MOR­TOS NA MA­DRU­GA­DA DE ON­TEM

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Roberto Sil­va

Em 4 di­as, o nú­me­ro de ho­mi­cí­di­os em Pa­ra­na­vaí (a 75 quilô­me­tros de Ma­rin­gá), do­brou. A ci­da­de de qua­se 82 mil ha­bi­tan­tes, no no­ro­es­te do Es­ta­do, es­ta­va sem as­sas­si­na­tos nes­te ano des­de mar­ço. A si­tu­a­ção se agra­vou na ma­dru­ga­da de on­tem, quan­do três pes­so­as fo­ram mor­tas a ti­ros em dois bair­ros pró­xi­mos.

A sequên­cia de as­sas­si­na­tos co­me­çou por vol­ta das 4h. Uma equi­pe do 8º Ba­ta­lhão de Po­lí­cia Mi­li­tar (BPM) foi cha­ma­da pa­ra ir ao Jar­dim Re­nas­cer. No lo­cal, os po­li­ci­ais en­con­tra­ram o de­sem­pre­ga­do Lu­cas Hen­ri­que da Sil­va de Sou­za, 21 anos, mor­to com um fe­ri­men­to pro­vo­ca­do por ar­ma de fo­go. Pe­ri­tos cons­ta­ta­ram tam­bém al­guns fe­ri­men­tos pro­va­vel­men­te de fa­ca nas cos­tas da ví­ti­ma. O cor­po es­ta­va no cru­za­men­to das ru­as K com a Yoshi­no­bo Su­naha­ra. Du­ran­te o dia, po­li­ci­ais apu­ra­ram que Sou­za te­ria se en­vol­vi­do em uma bri­ga, nas ime­di­a­ções, mas até o fim da tar­de nin­guém ha­via si­do pre­so.

Me­nos de 3h de­pois, a PM foi cha­ma­da pa­ra aten­der a um ou­tro ca­so. Des­ta vez, um du­plo ho­mi­cí­dio. Lucian de Ma­tos, co­nhe­ci­do co­mo Ma­trix, 28, e a amá­sia de­le, Fernanda da Cos­ta Gus­ta­vo, 34, fo­ram mor­tos com um ti­ro ca­da, den­tro da ca­sa on­de mo­ra­vam, na Rua Ju­a­rez de Oli­vei­ra, no Jar­dim Si­mo­ne 2.

De acor­do com a po­lí­cia, tes­te­mu­nhas re­la­ta­ram ter vis­to um ho­mem con­ver­san­do com o ca­sal na fren­te da re­si­dên­cia e ho­ras de­pois o ho­mem dei­xou a ca­sa. No imó­vel não ha­via si­nais de arrombamento, o que re­for­ça a sus­pei­ta da po­lí­cia que o au­tor se­ria co­nhe­ci­do das ví­ti­mas. “Ao que tudo in­di­ca, a mor­te é em de­cor­rên­cia do en­vol­vi­men­to do ra­paz com o trá­fi­co de dro­gas”, dis­se o su­pe­rin­ten­den­te da Po­lí­cia Ci­vil de Pa­ra­na­vaí, in­ves­ti­ga­dor An­dré Eber­le.

Se­gun­do a po­lí­cia, o ca­sal que mo­ra­va há pou­co tem­po em Pa­ra­na­vaí ti­nha dois fi­lhos que es­ta­vam na ca­sa de pa­ren­tes, em ou­tra ci­da­de, quan­do o cri­me acon­te­ceu. Du­ran­te to­do o dia, po­li­ci­ais es­ti­ve­ram no bair­ro em bus­ca de in­for­ma­ções 21 anos. Se­gun­do a Po­lí­cia Ci­vil (PC), jo­vem de­sem­pre­ga­do, sem an­te­ce­den­tes cri­mi­nais. A prin­ci­pal sus­pei­ta é que ele te­nha se en­vol­vi­do em uma bri­ga. que pu­des­sem le­var aos au­to­res do cri­me. Mas nin­guém ha­via si­do iden­ti­fi­ca­do. “Es­sa re­gião é mui­to fre­quen­ta­da por usuá­ri­os de dro­gas por ter mui­to ma­to, ter­re­nos va­zi­os e cons­tru­ções”, co­men­tou o sar­gen­to Car­los Sil­va.

