Es­tran­gei­ro

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

co­mo sen­do ja­po­ne­ses ou chi­ne­ses, ja­mais co­re­a­nos. No Pe­ru, por exem­plo, é co­mum que to­dos as pes­so­as com tra­ços ori­en­tais se­jam cha­ma­das de “chi­nos”. Não co­nhe­ci nin­guém do Vi­et­nã ou Cam­bo­ja, mas já en­con­trei al­guns co­re­a­nos e as­se­ve­ro que es­se meu ami­go não tem na­da a ver com eles. Co­nhe­ci uma fa­mí­lia que to­ca­va uma pas­te­la­ria re­no­ma­da em Curitiba, cha­ma­da Si­mo­ne (o es­ta­be­le­ci­men­to, não a fa­mí­lia). Eram chi­ne­ses. Es­tra­nha re­la­ção es­sa que chi­ne­ses e ja­po­ne­ses têm com o pas­tel. De­ve ser por­que a igua­ria foi uma mu­ta­ção gas­tronô­mi­ca de pe­tis­cos ori­gi­ná­ri­os da­que­les países. Nosso pas­tel se­ria um ro­li­nho pri­ma­ve­ra tu­na­do, ou um gyo­sa trans­for­mer. Há mui­to tem­po, quan­do não se cha­ma­vam ja­po­ne­ses de co­re­a­nos, ha­via ape­nas três ti­pos de pas­tel: de quei­jo, de car­ne e de pal­mi­to. Ho­je, o mix de re­chei­os vai de es­tro­go­no­fe a mi­lho ver­de, pas­san­do por ba­ca­lhau e car­ne se­ca. Até de goi­a­ba­da tem. Na Es­pa­nha há as em­pa­na­das (aqui na Amé­ri­ca do Sul tam­bém), e di­zem que as chi­le­nas são as me­lho­res. Des­co­nhe­ço se há al­gum ser hu­ma­no que con­fun­da chi­le­nos com es­pa­nhóis. Mas, a ri­gor, em­pa­na­da não é pas­tel, as­sim co­mo o ra­vi­o­li dos ita­li­a­nos, ape­sar de fei­to com mas­sa e re­cheio, tam­bém não o é. Ti­ves­se es­se meu ami­go nas­ci­do nes­tas ter­ras ver­me­lhas do no­ro­es­te do Pa­ra­ná, mui­to pro­va­vel­men­te não se­ria cha­ma­do de co­re­a­no, e não se sen­ti­ria um gai­jin. Cer­ta­men­te fa­ria de uma de su­as ati­vi­da­des pre­fe­ri­das na ci­da­de o ato de co­mer um pas­tel em uma das mui­tas fei­ras-li­vres que acon­te­cem na ci­da­de. E seu tex­to, não es­cri­to, ge­ra­ria ou­tro ja­mais fei­to – no ca­so, es­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.