Com­ba­te ao crack te­rá atu­a­ção de 44 po­li­ci­ais e guar­das mu­ni­ci­pais

Agen­tes pas­sam por cur­so de ca­pa­ci­ta­ção, pa­ra es­ta­be­le­cer no­vos cri­té­ri­os de abor­da­gem aos usuá­ri­os, que dei­xa­ram de ser vis­tos co­mo cri­mi­no­sos

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Car­la Gu­e­des

car­la@odi­a­rio.com O com­ba­te ao trá­fi­co e con­su­mo de crack, em Ma­rin­gá, ga­nhou em re­for­ço es­ta se­ma­na. Qua­ren­ta e qu­a­tro po­li­ci­ais mi­li­ta­res, ci­vis e guar­das mu­ni­ci­pais con­cluí­ram um cur­so, de 160 ho­ras, so­bre abor­da­gem a tra­fi­can­tes e usuá­ri­os da dro­ga. Ou­tra no­vi­da­de é que até o fim do ano a re­gião da Pra­ça Ra­po­so Ta­va­res, no Cen­tro da ci­da­de, se­rá mo­ni­to­ra­da por vin­te câ­me­ras de vi­gi­lân­cia e te­rá uma ba­se mó­vel. As ações in­te­gram o pro­gra­ma Crack é Pos­sí­vel Ven­cer, do go­ver­no fe­de­ral.

Uma das li­ções apren­di­das no cur­so é a de que o usuá­rio de crack não é mais vis­to co­mo cri­mi­no­so pe­la lei bra­si­lei­ra, mas co­mo al­guém que pre­ci­sa de aju­da mé­di­ca. Pensando nis­so, as abor­da­gens a de­pen­den­tes quí­mi­cos não ter­mi­na­rão na De­le­ga­cia, com um bo­le­tim de ocor­rên­cia, co­mo ocor­re ho­je. A ideia é ir além e pe­dir apoio da equi­pe de abor­da­gem de rua da Se­cre­ta­ria de As­sis­tên­cia So­ci­al e Ci­da­da­nia (Sasc), pa­ra con­ven­cer o de­pen­den­te a bus­car tra­ta­men­to e li­vrar-se do ví­cio. “O cur­so cri­ou no po­li­ci­al a no­ção de que ele não é só um fis­ca­li­za­dor da lei, mas um ci­da­dão ga­ran­ti­dor de di­rei­tos. Os agen­tes de se­gu­ran­ça têm que ver [o usuá­rio de crack] co­mo al­guém que tem di­rei­to e de­ve­res”, diz o ca­pi­tão Ra­da­més Lu­ci­a­no Vi­nha, co­or­de­na­dor do cur­so.

As au­las en­si­na­ram téc­ni­cas de abor­da­gem pa­ra quan­do po­li­ci­ais e guar­das se de­pa­ra­rem com ce­nas de con­su­mo de dro­gas e pa­ra que sai­bam usar equi­pa­men­tos de me­nor po­ten­ci­al ofen­si­vo. Fi­ze­ram a ca­pa­ci­ta­ção 15 po­li­ci­ais mi­li­ta­res, 28 guar­das mu­ni­ci­pais e um po­li­ci­al ci­vil. Os 15 PMs for­ma­dos, in­di­ca­dos pe­lo pró­prio 4º Ba­ta­lhão, são pro­fis­si­o­nais ex­pe­ri­en­tes e que par­ti­ci­pam de abor­da­gens no dia a dia. “A pre­ven­ção se­rá for­te, e a re­pres­são, qua­li­fi­ca­da”, fri­sa o co­man­dan­te do 4º Ba­ta­lhão, te­nen­te-co­ro­nel Antô­nio Pa­di­lha. “Que­re­mos ca­pa­ci­tar nú­me­ro ain­da mai­or de po­li­ci­ais”, res­sal­ta.

