Ani­mais de gran­de por­te são re­ti­ra­dos da rua

Pro­pri­e­tá­ri­os te­rão que pa­gar mul­ta de R$ 300, por ani­mal, e po­dem ser res­pon­sa­bi­li­za­dos ju­di­ci­al­men­te em ca­so de rein­ci­dên­cia ou aci­den­te; vi­zi­nhos re­cla­mam do cur­ral

O Diario do Norte do Parana - - REGIÃO - Luiz de Carvalho

carvalho@odi­a­rio.com A Pre­fei­tu­ra de Sarandi ini­ci­ou, nes­ta se­gun­da­fei­ra, a apre­en­são de to­dos os ani­mais de gran­de por­te, que fo­rem en­con­tra­dos pe­ram­bu­lan­do pe­la ci­da­de. Pa­ra re­a­vê-los, os pro­pri­e­tá­ri­os te­rão que pa­gar mul­ta de R$ 300, por ani­mal, além de ser res­pon­sa­bi­li­za­do, ju­di­ci­al­men­te, em ca­so de rein­ci­dên­cia ou se o bi­cho pro­vo­car al­gum ti­po de aci­den­te. A ação, po­rém, provocou a re­a­ção de mo­ra­do­res e co­mer­ci­an­tes do Cen­tro da ci­da­de, por­que o cur­ral, pa­ra abri­gar os ani­mais apre­en­di­dos, foi im­pro­vi­sa­do em ple­na área re­si­den­ci­al.

Em Sarandi, é co­mum va­cas e ca­va­los tran­si­ta­rem pe­la ci­da­de, dis­pu­tan­do a pis­ta, com car­ros e mo­tos, ou a cal­ça­da, com pe- des­tres, in­clu­si­ve, no Cen­tro. Nos bair­ros, vê-se ma­na­das de por­cos, cru­zan­do ru­as e in­va­din­do quin­tais. No ano pas­sa­do, o agri­cul­tor João Pe­dro Vol­pa­to e o fi­lho Mai­co Jor­dão fi­ze­ram um pro­tes­to inu­si­ta­do ao tan­ger uma pe­que­na boi­a­da até a fren­te da pre­fei­tu­ra pa­ra exi­gir pro­vi­dên­ci­as con­tra os ani­mais sol­tos, que des­tro­em hor­tas e ou­tras plan­ta­ções.

“Ago­ra, nós te­mos uma Lei Mu­ni­ci­pal, que dis­ci­pli­na a pre­sen­ça de ani­mais de gran­de por­te na área ur­ba­na e aca­ba­mos de con­tra­tar uma pes­soa ex­pe­ri­en­te pa­ra re­a­li­zar as cap­tu­ras”, des­ta­ca o pre­fei­to Car­los Alberto de Pau­la Jú­ni­or (PDT). “Sa­be­mos que os pro­pri­e­tá­ri­os vão re­cla­mar, mas, há mui­to tem­po, te­mos aler­ta­do pa­ra que man­ti­ves­sem os ani­mais pre­sos ou, no mí­ni­mo, amar­ra­dos, mas pa­re­ce que nin­guém to­mou pro­vi­dên­ci­as, obri­gan­do-nos a ado­tar me­di­das rí­gi­das”, res­sal­ta.

De acor­do com o pre­fei­to, mui­tas pes­so­as têm va­cas e ca­va­los pa­ra o tra­ba­lho, po­rém, dei­xam os bi­chos sol­tos e pro­vo­cam pro­ble­mas. No ano pas­sa­do, um ca­va­lo cru­za­va a BR-376, à noi­te, e aca­bou atro­pe­la­do por um VW San­ta­na. Uma mo­to, que vi­nha atrás, com du­as pes­so­as, cho­cou­se con­tra o ani­mal caí­do e um ca­mi­nhão pas­sou so­bre a mo­to­ci­cle­ta, por pou­co não es­ma­gan­do as pes­so­as caí­das na pis­ta.

Baia cen­tral

Por fal­ta de lo­cal ade­qua­do pa­ra guar­dar os ani­mais apre­en­di­dos, a Se­cre­ta­ria de Meio Am­bi­en­te im­pro­vi­sou um cur­ral no pá­tio da se­de do ór­gão, em meio a um pe­que­no bos­que, on­de há um vi­vei­ro de mu­das e, des­de se­gun­da-fei­ra, abri­ga um ca­va­lo, uma égua e um bur­ro, os pri­mei­ros ani­mais apre­en­di­dos. A ten­dên­cia é au­men­tar a quan­ti­da­de de bi­chos, por­que os pro­pri­e­tá­ri­os ain­da não pro­cu­ra­ram re­ti­rá-los e a se­cre­ta­ria de­ve re­a­li­zar no­vas cap­tu­ras a par­tir de ho­je.

Po­rém, o cur­ral, ime­di­a­ta­men­te, provocou a re­a­ção de mo­ra­do­res da vi­zi­nhan­ça, que, lo­go no pri­mei­ro dia, fi­ca­ram in­co­mo­da­dos com a pre­sen­ça dos ani­mais. Al­guns já fa­lam em de­nun­ci­ar a pre­fei­tu­ra à Vi­gi­lân­cia Sa­ni­tá­ria e ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Meio Am­bi­en­te, por con­tra­ri­ar a Lei Or­gâ­ni­ca do Mu­ni­cí­pio e a Lei Fe­de­ral 6.803, de 1998.

