Um po­e­ta das coi­sas mí­ni­mas

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

ga­le­ria, es­co­lheu fa­zer pe­que­nas obras e ex­po-las num can­ti­nho da fei­ra do Lar­go da Or­dem, em Curitiba, nu­ma bar­ra­qui­nha. Pa­ra fa­zer su­as obras, pe­ga cai­xas de fós­fo­ros, li­xo, la­tas, coi­sas lar­ga­das e es­que­ci­das a que nin­guém dá va­lor, to­das pe­que­nas, dá um no­me, in­ven­ta uma es­tó­ria. Uma cai­xa de fós­fo­ros em su­as mãos lo­go po­de vi­rar uma man­je­dou­ra com um cris­ti­nho den­tro, uma es­to­ri­a­zi­nha de um ho­mem in­do à lua, uma “Nos­sa Se­nho­ra da Luz den­tro da cai­xa de fós­fo­ro”. Já qui­se­ram ca­no­ni­zá-lo co­mo ar­tis­ta, mas ele es­per­neia e evita. Um dia ofe­re­ce­ram fa­zer um livro vis­to­so com su­as obras. Não re­cu­sou, mas tam­bém não se po­de di­zer que acei­tou, pois fez ao seu mo­do: em vez de um ca­tá­lo­go, fez uma cai­xi­nha do ta­ma­nho de uma cai­xa de fós­fo­ros e uma san­fo­na com­pri­da com as fo­to­zi­nhas de su­as obras ca­ben­do to­das lá e ele na ca­pa, com um lin­do na­riz ver­me­lho de pa­lha­ço, que é a fan­ta­sia com que me­lhor pa­re­ce se sen­tir bem. E deu a es­se tra­ba­lho o tí­tu­lo de “Bi­o­gra­fia não au­to­ri­za­da do fo­go”. Isso foi em 1994, pois de­pois, em 2002, uma apai­xo­na­da por su­as obras fez um livro so­bre ele, “Pe­que­nas gran­de­zas – Mi­ni­a­tu­ras de Hé­lio Lei­tes”. Com isso, se ani­mou e meio que se as­su­miu mais co­mo ar­tis­ta e aca­bou fa­zen­do um livro, ao qual deu o no­me de “mí­ni­mos”, que re­gis­tra uma boa quan­ti­da­de de su­as obras. Ou­tra fa­ce­ta de­le, dis­far­ça­da por trás do na­riz de pa­lha­ço e meio es­con­di­da nes­sas obras que ele faz, é a de que é po­e­ta. Lei­tes foi mui­to ami­go da He­le­na Ko­lody, uma po­e­ti­nha tão sim­pá­ti­ca, uma professorinha a vi­da to­da, mas tão su­per­la­ti­va co­mo pes­soa que to­dos que a co­nhe­ce­ram se en­can­ta­ram com ela, ain­da mais quan­do fi­cou ve­lhi­nha, de ca­be­los bran­cos e es­cre­ven­do po­e­mas com de­li­ca­de­za. Lei­tes a ho­me­na­ge­ou com o po­e­ma “Ca­no­ni­za­ção de San­ta He­le­na Ko­lody”: “Pra ca­no­ni­zar pes­so­as/ É pre­ci­so mi­la­gres/ Pra ca­no­ni­zar po­e­tas/ Ape­nas po­e­mas”. Na­que­le livro cai­xa de fós­fo­ros de que fa­lei an­tes Lei­tes mos­trou co­mo gos­ta de fo­go. Fez vá­ri­os po­e­mas so­bre ele: “Fe­liz Ani­ver­sá­rio”: “É no bo­lo que se acen­de/ Só pra co­me­mo­rar/ O pri­mei­ro fo­go na vi­da/ pra cri­an­ça apa­gar”. E ou­tro: “Ga­lo”: “Por ser do­no do ter­rei­ro/ com o ra­bo ele acen­de/ o in­cên­dio no ga­li­nhei­ro”. E mais um: “Ne­ro”: “Por fós­fo­ro ti­nha pai­xão/ ca­da pa­li­to que acen­dia/ ar­dia um quar­tei­rão”. Mas Hé­lio não é só pi­a­da, não, pois quan­do di­mi­nui o ri­so e põe o si­so apa­re­ce coi­sa as­sim: “Vou nas­cen­do sem­pre/ é só pin­tar uma chan­ce”. Não de­mo­ra, vi­ra pas­sa­ri­nho: “Ni­nho”: “Mi­nha es­pe­ci­a­li­da­de em mo­ra­da/ é bei­ra de abis­mo/ ex­tre­mo de ra­ma/ for­qui­lhas do céu/ frá­gil é ali que me edi­fi­co/ em pe­na e pa­lha/ tê­nue/ pa­re­de que me se­pa­ra da lua/ frá­gil vi­vo pe­lo pra­zer e de­sa­fio/ de re­cons­truir-me/ após ca­da tem­po­ral”. Ou pei­xe, num car­du­me de eus: “Car­du­me”: “Quan­do eu des­per­to/ des­per­ta um ou­tro den­tro de mim/ que por sua vez des­per­ta ou­tro/ e es­se a tan­tos ou­tros/ co­mo se fos­se um car­du­me/ por isso eu na­ve­go as­sim/ São tan­tos e tão di­fe­ren­tes/ can­tan­do den­tro de mim”. De­ve ser por isso que gos­ta de vi­ver fan­ta­si­a­do, pra es­con­der es­ses tan­tos eus que fi­cam de­bai­xo da­que­le na­riz ver­me­lho de pa­lha­ço.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.