O di­re­tor de Se­gu­ran­ça Pú­bli- ca da pre­fei­tu­ra, Rogério Mel­lo, de­cla­ra que, a par­tir de ago­ra, os guar­das mu­ni­ci­pais fa­rão abor­da­gens mais “hu­ma­ni­za­das” aos usuá­ri­os de dro­gas. “Te­mos que to­mar cui­da­do, por­que são do­en­tes que pre­ci­sam não só de abor­da­gem rís­pi­da e du­ra, mas de mui­to res­pei­to pa­ra que pos­sam ser en­ca­mi­nha­dos pa­ra tra­ta­men­tos”, afir­ma.

O de­le­ga­do da Di­vi­são Es­ta­du­al de Nar­có­ti­cos (De­narc), em Ma­rin­gá, Adão Wag­ner Ro­dri­gues, des­ta­ca, sem ci­tar nú­me­ros, que as apre­en­sões de crack têm au­men­ta­do e que a uni­da­de efe­tua pri­sões, es­pe­ci­al­men­te, de mé­di­os e gran­des tra­fi­can­tes. “As apre­en­sões de crack, in­fe­liz­men­te, cres­cem e pro­cu­ra­mos combater a dis­tri­bui­ção da dro­ga na re­gião”, co­men­ta.

Câ­me­ras

A pre­vi­são é que a par­tir de de- zem­bro as vin­te câ­me­ras mo­ni­to­rem um raio de três quilô­me­tros da Pra­ça Ra­po­so Ta­va­res. A cen­tral de mo­ni­to­ra­men­to fi­ca­rá em um mi­cro-ôni­bus, que es­ta­rá es­ta­ci­o­na­do na pra­ça. Três agen­tes de se­gu­ran­ça vão ana­li­sar as ima­gens e po­de­rão aci­o­nar a po­lí­cia, a guar­da mu­ni­ci­pal ou a Sasc. Os re­cur­sos pa­ra a com­pra dos equi­pa­men­tos se­rão re­pas­sa­dos pe­lo go­ver­no fe­de­ral.

Ain­da se­rão cons­truí­dos, com re­cur­sos do pro­gra­ma fe­de­ral, o Cen­tro de Aten­ção Psi­cos­so­ci­al Ál­co­ol e Dro­gas 24 ho­ras, a uni­da­de de aco­lhi­men­to pa­ra ado­les­cen­tes e adul­tos, um no­vo Cen­tro de Re­fe­rên­cia Es­pe­ci­a­li­za­do de As­sis­tên­cia So­ci­al (Cre­as) e mais um con­sul­tó­rio de rua.

O co­or­de­na­dor da Di­re­to­ria So­bre Dro­gas, Alex Cha­ves, re­co­nhe­ce que a for­ça-tarefa en­fren­ta­rá de­sa­fi­os. “Va­mos en­con­trar o cri­me or­ga­ni­za­do e a re­sis­tên- cia de tra­fi­can­tes que vão per­der di­nhei­ro. Te­re­mos di­fi­cul­da­de de aco­lher to­dos os usuá­ri­os, por­que sa­be­mos que há pes­so­as que vol­tam pa­ra a rua. Na área da pre­ven­ção, te­mos que con­ven­cer a so­ci­e­da­de que a pre­ven­ção não ca­be só à pre­fei­tu­ra ou às es­co­las, mas à im­pren­sa ou a qu­em pu­der fa­zer”, cons­ta­ta.

Os 44 agen­tes for­ma­dos que vão atu­ar no com­ba­te ao crack não fi­ca­rão con­cen­tra­dos na pra­ça. Um co­mi­tê ges­tor vai de­fi­nir os lo­cais de atu­a­ção de po­li­ci­ais e guar­das e da ins­ta­la­ção das câ­me­ras.

Re­la­tó­ri­os da Sasc in­di­cam que, de ja­nei­ro a ju­lho des­te ano, 41,2% dos aten­di­men­tos, fo­ram fei­tos a de­pen­den­tes de crack - a dro­ga só per­de pa­ra o ál­co­ol. A mai­o­ria faz uso de en­tor­pe­cen­tes há mais de 15 anos e 46%, que pro­cu­ra­ram aju­da, eram rein­ci­den­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.