De pai pa­ra fi­lho

CA­PI­TAL Fi­lho do ar­tis­ta plás­ti­co ma­rin­ga­en­se Zan­zal Mat­tar, Roberto Mat­tar a se­gun­da ex­po­si­ção ‘No­va Co­le­ção - Aqua­re­las Curitiba’, na ca­pi­tal do Es­ta­do re­a­li­za

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ariá­diny Ri­nal­di

ari­a­diny@odi­a­rio.com Zan­zal Mat­tar é um ar­tis­ta plás­ti­co ma­rin­ga­en­se re­co­nhe­ci­do no Es­ta­do e co­nhe­ci­do em Ma­rin­gá pe­las su­as obras es­pa­lha­das por pon­tos es­tra­té­gi­cos da ci­da­de. É au­tor dos pai­néis e mu­rais da Ca­te­dral, Fó­rum, Au­di­tó­rio Hé­lio Moreira, Cen­tro Por­tu­guês e no Mercadão. Fi­lho de­le, Roberto Mat­tar tam­bém en­ve­re­dou pe­la área ar­tís­ti­ca. Des­de o dia 23, Roberto es­tá com a ex­po­si­ção “No­va Co­le­ção- Aqua­re­las Curitiba” no Es­pa­ço Cul­tu­ral e Me­mó­ria Elei­to­ral do Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Elei­to­ral do Pa­ra­ná, em Curitiba. Es­ta é a se­gun­da mos­tra do ar­tis­ta e tem vi­si­ta­ção até o dia 6 de ou­tu­bro.

A ex­po­si­ção é o re­sul­ta­do do tra­ba­lho de pes­qui­sa em ma­te­ri­ais, ha­bi­li­da­des e for­mas de ex­pres­são co­mu­ni­ca­ti­vas que Roberto vem de­sen­vol­ven­do há dois anos e, por isso, reú­ne obras com­pos­tas com téc­ni­cas mis­tas. Ao to­do, es­tão ex­pos­tas 16 obras, en­tre es­cul­tu­ras, aqua­re­las e as­sem­bla­ges (co­la­gens), que têm co­mo te­ma prin­ci­pal a ci­da­de de Curitiba, seus pon­tos tu­rís­ti­cos, par­ques, pra­ças, sua ar­qui­te­tu­ra e ur­ba­ni­za­ção. “Es­tou mo­ran­do aqui des­de 2011 e ain­da não ha­via re­a­li­za­do nem uma obra que ti­ves- se a ci­da­de co­mo te­ma. Acre­di­to que to­do ar­tis­ta gos­ta de ho­me­na­ge­ar o lo­cal em que vi­ve e es­ta ex­po­si­ção foi uma for­ma de trans­fe­rir e mos­trar o meu olhar so­bre Curitiba”, ex­pli­ca Roberto. Um dos lu­ga­res re­tra­ta­dos é o Jar­dim Bo­tâ­ni­co, um dos prin­ci­pais car­tões pos­tais da ca­pi­tal.

Nes­te qua­dro, Roberto, com tra­ços de­li­ca­dos, de­se­nhou sob re­cor­tes de aqua­re­las a es­cul­tu­ra “Amor Ma­ter­no”, do po­lo­nês João Zaco Pa­ra­ná, que fi­ca lo­ca­li­za­da na fon­te do jar­dim e, ao fun­do, as abó­ba­das da es­tu­fa. A mis­tu­ra das co­res azul e la­ran­ja trans­mi­te a be­le­za do en­tar­de­cer. “Or­ga­ni­zei uma co­la­gem des­ses re­cor­tes de aqua­re­las, com­bi­nan­do a cor, con­tras­te e a pro­por­ção e, de­pois fiz a pin­ce­la­da que re­sul­ta co­mo um ras­tro no de­se­nho”, con­ta.

Roberto tem tam­bém vas­ta ex­pe­ri­ên­cia na área de mú­si­ca, atu­an­do co­mo com­po­si­tor, ar­ran­ja­dor, pro­fes­sor e ma­es­tro. É ba­cha­rel em Vi­o­lão Eru­di­to pe­lo cur­so téc­ni­co da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá e te­ve mú­si­cas clas­si­fi­ca­das em du­as edi­ções do Fe­mu­cic (Festival Sesc de Mú­si­ca Ci­da­de Can­ção): “Na Tri­lha da Ci­da­de” (2003) e “Con­ver­sa de Ca­bo­clo” (2004). Co­mo pro­fes­sor, mi­nis­trou por dez anos au­las no Cur­so de Vi­o­lão no Núcleo de Ati­vi­da­des Cul­tu­rais do Co­lé­gio Ma­ris­ta. É tam­bém o ide­a­li­za­dor do pro­je­to que for­mou a 1ª Or­ques­tra de Vi­o­lões de Ma­rin­gá em par­ce­ria com a Acim (As­so­ci­a­ção Co­mer­ci­al e In­dus­tri­al de Ma­rin­gá).

