De­mar­ca­ção opõe ín­di­os e pro­du­to­res

Ad­vo­ga­do diz que Jus­ti­ça não ga­ran­te di­rei­to à pro­pri­e­da­de; pa­ra lí­de­res do agro­ne­gó­cio, go­ver­no se man­tém in­di­fe­ren­te à atu­a­ção da Fu­nai e cria in­se­gu­ran­ça no cam­po 105 in­va­sões no pri­mei­ro se­mes­tre

O Diario do Norte do Parana - - AGRONEGÓCIO - Ro­gé­rio Rec­co

Em agos­to de 2005, a pro­pri­e­da­de de 117 al­quei­res de Jo­sé Val­dir Bres­can­sin, em Ta­ma­ra­na (a 144 quilô­me­tros de Maringá), an­ti­go dis­tri­to de Lon­dri­na, foi in­va­di­da por um gru­po de sem-ter­ras. Di­as de­pois, as cen­te­nas de pes­so­as que es­ta­vam ins­ta­la­das lá, de­ram lu­gar a ín­di­os Kain­gang. Des­de en­tão, o pro­pri­e­tá­rio ten­ta re­a­ver a fa­zen­da.

O agro­pe­cu­a­ris­ta con­ta que, lo­go após a ocu­pa­ção, en­trou com pe­di­do de rein­te­gra­ção de pos­se. No en­tan­to, a co­nhe­ci­da mo­ro­si­da­de da Jus­ti­ça faz do epi­só­dio uma no­ve­la sem fim. “Es­sas ter­ras fo­ram com­pra­das pe­la fa­mí­lia há dé­ca­das. Te­mos a pos­se le­gí­ti­ma de­las. A pro­pri­e­da­de nun­ca es­te­ve em áre­as de­mar­ca­das”, re­cla­ma. No imó­vel, Bres­can­sin man­ti­nha a ati­vi­da­de pe­cuá­ria e pro­du­zia grãos.

De acor­do com o pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção da Agri­cul­tu­ra do Es­ta­do do Pa­ra­ná (Fa­ep), Ági­de Me­ne­guet­te, a ques­tão en­vol­ven­do ter­ras, su­pos­ta­men­te, in­dí­ge­nas é um dos prin­ci­pais pro­ble­mas en­fren­ta­dos, no mo­men­to, pe­los agri­cul­to­res bra­si­lei­ros. Ele des­ta­ca que a si­tu­a­ção en­fren­ta­da pe­lo pro­du­tor de Ta­ma­ra­na é ape­nas uma en­tre as mui­tas re­gis­tra­das no Pa­ra­ná e em vá­ri­os ou­tros Es­ta­dos, en­tre eles, Ma­to Gros­so do Sul, Ma­to Gros­so, San­ta Ca­ta­ri­na, Rio Gran­de do Sul, Bahia e Ma­ra­nhão.

Me­ne­guet­te de­nun­cia que “que­rem tu­mul­tu­ar a área ru­ral em de­fe­sa de in­te­res­ses in­con­fes­sá­veis”. Ele en­fa­ti­za que, por trás de tu­do, es­tá a ação ten­den­ci­o­sa da Fun­da­ção Na­ci­o­nal do Ín­dio (Fu­nai), com o apoio de or­ga­ni­za­ções não-go­ver­na­men­tais na­ci­o­nais e es­tran­gei­ras. “A Fu­nai faz o que bem en­ten­de sob as vis­tas gros­sas do go­ver­no fe­de­ral”, diz.

Gra­vi­da­de

Na quin­ta-fei­ra pas­sa­da, a pe­di­do da Co­ca­mar Co­o­pe­ra­ti­va Agroin­dus­tri­al, uma reu­nião pa­ra de­ba­ter o as­sun­to foi pro­mo­vi­da, em Maringá, com a par­ti­ci­pa­ção de pro­du­to­res as­so­ci­a­dos e de re­pre­sen­tan­tes da pró­pria Fa­ep, Sin­di­ca­to Ru­ral, So­ci­e­da­de Ru­ral (SRM) e da As­so­ci­a­ção Co­mer­ci­al e Em­pre­sa­ri­al (Acim). “O pro­ble­ma es­tá ca­da vez mais per­to de nós. Te­mos que co­nhe­cer e es­tu­dar bem a si­tu­a­ção, que nos pre­o­cu­pa mui­to”, co­men­ta o vi­ce-pre­si­den­te da co­o­pe­ra­ti­va, Jo­sé Fer­nan­des Jar­dim Jú­ni­or.

