Au­men­to da tem­pe­ra­tu­ra ele­va chan­ce de tem­po­rais

AQUE­CI­MEN­TO GLO­BAL Quan­to mais ca­lor, mai­or a eva­po­ra­ção e a chan­ce de chu­vas tor­ren­ci­ais; pro­je­ções pa­ra as pró­xi­mas dé­ca­das dei­xam as ci­da­des e o cam­po em aler­ta so­bre os efei­tos do ca­lor

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Fá­bio Lin­jar­di

lin­jar­di@odi­a­rio.com Ma­rin­gá di­fi­cil­men­te te­rá ge­a­das, se­rá cer­ca de 3 °C mais quen­te, as chu­vas se­rão mais es­par­sas e se­ve­ras, au­men­tan­do o ris­co de inun­da­ções na ci­da­de, ao mes­mo tem­po em que a agri­cul­tu­ra te­rá me­nor pro­du­ti­vi­da­de. Isso, da­qui a 87 anos, em 2100, ca­so se con­cre­ti­ze o pi­or ce­ná­rio pre­vis­to pe­lo Pai­nel In­ter­go­ver­na­men­tal so­bre Mu­dan­ças Cli­má­ti­cas (IPCC), da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU).

“O pessoal acha que quan­to mais es­quen­tar vai ter me­nos chu­va. A ca­da grau que au­men­ta, po­de su­bir em 10% o vo­lu­me de chu­va em re­giões com bas­tan­te água, co­mo a nos­sa. A ló­gi­ca é que quan­to mai­or o ca­lor, mai­or a eva­po­ra­ção”, diz Jo­rim Sou­za das Vir­gens Fi­lho, pes­qui­sa­dor da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Pon­ta Gros­sa (UEPG). Ele é res­pon­sá­vel pe­lo de­sen­vol­vi­men­to de um pro­gra­ma de com­pu­ta­dor que faz si­mu­la­ções cli­má­ti­cas. A van­ta­gem do pro­gra­ma, se­gun­do ele, é que foi de­sen­vol­vi­do le­van­do em con­si­de­ra­ção a re­a­li­da­de do He­mis­fé­rio Sul, en­quan­to as de­mais fer­ra­men­tas do gê­ne­ro são de­sen­vol­vi­das por pes­qui­sa­do­res de países do si­tu­a­dos ao nor­te do glo­bo.

Pa­ra com­pro­var a efi­cá­cia de seu sis­te­ma, o pes­qui­sa­dor pe­gou da­dos his­tó­ri­cos de va­ri­a­ção de tem­pe­ra­tu­ra re­gis­tra­dos pe­lo Ins­ti­tu­to Tec­no­ló­gi­co Si­me­par e di­vi­diu em du­as par­tes: me­ta­de ser­viu co­mo ba­se pa­ra as pro­je­ções das tem­pe­ra­tu­ras e o res­tan­te foi uti­li­za­do co­mo pro­va, pa­ra ver se as pro­je­ções do com­pu­ta­dor se apro­xi­ma­vam da re­a­li­da­de. O pro­gra­ma de­sen­vol­vi­do pe­lo pes­qui­sa­dor foi o que mais se as­se­me­lhou à re­a­li­da­de – tam­bém fo­ram uti­li­za­das fer­ra­men­tas de­sen­vol­vi­das nos Es­ta­dos Uni­dos e Eu­ro­pa. “Fi­cou mais pró­xi­mo por­que é mais ade­qua­do à nos­sa si­tu­a­ção cli­má­ti­ca”, diz.

Em ou­tro es­tu­do com par­ti­ci­pa­ção de Vir­gens Fi­lho, apre­sen-

Meio am­bi­en­te

ta­do es­te mês no XVIII Con­gres­so Brasileiro de Agro­me­te­o­ro­lo­gia, são apre­sen­ta­dos os ri­cos de ge­a­da ao lon­go das pró­xi­mas dé­ca­das, ten­do co­mo ba­se as pro­je­ções de 2007 do IPCC, mais ra­di­cais que as atu­ais – com au­men­to de 1,8 °C, no mo­de­lo oti­mis­ta, até 4 °C, na pre­vi­são mais pes­si­mis­ta pa­ra o Es­ta­do. Em am­bos ce­ná­ri­os, até 2039, Ma­rin­gá apa­re­ce co­mo fo­ra da zo­na de ris­co de ge­a­da. A di­fe­ren­ça en­tre as pre­vi­sões é que en­quan­to no ce­ná­rio de me­nor aque­ci­men­to as re­giões cen­tral e sul do Es­ta­do ain­da te­rão ge­a­da em 2099, na pre­vi­são de mai­or au­men­to de tem­pe­ra­tu­ra. Co­mo a po­pu­la­ção po­de se pro­te­ger? Pa­ra o co­or­de­na­dor do Ob­ser­va­tó­rio Am­bi­en­tal de Ma­rin­gá e pro­fes­sor-dou­tor do De­par­ta­men­to de Ge­o­gra­fia da UEM, Jor­ge Vil­la­lo­bos, a me­lhor al­ter­na­ti­va é o plan­tio de ár­vo­res. Ele se ba­seia em um es­tu­do do pes­qui­sa­dor nor­te-ame­ri­ca­no Mi­cha­el Lau­rie (fa­le­ci­do em 2002), so­bre co­mo as ár­vo­res con­tri­bu­em pa­ra a re­du­ção de tem­pe­ra­tu­ra. Um de­se­nho de Lau­rie, fei­to em 1978 e re­pro­du­zi­do em de­ze­nas de pes­qui­sas mos­tra a im­por­tân­cia da ár­vo­re. A fi­gu­ra mos­tra que ao mes­mo tem­po em que o as­fal­to sob o sol es­tá a 50°C, a gra­ma à som­bra de uma ár­vo­re po­de che­gar aos 17°C. “O aque­ci­men­to glo­bal não de­ve pre­ju­di­car as ár­vo­res de Ma­rin­gá no futuro, mas o que a ci­da­de vai pre­ci­sar é de um pla­no de ma­ne­jo ade­qua­do”, diz Vil­la­lo­bos. “O aque­ci­men­to glo­bal não de­ve pre­ju­di­car as ár­vo­res de Ma­rin­gá, mas o que a ci­da­de vai pre­ci­sar é de um pla­no de ma­ne­jo”

Cris­ti­a­no Es­tre­la/Es­ta­dão Con­teú­do

Rio Ita­jaí-Açu, ala­gou ci­da­des co­mo Rio do Sul (SC), nes­ta se­ma­na; pre­vi­são é que com o aque­ci­men­to glo­bal inun­da­ções fi­quem mais fre­quen­tes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.