“Dá me­do de fi­car na rua até mais tar­de. A dro­ga to­mou con­ta de tudo por aqui”, diz a do­na de ca­sa, Ze­nil­de Co­e­lho, que mo­ra pró­xi­ma ao lo­cal on­de o ca­sal foi en­con­tra­do mor­to. “A gen­te sem­pre vê usuá­ri­os pas­san­do, mas não po­de-

28 anos, co­nhe­ci­do co­mo ‘Ma­trix’. Já res­pon­deu por trá­fi­co de dro­gas e era in­ves­ti­ga­do pe­lo mes­mo cri­me. Mor­te po­de es­tar re­la­ci­o­na­da com a ven­da de dro­gas no Jar­dim Si­mo­ne. mos fa­lar na­da. É pe­ri­go­so”, co­men­tou a ou­tra mo­ra­do­ra da re­gião, Ma­ra de França.

Se­gun­da-fei­ra

A se­ma­na já co­me­çou vi­o­len­ta em Pa­ra­na­vaí. Na ma­nhã de se­gun­da-fei­ra, Pau­lo Hen­ri­que Oli­vei­ra da Sil­va, 19, mor­reu após ser es­fa­que­a­do du­ran­te uma bri­ga no úl­ti­mo do­min­go. O au­tor do cri­me, um pe­drei­ro de 24 anos que não te­ve o no­me re­ve­la­do, apre­sen­tou-se na de­le­ga­cia na ma­nhã de qu­ar­ta-fei­ra, com um ad­vo­ga­do. Ele 34 anos. Era amá­sia de Ma­tos. Não ti­nha an­te­ce­den­tes cri­mi­nais. A sus­pei­ta é que ela te­nha si­do mor­ta pa­ra não iden­ti­fi­car os as­sas­si­nos (quei­ma de ar­qui­vo). ale­gou ter agi­do em le­gí­ti­ma de­fe­sa du­ran­te uma bri­ga e não fi­cou pre­so. O pe­drei­ro vai res­pon­der ao pro­ces­so de ho­mi­cí­dio em li­ber­da­de.

De acor­do com a Po­lí­cia Ci­vil, dos oi­to ho­mi­cí­di­os re­gis­tra­dos em 2013 (in­cluin­do os três de on­tem), qu­a­tro es­tão es­cla­re­ci­dos. “É ques­tão de tem­po. Nos ca­sos que ocor­re­ram nes­ta ma­dru­ga­da (de on­tem), es­ta­mos com as equi­pes nas ru­as e te­mos con­di­ções de es­cla­re­cer o quan­to an­tes”, afir­mou Eber­le.

rsil­va@odi­a­rio.com Uma aná­li­se no nú­me­ro de ho­mi­cí­di­os re­gis­tra­dos en­tre ja­nei­ro e se­tem­bro des­te ano em Sa­ran­di e Pai­çan­du, na re­gião me­tro­po­li­ta­na de Ma­rin­gá, mos­tra que os mu­ni­cí­pi­os vi­vem si­tu­a­ções dis­tin­tas e con­fli­tan­tes. De­pois de con­vi­ver por dé­ca­das com o mai­or ín­di­ce de vi­o­lên­cia da re­gião no­ro­es­te, Sa­ran­di con­se­guiu bai­xar a quan­ti­da­de de as­sas­si­na­tos, de 38 ca­sos em 2012, pa­ra 22 nes­te ano, uma re­du­ção na or­dem de 42%. Em Pai­çan­du, a si­tu­a­ção foi in­ver­sa. De uma ci­da­de pa­ca­ta e com bai­xos ín­di­ces de cri­mi­na­li­da­de, os ca­sos sal­ta­ram de no­ve no ano pas­sa­do, pa­ra17, em2013.

