Termô­me­tro glo­bal

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Das Agências

re­da­cao@odi­a­rio.com A Ter­ra de­ve es­quen­tar me­nos até o fim sé­cu­lo do que os ci­en­tis­tas es­ti­ma­vam. É o que in­di­cam da­dos pre­li­mi­na­res do Pai­nel In­ter­go­ver­na­men­tal de Mu­dan­ças Cli­má­ti­cas (IPCC), da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU), que de­vem ser con­so­li­da­dos en­tre ho­je e ama­nhã. O re­la­tó­rio es­tá sen­do for­mu­la­do por um gru­po de es­pe­ci­a­lis­tas reu­ni­do em Es­to­col­mo, na Sué­cia.

Se­gun­do o re­la­tó­rio, ain­da em fa­se de de­sen­vol­vi­men­to, o termô­me­tro glo­bal po­de­rá su­bir en­tre 0,2°C e 4,8°C até 2100. Os nú­me­ros são mais oti­mis­tas quan­do com­pa­ra­dos com os apre­sen­ta­dos no le­van­ta­men­to an­te­ri­or, re­a­li­za­do em 2007, e que apon­tou au­men­to da tem­pe­ra­tu­ra até o fim do sé­cu­lo en­tre 1,1° C e 6,4° C.

O de­se­qui­lí­brio ra­di­o­a­ti­vo da Ter­ra, pro­vo­ca­do em sua mai­or par­te por emis­sões de ga­ses de efei­to es­tu­fa, é ti­do co­mo fa­tor de­ter­mi­nan­te pa­ra o aque­ci­men­to glo­bal, se­ja ele em es­ca­la mai­or ou me­nor, e tam­bém pa­ra a ele­va­ção do ní­vel dos oce­a­nos, que foi de 44% em 6 anos.

No do­cu­men­to se lê que “o au­men­to da con­cen­tra­ção de CO2 des­de 1750, dá a mai­or con­tri­bui­ção lí­qui­da pa­ra a for­çan­te ra­di­o­a­ti­va e tam­bém a mai­or con­tri­bui­ção pa­ra aumentar a for­ça an­tro­po­gê­ni­ca (cau­sa­da pe­lo ho­mem) em ca­da dé­ca­da des­de os anos 60”.

Es­te é mais um pas­so que os ci­en­tis­tas dão no sen­ti­do de es­ta­be­le­cer uma ava­li­a­ção quan­ti­ta­ti­va do grau de res­pon­sa­bi­li­da­de hu­ma­na pe­lo aque­ci­men­to. O ras­cu­nho ain­da é ge­né­ri­co so­bre o te­ma. “É ex­tre­ma­men­te pro­vá­vel que a in­fluên­cia hu- ma­na no cli­ma te­nha cau­sa­do mais da me­ta­de do au­men­to ob­ser­va­do da tem­pe­ra­tu­ra mé­dia na su­per­fí­cie glo­bal en­tre 1951 e 2010”, diz o tex­to. “Há al­ta con­vic­ção de que isso aque­ceu o oce­a­no, der­re­teu ne­ve e ge­lo, ele­vou o ní­vel glo­bal do mar”.

A sen­ten­ça ain­da po­de evo­luir até a divulgação do re­la­tó­rio fi­nal. De acor­do com o fí­si­co brasileiro Pau­lo Ar­ta­xo, dou­tor em Fí­si­ca At­mos­fé­ri­ca, pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP) e mem­bro do IPCC, as in­for­ma­ções so­bre o de­se­qui­lí­brio ra­di­o­a­ti­vo da Ter­ra são o que há de mais im­por­tan­te no re­la­tó­rio até aqui. “A for­çan­te ra­di­o­a­ti­va do re­la­tó­rio de 2007 era 1,6 watts por metro qua­dra­do. Ago­ra é de 2,2 watts por metro qua­dra­do. Isso sig­ni­fi­ca que o ho­mem es­tá al­te­ran­do mui­to o ba­lan­ço ra­di­o­a­ti­vo ter­res­tre”, ex­pli­cou.

As es­ta­tís­ti­cas so­bre o de- se­qui­lí­brio ra­di­o­a­ti­vo são uma res­pos­ta im­por­tan­te da co­mu­ni­da­de ci­en­tí­fi­ca às crí­ti­cas re­cen­tes so­fri­das pe­lo IPCC quan­to à su­pos­ta “de­sa­ce­le­ra­ção” do aque­ci­men­to glo­bal. A “pausa” da cur­va de au­men­to da tem­pe­ra­tu­ra foi di­ag­nos­ti­ca­da pe­los ci­en­tis­tas en­tre 1998 e 2012, in­ter­va­lo de tem­po em que a va­ri­a­ção de tem­pe­ra­tu­ra mé­dia da Ter­ra foi de 0,05 °C por dé­ca­da, me­nor do que a ten­dên­cia en­tre 1951 e 2012, quan­do a va­ri­a­ção foi de 0,12 °C.

Es­sa cons­ta­ta­ção ser­viu pa­ra que ci­en­tis­tas e po­lí­ti­cos que ne­gam o aque­ci­men­to glo­bal ata­cas­sem o tra­ba­lho do IPCC nas úl­ti­mas du­as se­ma­nas, acu­san­do-o de ser con­tra­di­tó­rio. Os pes­qui­sa­do­res ale­gam, no en­tan­to, que va­ri­a­ções em in­ter­va­los cur­tos de tem­po, co­mo 15 anos, são nor­mais e não mu­dam a ten­dên­cia de aque­ci­men­to em lon­go pra­zo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.