Dil­ma diz que espionagem é afron­ta a paí­ses

No dis­cur­so de aber­tu­ra da As­sem­bleia-Ge­ral das Na­ções Uni­das, em No­va Ior­que, a pre­si­den­te do Brasil qua­li­fi­cou as ações co­mo vi­o­la­ção de so­be­ra­nia

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Da Re­da­ção, com Agên­ci­as

re­da­cao@odi­a­rio.com A pre­si­den­te Dil­ma Rousseff fez du­ras crí­ti­cas às de­nún­ci­as de espionagem dos Es­ta­dos Uni­dos, no dis­cur­so de aber­tu­ra da As­sem­bleia-Ge­ral da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU), on­tem pe­la ma­nhã, em No­va Ior­que. Na ple­ná­ria, ela qua­li­fi­cou as ações co­mo vi­o­la­ção da so­be­ra­nia e dos di­rei­tos hu­ma­nos. “Ja­mais po­de uma so­be­ra­nia fir­mar-se em de­tri­men­to de ou­tra so­be­ra­nia”, des­ta­cou.

Após a re­ve­la­ção de do­cu­men­tos que in­di­ca­vam o mo­ni­to­ra­men­to de con­ver­sas en­tre Dil­ma e as­ses­so­res, além de da­dos da Pe­tro­bras e de ci­da­dãos bra­si­lei­ros, a pre­si­den­te can­ce­lou a vi­si­ta ofi­ci­al que fa­ria aos Es­ta­dos Uni­dos, no pró­xi­mo mês. Em tom rí­gi­do, co­mo era es­pe­ra­do, ela de­fi­niu a con­du­ta do go­ver­no nor­te-ame­ri­ca­no co­mo “in­tru­são”. “Sem res­pei­to à so­be­ra­nia, não há ba­se pa­ra o re­la­ci­o­na­men­to en­tre as na­ções”, res­sal­tou.

A pre­si­den­te dis­se ain­da que o go­ver­no bra­si­lei­ro exi­giu ex­pli­ca­ções dos Es­ta­dos Uni­dos, além de des­cul­pas e ga­ran­ti­as de que es­sas prá­ti­cas não se re­pi­tam. Dil­ma re­pe­tiu que as ações são “inad­mis­sí­veis” e mais uma vez re­cha­çou os ar­gu­men­tos de que se­ri­am ado­ta­das pa­ra o com­ba­te ao ter­ro­ris­mo. “So­mos um país de­mo­crá­ti­co, cer­ca­do de paí­ses de­mo­crá­ti­cos, pa­cí­fi- “Es­ta­mos di­an­te de um ca­so gra­ve de vi­o­la­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos e das li­ber­da­des ci­vis; de des­res­pei­to à so­be­ra­nia” cos e res­pei­to­sos do Di­rei­to In­ter­na­ci­o­nal”, de­cla­rou.

Dil­ma fri­sou que o Brasil vai re­do­brar os es­for­ços pa­ra do­tar­se de le­gis­la­ção e tec­no­lo­gia pa­ra pro­te­ger o País da in­ter­cep­ta­ção ile­gal da co­mu­ni­ca­ção de da­dos e co­brou res­pos­tas da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal. “O pro­ble­ma, po­rém, trans­cen­de o re­la­ci­o­na­men­to bi­la­te­ral de dois paí­ses. Afe­ta a pró­pria co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal e de­la exi­ge res­pos­ta”, ar­gu­men­tou.

A pre­si­den­te an­te­ci­pou que o go­ver­no bra­si­lei­ro apre­sen­ta­rá pro­pos­tas pa­ra a cri­a­ção de um mar­co ci­vil mul­ti­la­te­ral pa­ra a go­ver­nan­ça e uso da in­ter­net. Se­gun­do Dil­ma, o acor­do de­ve­rá ser a ga­ran­tia da li­ber­da­de de ex­pres­são, de res­pei­to aos di­rei­tos hu­ma­nos e de neu­tra­li­da­de da re­de. “Es­te é o mo­men­to de cri­ar­mos as con­di­ções pa­ra evi­tar que o es­pa­ço ci­ber­né­ti­co se­ja ins­tru­men­ta­li­za­do co­mo ar­ma de guer­ra”, ale­gou

Na fa­la, Dil­ma cri­ti­cou a dis­po­si­ção dos EUA e ali­a­dos de agi­rem sem apoio do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU e vol­tou a pe­dir a re­for­ma do ór­gão. Ela afir­mou que a “po­la­ri­za­ção” en­tre os mem­bros per­ma­nen­tes ge­ra um “imo­bi­lis­mo pe­ri­go­so” e de­fen­deu que o con­se­lho in­clua “vo­zes in­de­pen­den­tes e cons­tru­ti­vas”.

Dil­ma de­di­cou par­te do dis­cur­so pa­ra fa­lar so­bre as ações so­ci­ais do go­ver­no de­la pa­ra o com­ba­te à po­bre­za e re­lem­brou os pro­tes­tos de rua ocor­ri­dos no País, em ju­nho, e os cin­co pac­tos apre­sen­ta­dos em res­pos­ta às ma­ni­fes­ta­ções. “O meu go­ver­no não as re­pri­miu, pe­lo con­trá­rio, ou­viu e com­pre­en­deu a voz das ru­as. Ou­vi­mos e com­pre­en­de­mos, por­que nós vi­e­mos das ru­as”, fri­sou.

Thi­a­go Ber­nar­des/Es­ta­dão Con­teú­do

Em tom rí­gi­do, a pre­si­den­te de­fi­niu a con­du­ta dos EUA co­mo “in­tru­são”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.