Do­més­ti­cas com sa­lá­rio me­lhor

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Fá­bio Cas­tal­del­li

fa­bi­o­au­gus­to@odi­a­rio.com Os tra­ba­lha­do­res do­més­ti­cos fo­ram os que ti­ve­ram a mai­or al­ta de ren­di­men­to en­tre os em­pre­ga­dos em 2012, de acor­do com a Pes­qui­sa Na­ci­o­nal por Amos­tra de Do­mi­cí­lio (Pnad) di­vul­ga­da on­dem, pe­lo Ins­ti­tu­to Brasileiro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE). Des­ta­que pa­ra o au­men­to de 10,8% no sa­lá­rio mé­dio dos fun­ci­o­ná­ri­os do lar com car­tei­ra as­si­na­da, que sal­tou de R$ 732 em 2011, pa­ra R$ 811, no ano pas­sa­do.

Le­van­ta­men­to de O Diá­rio com em­pre­sas es­pe­ci­a­li­za­das no re­cru­ta­men­to e se­le­ção des­tes pro­fis­si­o­nais e com pa­trões e tra­ba­lha­do­res, mos­tra que o sa­lá­rio mé­dio dos do­més­ti­cos em 2012, em Ma­rin­gá, foi de R$ 1 mil, o equi­va­len­te a qua­se 20% a mais do que o apon­ta­do pe­la mé­dia na­ci­o­nal.

Lí­via dos Santos é ge­ren­te de uma em­pre­sa do ra­mo de con­tra­ta­ções de do­més­ti­cos e men­ci­o­na que a re­gu­la­men­ta­ção da lei, que pre­vê di­rei­tos tra­ba­lhis­tas aos fun­ci­o­ná­ri­os com car­tei­ra as­si­na­da con­tri­buiu pa­ra o au­men­to dos sa­lá­ri­os. Ou­tro mo­ti­vo é a fal­ta de mão de obra dis­po­ní­vel. Se­gun­do Mar­cí­lia Ogi­ma, só­ci­a­pro­pri­e­tá­ria de uma em­pre­sa de co­lo­ca­ção de do­més­ti­cos , os pro­fis­si­o­nais têm pre­fe­ri­do a ro­ti­na co­mo di­a­ris­ta. “En­quan­to a men­sa­lis­ta, na mai­o­ria das ve­zes pre­ci­sa co­zi­nhar e pas­sar a rou­pa da fa­mí­lia, qu­em é con­tra­ta­do por diá­ria não se dis­põe a es­ses ser­vi- ços”, ex­pli­ca. “A au­sên­cia de pro­fis­si­o­nais faz com que os sa­lá­ri­os pa­ra man­tê-los se­jam ca­da vez mais al­tos”, com­ple­ta.

San­dra He­rek, 45 anos, sen­tiu na prá­ti­ca a di­fi­cul­da­de em con­tra­tar uma men­sa­lis­ta. Há 4 anos, a em­pre­ga­da do­més­ti­ca que tra­ba­lha­va na ca­sa de­la pe­diu as con­tas e des­de en­tão a di­fi­cul­da­de pa­ra pre­en­cher a va­ga tem si­do cons­tan­te. “Nes­se tem­po já con­tra­tei di­a­ris­tas e men­sa­lis­tas mas nin­guém se adap­tou. Es­tou com uma em­pre­ga­da no­va há 2 me­ses. Es­pe­ro que es­sa ten­ta­ti­va se­ja acer­ta­da.”

A pro­fis­si­o­nal é Elai­ne Flau­zi­no, 42, que já tem mais de 15 anos de ex­pe­ri­ên­cia co­mo do­més­ti­ca. No ano pas­sa­do, ela tra­ba­lha­va co­mo di­a­ris­ta e foi atraí­da pe­los be­ne­fí­ci­os da for­ma­li­da­de. “Re­ce­bo R$ 1.200 por mês, fo­ra as ho­ras ex­tras. Não qu­e­ro nem sa­ber de ser di­a­ris­ta”.

João Cláudio Fragoso

Elai­ne e a pa­troa San­dra. O tra­ba­lho de di­a­ris­ta foi dei­xa­do de la­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.