Con­vi­da­do pe­la Fa­ep, o ad­vo­ga­do Gus­ta­vo Pas­sa­rel­li da Sil­va, com es­cri­tó­rio em Cam­po Gran­de (MS), res­sal­ta que, no Es­ta­do de­le, é co­mum ha­ver “in­va­sões vi­o­len­tas” e o go­ver­no fe­de­ral até pa­re­ce “não ter po­der so­bre a Fu­nai, que age, li­vre­men­te, em cau­sa pró­pria”. Ele aler­ta que o pro­ble­ma en­vol­ven­do a ques­tão in­dí­ge­na “é da mai­or gra­vi­da­de”, pois a pró­pria jus­ti­ça bra­si­lei­ra não le­va em con­si­de­ra­ção, nes­ses ca­sos, o di­rei­to à pro­pri­e­da­de.

Na opi­nião de­le, o con­cei­to e o prin­cí­pio da pro­pri­e­da­de pri­va­da fi­ca­ram mui­to re­la­ti­vos. O ad­vo­ga­do re­cor­da que es­se de­ve­ria ser um di­rei­to ina­tin­gí­vel. “O do­no da ter­ra vai pre­ci­sar, de uma ho­ra pa­ra ou­tra, de uma sé­rie de pres­su­pos­tos de di­fí­cil ob­ten­ção pa­ra pro­var que re­al­men­te é do­no”, ci­ta.

Fi­car aten­tos às pu­bli­ca­ções, em le­tras mi­nús­cu­las, do Diá­rio Ofi­ci­al da União tem vi­ra­do uma ro­ti­na, an­gus­ti­an­te, pa­ra mui­tos pro­du­to­res, se­gun­do Sil­va, por­que es­sa, na mai­o­ria das ve­zes, é a úni­ca ma­nei­ra que eles têm de fi­ca­rem sa­ben­do de pro­ble­mas en­vol­ven­do as ter­ras de­les.

A com­ple­xi­da­de é ta­ma­nha que qu­an­do se fa­la em di­rei­tos in­dí­ge­nas, en­vol­vem-se tam­bém di­rei­tos hu­ma­nos, sen­do um te­ma, ex­tre­ma­men­te, sen­sí­vel, por­que gran­de par­te da so- ci­e­da­de já tem opi­nião for­ma­da so­bre o as­sun­to – in­va­ri­a­vel­men­te, des­fa­vo­rá­vel aos agri­cul­to­res. “O pro­du­tor lu­ta con­tra a União, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral e a opi­nião pú­bli­ca na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal”, afir­ma o ad­vo­ga­do.

Au­to­má­ti­co

Ou­tro com­pli­ca­dor, na vi­são de Sil­va, é a di­fi­cul­da­de exis­ten­te pa­ra se achar um an­tro­pó­lo­go, que se dis­po­nha a pro­du­zir um lau­do com isen­ção - item bá­si­co pa­ra ins­tru­men­ta­li­zar a de­fe­sa. Na mai­or par­te dos ca­sos, a ava­li­a­ção des­ses pro­fis­si­o­nais é sub­je­ti­va e di­fe­ren­te da re­a­li­da­de.

Sil­va ad­ver­te que a gran­de di- fe­ren­ça en­tre a ques­tão dos sem­ter­ra e a dos ín­di­os es­tá no fa­to que, qu­an­do uma área é de­mar­ca­da co­mo sen­do ter­ra in­dí­ge­na, os tí­tu­los das pro­pri­e­da­des são anu­la­dos, pas­sam a per­ten­cer à União e os an­ti­gos do­nos não têm di­rei­to à in­de­ni­za­ção, con­for­me pre­vê o pa­rá­gra­fo sex­to da Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral. “Qu­an­do a Fu­nai co­lo­ca os mar­cos em uma re­gião, a in­va­são é au­to­má­ti­ca”, fri­sa.

O ad­vo­ga­do de­cla­ra que “es­ta­mos em um mo­men­to mui­to ten­so”. Pa­ra ele, no Pa­ra­ná, nos mu­ni­cí­pi­os de Gu­aí­ra e Ter­ra Ro­xa, lo­ca­li­za­dos na zo­na de fron­tei­ra com o Pa­ra­guai, es­tão as áre­as mais com­pli­ca­das. Há, in­clu­si­ve, de acor­do com ele, de­nún­ci­as de que a Fu­nai “im­por­ta” in­dí­ge­nas do país vi­zi­nho pa­ra re­for­çar as in­va­sões. “Acre­di­to que a Fu­nai não vá se li­mi­tar a es­sas re­giões, pois so­fre, cons­tan­te­men­te, uma gran­de pres­são”, ava­lia.