Em­bo­ra não exis­ta um es­tu­do que apon­te as cau­sas da in­ver­são da vi­o­lên­cia nos mu­ni­cí­pi­os, a Po­lí­cia Ci­vil de Pai­çan­du atri­bui o au­men­to do nú­me­ro de ho­mi­cí­di­os à mi­gra­ção de tra­fi­can­tes e ou­tros cri­mi­no­sos pa­ra a ci­da­de, bem co­mo a fal­ta de in­ves­ti­men­tos em se­gu­ran­ça pú­bli­ca.

De­le­ga­do ti­tu­lar de Pai­çan­du e res­pon­den­do cu­mu­la­ti­va­men­te pe­lo 2º Dis­tri­to Po­li­ci­al de Ma­rin­gá e de­le­ga­ci­as de Iva­tu­ba e Dr. Ca­mar­go, Gus­ta­vo de Pi­nho Al­ves, diz que a si­tu­a­ção em Pai­çan­du só não é pi­or gra­ças ao em­pe­nho de sua equi­pe de tra­ba­lho, que se re­su­me em ape­nas qu­a­tro in­ves­ti­ga­do­res e três es­cri­vães. “Con­se­gui­mos al­can­çar um ín­di­ce de 85% de elu­ci­da­ção nos ho­mi­cí­di­os re­gis­tra­dos nes­te ano”, fri­sa o de­le­ga­do.

Al­ves ex­pli­ca que o au­men­to do efe­ti­vo po­li­ci­al em Sa­ran­di – que em maio des­te ano pas­sou a contar com 52 po­li­ci­ais mi­li­ta­res e seis no­vas vi­a­tu­ras – am­pli­ou o tra­ba­lho de re­pres­são e pre­ven­ção, o que, con­se­quen­te­men­te, re­sul­tou na ime­di­a­ta re­du­ção dos ín­di­ces cri­mi­nais. En­tre­tan­to, se­gun­do ele, a re­pres­são fez com que cri­mi­no­sos trans­fe­ris­sem re­si­dên­cia pa­ra ci­da­des me­no­res, co­mo Pai­çan­du, cu­jas cor­po­ra­ções po­li­ci­ais con­tam com efe­ti­vos mí­ni­mos e es­tru­tu­ra de­fi­ci­en­te. Co­mo pro­va da mi­gra­ção cri­mi­nal, o de­le­ga­do des­ta­ca que os úl­ti­mos cin­co ho­mi­cí­di­os re­gis­tra­dos nes­te ano em Pai­çan­du ti­ve­ram a par­ti­ci­pa­ção de ex­mo­ra­do­res de Sa­ran­di.

Pa­ra o de­le­ga­do, o nú­me­ro de po­li­ci­ais de­sig­na­dos pa­ra Pai­çan­du é in­su­fi­ci­en­te pa­ra dar con­ta de 800 inqué­ri­tos que tra­mi­tam na de­le­ga­cia. Sem efe­ti­vo, a de­le­ga­cia não fun­ci­o­na no pe­río­do no­tur­no, fins de se­ma­na e fe­ri­a­dos. Na Po­lí­cia Mi­li­tar, a si­tu­a­ção não é di­fe­ren­te. Em­bo­ra o co­man­do não re­ve­le o efe­ti­vo, fon­tes ex­tra­o­fi­ci­ais afir­mam que ape­nas oi­to PMs com­po­ri­am a for­ça po­li­ci­al, com mé­dia de três po­li­ci­ais por tur­no e ape­nas uma vi­a­tu­ra.

Ra­fa­el Sil­va

Cen­tro de Con­tro­le de Operação da Po­lí­cia Mi­li­tar em Pa­ra­na­vaí: se­ma­na de mui­to tra­ba­lho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.