Um tu­ris­mo do ou­tro mun­do

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

re­gi­me co­mu­nis­ta, com os ves­tí­gi­os dos lí­de­res so­vié­ti­cos, de he­róis re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os e de ce­le­bri­da­des da URSS, co­mo o cos­mo­nau­ta Yu­ri Ga­ga­rin. A par­te prin­ci­pal é o mau­so­léu de Le­nin, on­de o cor­po em­bal­sa­ma­do do lí­der bol­che­vi­que ain­da é man­ti­do em ex­po­si­ção. O cul­to ao cor­po de Le­nin foi uma in­ven­ção de Sta­lin, um fa­to ra­zo­a­vel­men­te pa­ra­do­xal em um re­gi­me que era ori­en­ta­do por uma fi­lo­so­fia ma­te­ri­a­lis­ta. Le­nin, cer­ta­men­te, de­sa­pro­va­ria. Sta­lin ins­tru­men­ta­li­zou o re­pri­mi­do sen­ti­men­to re­li­gi­o­so do po­vo e ca­na­li­zou o cul­to ao lí­der mor­to em fa­vor de si pró­prio. Mor­to em 1953, ele pró­prio vi­ria a ser em­bal­sa­ma­do e ex­pos­to, por al­guns anos, ao la­do de Le­nin. Após cair em des­gra­ça com a as­cen­são de Krus­chov, ga­nhou uma se­pul­tu­ra lo­go atrás do mau­so­léu. A ter­cei­ra ne­cró­po­le lo­ca­li­za-se na ca­te­dral de Pe­dro e Pau­lo, no in­te­ri­or do com­ple­xo da for­ta­le­za homô­ni­ma, pon­to inau­gu­ral de São Pe­ters­bur­go. Ne­la es­tão se­pul­ta­dos os res­tos mor­tais dos cza­res que rei­na­ram na no­va ca­pi­tal, de Pe­dro, o gran­de, a Nicolau II, o mo­nar­ca de­pos­to pe­la revolução re­pu­bli­ca­na de fe­ve­rei­ro de 1917. A no­vi­da­de, no ca­so, é que Nicolau II e sua fa­mí­lia fo­ram alo­ja­dos ali em fa­se re­la­ti­va­men­te re­cen­te, ga­nhan­do uma ca­pe­la em lo­cal des­ta­ca­do. Exe­cu­ta­dos du­ran­te a guer­ra ci­vil que su­ce­deu a revolução bol­che­vi­que, seus res­tos mor­tais fo­ram lo­ca­li­za­dos ape­nas no fi­nal dos anos 1980, du­ran­te a pe­res­troi­ka, e iden­ti­fi­ca­dos, por meio do exa­me de DNA, no iní­cio da dé­ca­da se­guin­te. O trans­la­do, com di­rei­to a ri­tos de Es­ta­do, ocor­reu sob o go­ver­no de Bo­ris Ielt­sin. Os exa­mes aca­ba­ram com a len­da de que ha­via so­bre­vi­vi­do uma prin­ce­sa. Os ves­tí­gi­os de Anas­tá­sia en­con­tram-se lá. Co­mo sou his­to­ri­a­dor especializado em his­tó­ria con­tem­po­râ­nea, foi mui­to ins­tru­ti­vo vi­si­tar as du­as pon­tas do pro­ces­so da revolução rus­sa. No fil­me Dr. Ji­va­go, qu­an­do é in­for­ma­do da exe­cu­ção da fa­mí­lia im­pe­ri­al, o pro­ta­go­nis­ta diz al­go as­sim: “é si­nal de que não ha­ve­rá vol­ta ao pas­sa­do”. A ro­da da his­tó­ria não gi­rou pa­ra trás, mas a ava­li­a­ção do pas­sa­do es­tá su­jei­ta a re­vi­ra­vol­tas. Ho­je, há até um cul­to à úl­ti­ma fa­mí­lia im­pe­ri­al, que foi ca­no­ni­za­da pe­la Igre­ja Or­to­do­xa. Por ou­tro la­do, é cu­ri­o­so que, du­as dé­ca­das após o fim da URSS, o cor­po em­bal­sa­ma­do de seu fun­da­dor con­ti­nue no mau­so­léu. Hou­ve de­ba­tes so­bre o seu se­pul­ta­men­to em mais de uma con­jun­tu­ra, mas es­sa de­ci­são vem sen­do se­gui­da­men­te adi­a­da. O pre­si­den­te Pu­tin, um ex-agente do KGB que ocu­pa o mes­mo apar­ta­men­to que Le­nin uti­li­za­va no Krem­lin, dis­se: “A his­tó­ria não tem pres­sa”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.