Sil­va de­fen­de co­mo úni­ca ma­nei­ra de en­fren­tar o pro­ble­ma, o es­ta­be­le­ci­men­to do que ele de­fi­ne co­mo “ju­di­ci­a­li­za­ção ma­ci­ça” da ques­tão. Ele ex­pli­ca que os pro­du­to­res pre­ci­sam es­tar uni­dos e or­ga­ni­za­dos em en­ti­da­des re­pre­sen­ta­ti­vas, que se­jam for­tes e ca­pa­zes de es­tru­tu­ra­rem as­ses­so­ri­as ju­rí­di­cas, al­ta­men­te pre­pa­ra­das, pa­ra en­fren­tar du­ras e lon­gas ba­ta­lhas nos tri­bu­nais. De ja­nei­ro a ju­nho des­te ano, o Ob­ser­va­tó­rio das In­se­gu­ran­ças Ju­rí­di­cas no Cam­po, ór­gão da Con­fe­de­ra­ção da Agri­cul­tu­ra do Brasil (CNA), re­gis­trou 105 in­va­sões de in­dí­ge­nas em pro­pri­e­da­des ru­rais. Os da­dos fi­ze­ram com que a pre­si­den­te do ór­gão, se­na­do­ra Ká­tia Abreu (PSD-TO), apre­sen­tas­se, no dia dois des­te mês, pro­je­to de lei sus­pen­den­do pro­ces­sos de­mar­ca­tó­ri­os de ter­ras in­dí­ge­nas so­bre pro­pri­e­da­des in­va­di­das por dois anos se­guin­tes à de­so­cu­pa­ção.

“O Brasil en­fren­ta uma du­ra re­a­li­da­de no cam­po. São 190 con­fli­tos. As si­tu­a­ções mais crí­ti­cas ocor­rem no Ma­to Gros­so do Sul e na Bahia, com 67 e 80 fa­zen­das in­va­di­das, res­pec­ti­va­men­te”, aler­ta a se­na­do­ra. Ela acres­cen­ta que “res­ta­be­le­cer o Es­ta­do de Di­rei­to e ga­ran­tir se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca aos pro­du­to­res é fun­da­men­tal pa­ra o bom de­sem­pe­nho da agro­pe­cuá­ria bra­si­lei­ra”.

“Os Es­ta­dos Uni­dos cresceram e se tor­na­ram uma po­tên­cia, gra­ças ao cum­pri­men­to dos con­tra­tos e o res­pei­to ao di­rei­to de pro­pri­e­da­de”, ava­lia o ad­vo­ga­do Gus­ta­vo Pas­sa­rel­li Sil­va. De acor­do com ele, 95% das ter­ras in­dí­ge­nas já fo­ram de­mar­ca­das no Brasil. “Os 5% res­tan­tes es­tão com­pli­ca­dos e es­sa bri­ga vai lon­ge”, opi­na.

Sil­va des­ta­ca que o jul­ga­men­to, por par­te do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), da área de­no­mi­na­da Ra­po­sa Ter­ra do Sol, em Ro­rai­ma, “é um ca­so em­ble­má­ti­co, que da­rá um nor­te so­bre a de­mar­ca­ção das ter­ras in­dí­ge­nas no Brasil”. Se a de­ci­são for fa­vo­rá­vel aos cer­ca de 18 mil ín­di­os dos po­vos In­ga­ri­kó, Ma­cu­xi, Tau­re­pang, Pa­ta­mo­na e Wa­pi­xa­na, que vi­vem ali, eles te­rão di­rei­to a uma re­ser­va for­ma­da por mais de 1,750 mi­lhão de hec­ta­res.

Pa­ra o pre­si­den­te do Sin­di­ca­to Ru­ral de Maringá, Jo­sé Antônio Borghi, en­quan­to, com ape­nas 5,5% do to­tal de ter­ras, a agri­cul­tu­ra de grãos faz do País um dos prin­ci­pais ce­lei­ros de ali­men­tos do mun­do, as áre­as in­dí­ge­nas já so­mam 12,7%. “Nos Es­ta­dos Uni­dos, os prin­ci­pais con­cor­ren­tes dos bra­si­lei­ros, as re­ser­vas in­dí­ge­nas não pas­sam de 0,4% do ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal”, fri­sa.

Ar­qui­vo/DNP

Se os ín­di­os in­va­dem, os tí­tu­los são anu­la­dos e os do­nos não têm di­rei­to à in­de­ni­za­ção, diz a Cons­ti­tui­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.