Pa­ra­ná bem na fi­ta

“A que de­ve a hon­ra...” e “Sylvia”, cur­tas-me­tra­gens do PR são pre­mi­a­dos em Brasília; pro­du­ção ci­ne­ma­to­grá­fi­ca do Es­ta­do se so­li­di­fi­ca ape­sar da fal­ta de po­lí­ti­ca do go­ver­no pa­ra se­tor

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - An­dré Dib

Dois cur­tas pa­ra­na­en­ses fo­ram des­ta­que na pre­mi­a­ção do 46º Festival de Brasília. Di­ri­gi­do por Ra­fa­el Ur­ban e Te­ren­ce Kel­ler, o do­cu­men­tá­rio cu­ri­ti­ba­no “A que de­ve a hon­ra da ilus­tre vi­si­ta es­te sim­ples marquês?” ga­nhou prê­mio de me­lhor di­re­ção (jú­ri ofi­ci­al) do Festival de Brasília. O fil­me tam­bém foi elei­to o me­lhor cur­ta pe­la crí­ti­ca es­pe­ci­a­li­za­da, em jú­ri or­ga­ni­za­do pe­la As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Crí­ti­cos de Ci­ne­ma – Abrac­ci­ne. Di­ri­gi­do pe­lo lon­dri­nen­se Arthur Ian­ke­vicz, a fic­ção “Sylvia” foi elei­to pe­lo jú­ri ofi­ci­al co­mo o me­lhor som em sua ca­te­go­ria, as­si­na­do por Bru­no Ber­ga­mo.

Sem diá­lo­gos e pra­ti­can­do ci­ne­ma de gê­ne­ro, “Sylvia” exer­ci­ta o poder mai­or do ci­ne­ma, a nar­ra­ti­va não-ver­bal ao co­lo­car a câ­me­ra den­tro de um rin­gue on­de du­as mu­lhe­res, apa­ren­te­men­te ami­gas, ter­mi­nam por dis­pu­tar psi­co­ló­gi­ca e fi­si­ca­men­te o con­tro­le do co­mér­cio de fil­mes pi­ra­tas no cen­tro da ci­da­de. O es­tu­do de luz e som­bra, o ex­pres­si­vo de­se­nho de som, o mo­vi­men­to da câ­me­ra nas ce­nas de lu­ta e a tri­lha so­no­ra evo­cam o sub­gê­ne­ro do blax­ploi­tai­ti­on e fazem de “Sylvia” um ex­pe­ri­ên­cia atí­pi­ca no pa­no­ra­ma cur­ta­me­tra­gis­ta brasileiro.

Pro­du­zi­do pe­la Ki­no­ar­te/Fil­mes do Les­te, “Sylvia” re­a­fir­ma o de­se­jo des­se núcleo lon­dri­nen­se em re­a­li­zar obras ra­di­cais mar­ca­das pe­lo ri­gor es­té­ti­co. É o pri­mei­ro de Arthur Ian- ke­vicz, que vi­nha tra­ba­lhan­do co­mo as­sis­ten­te de di­re­ção pa­ra Ro­dri­go Gro­ta, em sua be­la Tri­lo­gia do Es­que­ci­men­to (“Sa­to­ri Uso”, “Bo­o­ker Pittman” e “Ha­ruo Oha­ra”), en­tre ou­tros fil­mes. Há al­guns anos a Ki­no­ar­te vem aper­fei­ço­an­do uma for­ma pró­pria de se ma­ni­fes­tar, ou se­ja, uma mar­ca au­to­ral que ain­da de­ve pro­por­ci­o­nar bo­as ex­pe­ri­ên­ci­as.

Iden­ti­da­de e me­mó­ria

Ao apre­sen­tar o de­di­ca­do co­le­ci­o­na­dor Max Con­radt Jr., “A que de­ve a hon­ra des­sa vi­si­ta es­te sim­ples marquês” de­mons­tra uma cons­tru­ção de ci­ne­ma cu­ri­o­sa e in­co­mum. Es­tru­tu­ra­do em blo­cos in­de­pen­den­tes, eles mes­mos, co­le­ci­o­ná­veis, o fil­me ob­ser­va Max apre­sen­tan­do seu acer­vo en­quan­to nar­ra his­tó­ri­as mar­can­tes ou pi­to­res­cas de sua vi­da. Ca­da sequên­cia res­pei­ta o tem­po da ex­pla­na­ção, em tem­po re­al, sem cor- tes. De for­ma que vá­ri­os epi­só­di­os e as­pec­tos de sua vi­da fo­ram cor­ta­dos da edi­ção, pa­ra que o cur­ta não se tor­nas­se um mé­dia-me­tra­gem.

