Mul­ta so­bre o FGTS pa­ga pe­los em­pre­ga­do­res

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

Após vo­ta­ção ini­ci­a­da no dia 17/9 (ter­ça­fei­ra), com o re­sul­ta­do ge­ral di­vul­ga­do na ma­dru­ga­da do dia se guin­te, o Con­gres­so Na­ci­o­nal man­te­ve a co­bran­ça da mul­ta de 10% so­bre o sal­do do Fun­do de Ga­ran­tia por Tem­po de Ser­vi­ço (FGTS), pa­ga pe­los em­pre­ga­do­res em de­mis­sões sem jus­ta cau­sa. O Pro­je­to de Lei Com­ple­men­tar 200/12, de au­to­ria do Senado e ini­ci­al­men­te apro­va­do pe­la Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, foi ve­ta­do pe­la Pre­si­den­te Dil­ma, e nes­ta úl­ti­ma vo­ta­ção, o Con­gres­so re­sol­veu man­ter o re­fe­ri­do ve­to. Es­sa mul­ta, que tem na­tu­re­za de con­tri­bui­ção, foi ins­ti­tuí­da em 2001 pa­ra aumentar os re­cur­sos do FGTS, já que da­li sai­ri­am os va­lo­res usa­dos pa­ra com­pen­sar as per­das nas con­tas in­di­vi­du­ais dos tra­ba­lha­do­res, de­ri­va­das de ex­pur­gos na cor­re­ção mo­ne­tá­ria, fei­tas pe­los pla­nos Ve­rão e Col­lor, en­tre de­zem­bro de 1988 a maio de 1990.

Não se tra­ta, en­tão, da mul­ta de 40% so­bre o sal­do de FGTS, que os em­pre­ga­do­res pa­gam aos em­pre­ga­dos de­mi­ti­dos sem jus­ta cau­sa.

As­sim, des­de 2001, em ca­sos de de­mis­são sem jus­ta cau­sa, os em­pre­ga­do­res são obri­ga­dos a pa­gar uma mul­ta de 50% so­bre o sal­do de FGTS, sen­do 40% des­ti­na­da ao em­pre­ga­do e 10% des­ti­na­da ao go­ver­no.

É cer­to que a mul­ta de 40% so­bre o sal­do de FGTS, de­vi­da ao em­pre­ga­do que foi de­mi­ti­do sem jus­ta cau­sa, pos­sui na­tu­re­za in­de­ni­za­tó­ria e tem co­mo ob­je­ti­vo mai­or a es­ta­bi­li­da­de do tra­ba­lha­dor no em­pre­go, prin­cí­pio cons­ti­tu­ci­o­nal li­ga­do à sua vi­da e dig­ni­da­de.

Mas a mul­ta de 10%, cri­a­da pro­vi­so­ri­a­men­te pa­ra co­brir per­das de­ri­va­das de pla­nos ins­ti­tuí­dos pe­lo go­ver­no, acre­di­to que de­ve ser ana­li­sa­da sob uma óti­ca mais de­ta­lhis­ta.

A Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal da In­dús­tria (CNI) ar­gu­men­ta que o equi­lí­brio econô­mi­co e fi­nan­cei­ro do fun­do foi res­ta­be­le­ci­do no meio do ano de 2012. Se re­al­men­te hou­ve es­se equi­lí­brio, não me pa­re­ce cor­re­to con­ver­ter uma con­du­ta pro­vi­só­ria em per­ma­nen­te, até por­que o fim pa­ra o qual ela foi cri­a­da já te­ria si­do atin­gi­do.

Con­tu­do, ain­da que não hou­ves­se atin­gi­do tal equi­lí­brio, o que se ve­ri­fi­ca é que, no­va­men­te, a ini­ci­a­ti­va pri­va­da, mais es­pe­ci­fi­ca­da­men­te os em­pre­ga­do­res, é que aca­bam “pa­gan­do o pa­to” pa­ra res­ta­be­le­cer a or­dem econô­mi­ca - ou pe­lo me­nos ten­tar.

Um lí­der de go­ver­no, que não con­vém aqui men­ci­o­nar, por ab­so­lu­ta opi­nião apar­ti­dá­ria, ar­gu­men­tou que par­te des­sa ver­ba se­ria des­ti­na­da ao pro­gra­ma ha­bi­ta­ci­o­nal Mi­nha Ca­sa, Mi­nha Vi­da. Aqui, me pa­re­ce que a des­ti­na­ção é dis­tin­ti­va­men­te no­bre, se pu­der­mos acre­di­tar que a in­for­ma­ção re­al­men­te pro­ce­de.

De qual­quer for­ma a or­dem econô­mi­ca de uma na­ção de­pen­de es­tri­ta­men­te de uma ad­mi­nis­tra­ção go­ver­na­men­tal bem con­du­zi­da – o que ob­vi­a­men­te pas­sa ao lar­go da cri­a­ção de ou­tras con­tri­bui­ções que one­ram, ain­da mais, àque­les que já pos­su­em uma ga­ma enor­me de en­car­gos so­ci­ais, ou se­ja, os tra­ba­lha­do­res da ini­ci­a­ti­va pri­va­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.