mos mé­dia de es­co­la­ri­da­de en­tre os adul­tos de 7,2 anos – es­tag­na­da des­de 2011 e à fren­te ape­nas do Su­ri­na­me na re­gião.

Per­pe­tu­ar es­sa si­tu­a­ção é um ris­co au­men­ta­do em um ce­ná­rio glo­bal que, de acor­do com as pro­je­ções di­vul­ga­das em ju­nho pe­la Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Tra­ba­lho, con­ta­bi­li­za­rá 208 mi­lhões de de­sem­pre­ga­dos até 2015. Por en­quan­to, a Amé­ri­ca La­ti­na e o Brasil em par­ti­cu­lar fi­gu­ram na po­si­ção mais con­for­tá­vel de me­nos afe­ta­dos pe­lo de­sem­pre­go, em­bo­ra, no iní­cio des­te ano, a mes­ma OIT te­nha va­ti­ci­na­do que a ca­pa­ci­da­de de ge­ra­ção de pos­tos de tra­ba­lho na re­gião es­te­ja se es­go­tan­do e de­va in­ver­ter a cur­va nos pró­xi­mos dois anos. Pa­ra o Brasil de 2014, o ór­gão pre­via 6,6% de de­sem­pre­go, na­da me­nos do que 7,08 mi­lhões de pes­so­as sem ocu­pa­ção. Pi­or: sem pers­pec­ti­vas de com­pe­tir, se na­da for fei­to pa­ra re­sol­ver o nó da fal­ta de qua­li­fi­ca­ção pro­fis­si­o­nal.

O mer­ca­do de tra­ba­lho bra­si­lei­ro (e mun­di­al) vi­ve um pa­ra­do­xo. De um la­do, es­tão em­pre­sas sem mão de obra ade­qua­da pa­ra pre­en­cher seus qua­dros e, de ou­tro, mas­sas de pro­fis­si­o­nais des­pro­vi­dos das com­pe­tên­ci­as ne­ces­sá­ri­as pa­ra con­se­guir es­ses em­pre­gos. Go­ver­nos e ins­ti­tui­ções de en­si­no mos­tram-se in­ca­pa­zes de cons­truir a pon­te en­tre uns e ou­tros. E to­dos sa­bem que o cus­to econô­mi­co e so­ci­al da dis­pa­ri­da­de é al­to.

Tan­to se sa­be dis­so que, no seu Ma­pa Es­tra­té­gi­co da In­dús­tria 2013-2022, a Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal da In­dús­tria apon­ta a me­lho­ria da edu­ca­ção co­mo ba­se pa­ra o cres­ci­men­to in­dus­tri­al nos pró­xi­mos dez anos. A fal­ta de en­ge­nhei­ros e de tec­nó­lo­gos é o gar­ga­lo do se­tor, que re­cla­ma ain­da da bai­xa qua­li­da­de da edu­ca­ção bá­si­ca, da fal­ta de cur­sos téc­ni­cos e de fa­lhas no En­si­no Su­pe­ri­or. Con­ta­do­res e pro­fis­si­o­nais de fi­nan­ças ocu­pam o pos­to de sex­ta ca­te­go­ria mais de­man­da­da.

É um pro­ble­ma pa­ra em­pre­sas, go­ver­no, uni­ver­si­da­des e in­di­ví­du­os – ví­ti­mas fi­nais de um círculo vi­ci­o­so que pre­ci­sa ser que­bra­do, se qui­ser­mos exor­ci­zar os fan­tas­mas que man­têm nos­so po­ten­ci­al de cres­ci­men­to ata­do às cor­ren­tes da bai­xa pro­du­ti­vi­da­de e da in­ca­pa­ci­da­de de ge­rar em­pre­gos de qua­li­da­de. O de­sen­vol­vi­men­to do País de­pen­de dis­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.