O re­sul­ta­do é um na­da mo­ro­so fil­me de 25 mi­nu­tos que mer­gu­lha na sub­je­ti­vi­da­de de um per­so­na­gem in­qui­e­to (en­quan­to fa­la, ele não pa­ra de an­dar) e o tra­duz ima­ge­ti­ca­men­te co­mo um ob­je­to a mais, ador­na­do pe­la sua pró­pria co­le­ção. “En­con­tra­mos Max pe­la pri­mei­ra vez em 2007, du­ran­te um festival de ci­ne­ma, em que ele es­ta­va com car­ta­zes de fil­mes da Bo­ca do Li­xo”, con­ta Te­ren­ce Kel­ler, que re­a­li­zou com Ra­fa­el Ur­ban de­ze­nas de vi­si­tas à re­si­dên­cia on­de Max guar­da seus mi­lha­res de itens.

Par­te do ím­pe­to in­ves­ti­ga­ti­vo dos di­re­to­res vem do fa­to de Ra­fa­el ter for­ma­ção em jor­na­lis­mo, pro­fis­são exer­ci­da em re­da­ções de jor­nais de Curitiba. “Pla­ne­ja­mos sequên­ci­as de três mi­nu­tos mas ele se apro­pri­ou do fil­me e fez nar­ra­ções mais lon­gas”, con­ta Ra­fa­el, que com seu tra­ba­lho an­te­ri­or, “Ovos de di­nos­sau­ro na sa­la de es­tar”, se des­ta­cou ao par­ti­ci­par de mais de cem fes­ti­vais, on­de acu­mu­lou 20 prê­mi­os.

É ine­vi­tá­vel com­pa­rar os dois cur­tas, que mes­mo ao uti­li­zar abor­da­gens di­fe­ren­tes, têm for­mas e pro­pos­tas se­me­lhan­tes. “O Pa­ra­ná não li­da bem com a pró­pria história”, diz o Ra­fa­el. “Co­le­ti­va­men­te, ain­da não sa­be­mos o que é ser pa­ra­na­en­se”.

Du­ran­te as en­tre­vis­tas, Max per­ce­beu que, de tão bem guar­da­do, não era pos­sí­vel lo­ca­li­zar o exem­plar de nº 1 da re­vis­ta Play­boy. Mes­mo di­an­te da pos­si­bi­li­da­de de nun­ca mais re­en­con­trá-la, ele não se dei­xa aba­ter. A pro­xi­mi­da­de da mor­te ame­a­ça in­clu­si­ve a me­mó­ria afe­ti­va, re­cri­a­da de ma­nei­ra por um la­do en­ga­na­do­ra, e por ou­tra im­pe­din­do se caia no com­ple­to es­que­ci­men­to. Um sonho re­cor­ren­te de Max tam­bém fi­cou de fo­ra do cor­te fi­nal. Ne­le, to­das as su­as coi­sas são jo­ga­das fo­ra após sua mor­te. Um pe­sa­de­lo pa­ra qual­quer co­le­ci­o­na­dor.

Os três prê­mi­os con­quis­ta­dos em Brasília são mais um re­fle­xo do ama­du­re­ci­men­to da pro­du­ção pa­ra­na­en­se, que vi­ve mo­men­to po­si­ti­vo ape­sar das tí­mi­das po­lí­ti­cas de fo­men­to mu­ni­ci­pal e es­ta­du­al. O mai­or exem­plo des­te ano é o cur­ta “Pá­tio”, de Aly Mu­ri­ti­ba, que foi se­le­ci­o­na­do pa­ra o Festival de Can­nes, na França. Com es­te e ou­tros fil­mes re­co­nhe­ci­dos na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal­men­te, é ho­ra de ha­ver res­pos­ta por par­te dos ges­to­res pú­bli­cos, que pre­ci­sam co­lo­car em prá­ti­ca uma po­lí­ti­ca cul­tu­ral mais in­ci­si­va pa­ra o ci­ne­ma.

An­dré Dib

“Sylvia”, cur­ta-me­tra­gem de fic­ção do lon­dri­nen­se Arthur Ian­ke­vicz: me­lhor som na ca­te­go­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.