De acor­do com os mo­ra­do­res, o es­tru­me e a uri­na dos ani­mais tor­na­ram a re­gião fé­ti­da e au­men­tou a quan­ti­da­de de mos­cas, in­clu­si­ve, va­re­jei­ras, nas pro­xi­mi­da­des, en­tran­do nas ca­sas. “Aqui é uma área re­si­den­ci­al, pra­ti­ca­men­te no Cen­tro, não é lu­gar pa­ra man­ter ani­mais gran­des”, fri­sa uma mo­ra­do­ra da Rua Taí. “A Vi­gi­lân­cia Sa­ni­tá­ria não ad­mi­te que pes­so­as cri­em ani­mais de gran­de por­te em ca­sa, mas a pró­pria pre­fei­tu­ra re­sol­ve fa­zer um cur­ral no Cen­tro”, critica.

In­sa­lu­bre

O em­pre­sá­rio Clai­ton Al­cân­ta­ra da Sil­va Jú­ni­or diz que cons­truiu a ca­sa de­le na­que­la área por con­si­de­rar o lo­cal apra­zí­vel, por cau­sa do pe­que­no bos­que exis­ten­te no pá­tio da Se­cre­ta­ria do Meio Am­bi­en­te. “Ago­ra, o que era uma van­ta­gem, trans­for­mou-se em um gran­de pro­ble­ma. Pas­sa­mos a ser vi­zi­nhos de uma baia fe­do­ren­ta”, de­cla­ra. Se­gun­do ele, a re­gião tor­nou-se in­sa­lu­bre. “Por en­quan­to, é o mau chei­ro e as mos­cas, mas lo­go co­me­çam os car­ra­pa­tos e ou­tras pra­gas”, diz.

O di­re­tor do De­par­ta­men­to de Agri­cul­tu­ra e Pe­cuá­ria, Már­cio Im­pé­rio, diz que o pro­ble­ma é tem­po­rá­rio. “Ti­ve­mos que im­pro­vi­sar o cur­ral, mas a ideia é le­var os ani­mais pa­ra a área da So­ci­e­da­de Ru­ral, on­de exis­tem ins­ta­la­ções ade­qua­das”, in­for­ma.

Im­pé­rio acre­di­ta que, em pou­cos di­as de apre­en­sões, os pro­pri­e­tá­ri­os de ani­mais tra­ta­rão de man­tê-los pre­sos e, em bre­ve, Sarandi não te­rá mais bi­chos nas ru­as e nem ha­ve­rá ne­ces­si­da­de de cap­tu­ra. “A mul­ta é pe­sa­da e o pro­pri­e­tá­rio ar­ca­rá ain­da com o pa­ga­men­to diá­rio pe­la baia, ra­ção, água e até tra­ta­men­to ve­te­ri­ná­rio, se for ne­ces­sá­rio. De­pois de cin­co di­as, ele per­de­rá o di­rei­to so­bre o ani­mal, que po­de­rá ser re­pas­sa­do pa­ra uma ins­ti­tui­ção de pro­te­ção”, aler­ta. O juiz da Sé­ti­ma Va­ra do Tra­ba­lho de Lon­dri­na, Mau­ro Vas­ni Pa­ros­ki, aca­tou o pe­di­do do Sin­di­ca­to dos Tra­ba­lha­do­res nas In­dús­tri­as da Cons­tru­ção e do Mo­bi­liá­rio da ci­da­de (Sin­tra­com) pa­ra a qu­e­bra de si­gi­lo fis­cal do pos­sí­vel “só­cio ocul­to” da Igua­çu do Brasil, em­pre­sa acu­sa­da de frau­de na com­pra e ven­da de imó­veis em Lon­dri­na e Maringá. A de­ter­mi­na­ção da Jus­ti­ça tam­bém se es­ten­de ao re­pre­sen­tan­te do gru­po, o ex-pre­fei­to de Man­da­gua­ri, Car­los Alberto Cam­pos. Ele te­ria pro­to­co­la­do, em car­tó­rio, uma car­ta, afir­man­do a exis­tên­cia de um só­cio.

O ex-ser­vi­dor da Igua­çu, Jú­lio Su­zu­ki, con­fir­mou ter vis­to o em­pre­sá­rio par­ti­ci­par de reu­niões in­ter­nas da em­pre­sa. “A gen­te te­ve con­ta­to com es­sa pes­soa. Ele era vis­to com frequên­cia com o seo Car­los. O fi­lho de­le tra­ba­lha­va pa­ra a em­pre­sa”, con­tou. Ele ci­tou que os pro­je­tos ar­qui­tetô­ni­cos dos dois pri­mei­ros em­pre­en­di­men­tos da cons­tru­to­ra fo­ram ela­bo­ra­dos pe­la fi­lha do “só­cio ocul­to”. O em­pre­sá­rio re­si­de, em Cu­ri­ti­ba, e não te­ve o no­me re­ve­la­do.

Su­zu­ki tra­ba­lhou na Igua­çu por qua­se qua­tro anos co­mo au­xi­li­ar ad­mi­nis­tra­ti­vo. Es­tá sem re­ce­ber os sa­lá­ri­os de mar­ço e as ver­bas res­ci­só­ri­as, por cau­sa da de­mis­são.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.