Pes­qui­sa tra­ça per­fil do cli­en­te

Em ju­nho, 622 pes­so­as fo­ram en­tre­vis­ta­das pa­ra ve­ri­fi­car os há­bi­tos dos ma­rin­ga­en­ses na ho­ra de de­ci­dir on­de gas­tar; es­co­lha do lo­cal de­pen­de do pro­du­to a ser com­pra­do Aten­di­men­to é ques­tão de so­bre­vi­vên­cia

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Rú­bia Pi­men­ta

ru­bia@odi­a­rio.com Qual fa­tor é mais im­por­tan­te pa­ra con­quis­tar um cli­en­te? Lo­ca­li­za­ção, pre­ço, qua­li­da­de, aten­di­men­to? Uma pes­qui­sa di­vul­ga­da, on­tem, no Con­gres­so do Em­pre­en­de­dor mos­tra que a res­pos­ta de­pen­de do seg­men­to do co­mér­cio. “Per­ce­be­mos que pa­ra pro­du­tos con­su­mi­dos com frequên­cia, co­mo os de su­per­mer­ca­do, pa­da­ria, far­má­cia e pos­to de com­bus­tí­veis, a lo­ca­li­za­ção é pri­mor­di­al. Já os bens du­rá­veis, co­mo um car­ro, um ele­trô­ni­co ou um ce­lu­lar, há um cui­da­do mai­or do cli­en­te, por is­so, o pre­ço e a qua­li­da­de fa­lam mais al­to”, des­ta­ca um dos ela­bo­ra­do­res do le­van­ta­men­to, o con­sul­tor de em­pre­sas Má­rio Nei Pa­cag­nan.

A pes­qui­sa tem por ob­je­ti­vo tra­çar o per­fil do con­su­mi­dor ma­rin­ga­en­se. Pa­ra is­so, fo­ram en­tre­vis­ta­das, du­ran­te o mês de ju­nho, 622 pes­so­as, res­pei­tan­do os cri­té­ri­os de ren­da e dis­tri­bui­ção da po­pu­la­ção na ci­da­de. O es­tu­do foi re­a­li­za­do a pe­di­do do Se­brae, As­so­ci­a­ção Co­mer­ci­al e Em­pre­sa­ri­al de Maringá (Acim) e Sin­di­ca­to do Co­mér­cio Va­re­jis­ta da ci­da­de e Re­gião (Si­va­mar).

Pa­ra Pa­cag­nan, a pes­qui­sa vem des­mis­ti­fi­car al­guns mi­tos. “Sem­pre se fa­la que a qua­li­da­de é al­go pri­mor­di­al, po­rém, de­pen­den­do do ra­mo de atu­a­ção, ou­tros fa­to­res tam­bém de­vem ganhar aten­ção do em­pre­sá­rio”, res­sal­ta.

No se­tor de ves­tuá­rio, cal­ça­dos e uti­li­da­des do­més­ti­cas, os en­tre­vis­ta­dos afir­ma­ram que as pro­mo­ções são o prin­ci­pal fa­tor de es­co­lher de com­pra. “Os em­pre­sá­ri­os de­vem pri­vi­le­gi­ar ofer­tas com pre­ços es­pe­ci­ais, com gran­de di­vul­ga­ção na mí­dia”, ex­pli­ca o ad­mi­nis­tra­dor Re­na­to Ro­cha Ne­to, que tam­bém aju­dou na ela­bo­ra­ção da pes­qui­sa.

Pa­cag­nan acres­cen­ta que uma pe­cu­li­a­ri­da­de do le­van­ta­men­to foi o que­si­to “cos­tu­me”. Mui­tos en­tre­vis­ta­dos res­pon­de- ram que com­pram em uma cer­ta lo­ja, ex­clu­si­va­men­te, por há­bi­to. “Por is­so, que, mui­tas ve­zes, um em­pre­sá­rio no­vo so­fre pa­ra con­quis­tar uma cli­en­te­la”, ci­ta. Ele de­cla­ra ser di­fí­cil afir­mar se o ma­rin­ga­en­se é um tra­di­ci­o­na­lis­ta. “Mas é um pon­to im­por­tan­te na ho­ra de es­tu­dar a aber­tu­ra de um ne­gó­cio”, aler­ta.

Lo­ca­li­za­ção

A pes­qui­sa per­gun­tou qual co­mér­cio o en­tre­vis­ta­do sen­te fal­ta no bair­ro de­le. No ín­di­ce ge­ral, 44,7% res­pon­de­ram que não fal­ta na­da. “Is­so mos­tra que mui­tos se­to­res po­dem es­tar sa­tu­ra­dos, por cau­sa da for­te vo­ca­ção da ci­da­de pa­ra o va­re­jo, por is­so, an­tes de abrir um co­mér­cio, é im­por­tan­te ave­ri­guar quais as ne­ces­si­da­des de ca­da re­gião”, ori­en­ta.

A pes­qui­sa mos­tra al­guns nú­me­ros sur­pre­en­den­tes. No Cen­tro e re­gião nor­te, a mai­or quei­xa dos en­tre­vis­ta­dos (20% e 15%, res­pec­ti­va­men­te) é a fal­ta de far­má­ci­as. Na re­gião les­te, apon­ta-se a fal­ta de su­per­mer­ca­dos (20,2%), en­quan­to na oes­te e na sul, fal­tam pa­da­ri­as (25% e 13,9%). Uma das per­gun­tas fei­tas aos en­tre­vis­ta­dos foi “Qual su­ges­tão da­ria pa­ra me­lho­rar as lo­jas da ci­da­de?”. Qua­se me­ta­de dos en­tre­vis­ta­dos (49,7%) res­pon­de­ram aten­di­men­to. Em se­gui­da, os cli­en­tes pe­di­ram me­lho­res pre­ços (36,5%) e es­ta­ci­o­na­men­to (34,1%).

A ques­tão do aten­di­men­to ga­nha re­le­vân­cia qu­an­do 61% dos en­tre­vis­ta­dos afir­ma­rem que a sim­pa­tia e ca­pa­ci­ta­ção do ven­de­dor são o fa­tor que mais lhe cha­mam a aten­ção em uma lo­ja. “Es­tes da­dos mos­tram co­mo é im­por­tan­te in­ves­tir em trei­na­men­to de fun­ci­o­ná­ri­os”, fri­sa o ad­mi­nis­tra­dor Re­na­to Ro­cha Ne­to.

O es­ta­ci­o­na­men­to ga­nha ca­da vez mais a sim­pa­tia dos cli­en­tes: 11% de­les afir­ma­ram que es­te é um di­fe­ren­ci­al im­por­tan­te do co­mér­cio. “É uma in­for­ma­ção que mos­tra tam­bém um pro­ble­ma so­ci­al. Exis­tem tan­tos car­ros, que aque­les es­ta­be­le­ci­men­tos que pro­mo­vem a co­mo­di­da­de do cli­en­te não pre­ci­sar fi­car dan­do vol­tas pa­ra con­se­guir che­gar à vo­cê, sa­em na fren­te”, des­ta­ca.

Ou­tro fa­tor que cha­ma aten­ção dos cli­en­tes pa­ra uma lo­ja é o as­pec­to vi­su­al: 46,8% dis­se­ram que as vi­tri­nas são gran­des cha­ma­ri­zes, en­quan­to a ar­ru­ma­ção fi­ca com 41,5%.

Ra­fa­el Sil­va

Le­van­ta­men­to com­pro­va a ne­ces­si­da­de de trei­nar os fun­ci­o­ná­ri­os

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.