Noi­te

QUA­LI­DA­DE faz con­cer­to com

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Wi­la­me Pra­do

wi­la­me@odi­a­rio.com Do cé­le­bre Pi­xin­gui­nha ao res­pei­ta­do Ja­cob do Ban­do­lim. Do clás­si­co “Ti­co-Ti­co no Fu­bá” ao ines­que­cí­vel “Bra­si­lei­ri­nho”. Um con­cer­to ins­tru­men­tal com cho­ros e sam­bas do pri­mei­ro es­ca­lão é o que promete pa­ra a noi­te de ho­je o Qu­ar­te­to Ca­fé, gru­po for­ma­do em Ara­ra­qua­ra-SP há 14 anos pe­lo ban­do­li­nis­ta Cle­ber Ran­gel – mais co­nhe­ci­do co­mo Car­ra­pi­cho –, acom­pa­nha­do do vi­o­lo­nis­ta Fa­bi­a­no da Sil­va Mar­che­si­ni (vi­o­lão de se­te cor­das), do ca­va­qui­nis­ta Ever­ton Ro­dri­go Fa­bi­a­no e do pan­dei­ris­ta An­dré da Cos­ta Oli­vei­ra, to­dos “cri­as” do res­pei­ta­do Con­ser­va­tó­rio de Ta­tuí, ci­da­de tam­bém lo­ca­li­za­da no Es­ta­do de São Pau­lo.

O con­cer­to, que co­me­ça às 20h no sa­lão so­ci­al do Sesc (Zo­na 7) com en­tra­da fran­ca, é uma re­a­li­za­ção do Ci­ran­da das Ar­tes, que, se­gun­do a co­or­de­na­do­ra de ati­vi­da­des ar­tís­ti­cas do Sesc, Bár­ba­ra Mar­chi Di Gen­na­ro, é um pro­je­to que tem co­mo ob­je­ti­vo ofe­re­cer ati­vi­da­des cul­tu­rais múl­ti­plas à co­mu­ni­da­de, vi­san­do ain­da a in­clu­são so­ci­o­cul­tu­ral e a de­mo­cra­ti­za­ção do di­rei­to à cul­tu­ra.

“Co­me­ça­mos co­mo um gru­po de es­tu­do do cho­ro e não pa­ra­mos mais”, re­lem­bra Car­ra­pi­cho, em en­tre­vis­ta con­ce­di­da­ao Diá­rio, por te­le­fo­ne, on­tem, lo­go de­pois de uma apre­sen­ta­ção mu­si­cal re­a­li­za­da na Pra­ça Vic­tor Ci­vi­ta, em Pi­nhei­ros, bair­ro da ca­pi- tal pau­lis­ta. “Es­ta­va to­can­do com um ban­do­lim fei­to com ma­dei­ra cer­ti­fi­ca­da, vin­da da Amazô­nia. O pro­je­to é bem ba­ca­na e quer pro­var que é pos­sí­vel to­car com um bom ins­tru­men­to mu­si­cal fei­to com ma­dei­ra cer­ti­fi­ca­da, ma­té­ria-pri­ma não en­vol­vi­da com to­do aque­le des­ma­ta­men­to que acar­re­ta in­clu­si­ve em ma­tan­ça”, diz.

O ban­do­li­nis­ta promete pa­ra a apre­sen­ta­ção da noi­te de ho­je em Ma­rin­gá, além das can­ções in­cluí­das no pro­gra­ma

al­gu­ma coi­sa ou ou­tra de Chi­co Bu­ar­que e Nelson Ca­va­qui­nho. “Mes­mo sem o vo­cal, o pú­bli­co gos­ta e re­co­nhe­ce na ho­ra as mú­si­cas to­ca­das.”

Des­de o iní­cio, Car­ra­pi­cho re­ve­la que o im­pro­vi­so nas in­ter­pre­ta­ções mu­si­cais aca­bou fi­gu­ran­do co­mo mar­ca re­gis­tra­da do Qu­ar­te­to Ca­fé. Tudo com a na­tu­ra­li­da­de ne­ces­sá­ria pa­ra os mú­si­cos cri­a­dos em uma re­gião on­de, se­gun­do o ban­do­li­nis­ta, o cho­ro e o sam­ba rei­nam ab­so­lu­to.

Ca­pi­tal do sam­ba

“São Pau­lo é a ca­pi­tal do sam­ba. E na re­gião de Ara­ra­qua­ra, par­ti­ci­pa­mos ati­va­men­te de vá­ri­os fes­ti­vais de cho­ro, co­mo o Cho­ran­do Sem Pa­rar, em São Car­los. Após es­tu­dos de im­pro­vi­sa­ção no con­ser­va­tó­rio, aca­bou fi­can­do na­tu­ral no qu­ar­te­to os im­pro­vi­sos, fa­ze­mos uma mú­si­ca bem livre. Den­tro de ar­ran­jos, sem­pre dei­xa­mos uma par­te livre pa­ra a im­pro­vi­sa­ção”, diz.

E se no in­te­ri­or pau­lis­ta eles exe­cu­tam os cho­ros “sem me­do de ser fe­liz”, o termô­me­tro ma­rin­ga­en­se, se­gun­do o ban­do­li­nis­ta, par­te do que in­for­mou so­bre a ce­na mu­si­cal lo­cal o ami­go do qu­ar­te­to Pau­lo Pe­tri­ni, jor­na­lis­ta que atua na Rá­dio Uni­ver­si­tá­ria da UEM, es­pe­ci­a­lis­ta em Mú- si­ca e au­tor do livro “Her­me­to Pas­co­al, Mu­si­cal­men­te Fa­lan­do”. “Mar­ca­mos com o Pau­lo de dar­mos uma pa­li­nha ao vi­vo na rá­dio da UEM. Ele nos fa­lou so­bre o pú­bli­co que gos­ta de cho­ri­nho na ci­da­de e tam­bém so­bre os cur­sos de mú­si­ca da uni­ver­si­da­de”, ani­ma­se Car­ra­pi­cho.

Ca­fé

Pa­ra qu­em fi­cou cu­ri­o­so so­bre o no­me do qu­ar­te­to, o músico ex­pli­ca que a ideia par­tiu do pai de um dos in­te­gran­tes: “No co­me­ço, ten­ta­mos no­mes que não de­ram cer­to. Já fo­mos o Coi­sa Man­da­da, mas sem­pre cho­via mui­to nas apre­sen- ta­ções ao ar livre ( Até que o pai do vi­o­lo­nis­ta te­ve uma sa­ca­da ge­ni­al: ele viu que as ini­ci­ais de ca­da um do gru­po (Cle­ber, An­dré, Fa­bi­a­no e Ever­ton) re­sul­ta­va na pa­la­vra ‘ca­fé’. Ba­ca­na né? Ca­fé é uma coi­sa mui­to boa e to­do mun­do do qu­ar­te­to gos­ta de um ca­fe­zi­nho.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.