In­flu­en­ci­a­do pe­lo tra­ba­lho do pai, con­tu­do, há dois anos Roberto Mat­tar vem tra­ba­lhan­do com a pro­du­ção de mu­rais, pai­néis, es­cul­tu­ras e tro­féus em­pre­sa­ri­ais.

Pa­ra se de­di­car as ar­tes vi­su­ais, não pre­ci­sou lar­gar o vi­o­lão. Pa­ra ele, as du­as ar­tes se com­ple­men­tam. Além de gos­tar de ou­vir mú­si­ca du­ran­te o pro­ces­so de cri­a­ção, Roberto de­sen­vol­veu uma téc­ni­ca, cha­ma­da de mu­si­cal stri­pe (lis­tras mu­si­cais). Nes­sa téc­ni­ca, a te­la vi­ra par­ti­tu­ra. “Com­pa­ro as co­res com as no­tas mu­si­cais. A al­tu­ra da no­ta na par­ti­tu­ra co­ma dis­po­si­ção da cor cor­res­pon­den­te na te­la. A in­ten­si­da­de da no­ta é a es­pes­su­ra da pin­ce­la­da, se lar­ga, fi­na, for­te ou fra­ca e a du­ra­ção da no­ta é re­la­ci­o­na­da com o ta­ma­nho, a pro­por­ção da área que a cor vai ocu­par den­tro da te­la”, ex­pli­ca. “Mes­mo que a pes­soa que ob­ser­ve a te­la não te­nha es­se co­nhe­ci­men­to, ela tem uma per­cep­ção da com­po­si­ção das co­res”, res­sal­ta. O re­sul­ta­do do tra­ba­lho, in­ti­tu­la­do “Com­po­si­ção”, tam­bém po­de ser con­fe­ri­do na ex­po­si­ção no TRE.

Ou­tra fren­te em que Roberto tra­ba­lha são os ma­te­ri­ais al­ter­na­ti­vos, que pro­mo­ve re­fle­xão so­bre a sus­ten­ta­bi­li­da­de. “Tra­ba­lho com pa­lhe­tas de pa­ra-bri­sas des­car­ta­das. Uso a lâ­mi­na pa­ra fa­zer re­lei­tu­ras de obras de gran­des ar­tis­tas co­mo Ma­tis­se e Au­gus­te Ro­din”, ex­pli­ca. A par­tir da mes­ma téc­ni­ca, o ar­tis­ta tam­bém de­sen­vol­veu al­guns qua­dros com lo­go­mar­cas (Pos­to Ipi­ran­ga, Ap­pel, Peu­ge­ot), pai­sa­gens (Ilha do Mel e Cai­o­bá, no li­to­ral pa­ra­na­en­se) e per­so­na­li­da­de (Char­les Chaplin). Roberto diz que pre­ten­de tra­zer a ex­po­si­ção “No­va Co­le­ção-Aqua­re­las Curitiba” pa­ra Ma­rin­gá. “Se pos­sí- vel, em no­vem­bro”, diz. O fi­lho de Zan­zal tam­bém es­tá com mos­tra agen­da­da pa­ra de­zem­bro no Mu­seu de Ar­te do Jar­dim Bo­tâ­ni­co, em Curitiba.

Par­ce­ri­as

Jun­tos, pai e fi­lho fi­ze­ram re­cen­te­men­te os dois pai­néis que es­tão na pa­re­de da no­va uni­da­de do Si­cre­di em Ma­rin­gá. O mai­or, de 6 me­tros de al­tu­ra e 2,2, de lar­gu­ra, é uma ho­me­na­gem à colô­nia ja­po­ne­sa, com de­se­nhos do Ka­sa­to Ma­ru, o pri­mei­ro na­vio a apor­tar no Bra­sil com imi­gran­tes ja­po­ne­ses, da dan­ça tra­di­ci­o­nal do le­que e de por­tais. O ou­tro, de 2,2 de al­tu­ra por 1 de lar­gu­ra, é um mu­ral ins­ti­tu­ci­o­nal que re­pre­sen­ta a história da em­pre­sa.

Zan­zal e Roberto já re­a­li­za­ram ou­tras vá­ri­as obras em par­ce­ria. “Atu­al­men­te es­ta­mos fa­zen­do uma pa­ra o Sin­di­vest [Sindicato da In­dus­tria e do Ves­tuá­rio de Ma­rin­gá], ins­pi­ra­do na má­qui­na de cos­tu­rar an­ti­ga. Acre­di­to que por cau­sa da nos­sa pro­xi­mi­da­de é que con­se­gui­mos fluir as idei­as e che­gar a um pon­to co­mum”, diz o fi­lho.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.