Vin­gan­ça

Tra­gi­co­mé­dia mar­ca­da pe­lo ex­ces­so que ca­rac­te­ri­za o no­vo ci­ne­ma co­re­a­no é atra­ção no Pro­je­to Um Ou­tro Olhar; a vin­gan­ça, te­ma de “Eu Vi O Di­a­bo”, é re­cor­ren­te nos fil­mes do país

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Pau­lo Cam­pag­no­lo

O tí­tu­lo já anun­cia: es­ta­mos di­an­te de uma tra­gi­co­mé­dia. E se­rá no ex­ces­so que ela se con­cre­ti­za­rá, ar­ras­tan­do o es­pec­ta­dor, ora pa­ra o de­lei­te, ora pa­ra a re­pul­sa. “Eu Vi o Di­a­bo”, fil­me do co­re­a­no Kim Jee-wo­on, car­taz do Pro­je­to Um Ou­tro Olhar des­te sá­ba­do, po­de até ser uma ex­pe­ri­ên­cia es­tra­nha den­tro dos mol­des do Pro­je­to, mas cer­ta­men­te não se tra­ta de um ob­je­to atí­pi­co den­tro da ci­ne­ma­to­gra­fia co­re­a­na, já há mais de du­as dé­ca­das co­lo­ca­da en­tre as me­lho­res do mun­do.

O ci­ne­ma de gê­ne­ro, pra­ti­ca­do na­que­le país, atrai a aten­ção e o te­ma da vin­gan­ça é um dos mais pro­lí­fi­cos. Bas­ta­ria lem­brar da tri­lo­gia de Park Chan-wook, “Mr. Vin­gan­ça” (2002), “Old Boy” (2003) e “Lady Vin­gan­ça” (2005), ou mes­mo do re­cen­te “Pi­e­tá” (2011), de Kim Ki-duk – que ven­ceu o Festival de Ve­ne­za. Kim Je­ewo­on (49 anos) es­te­ve em car­taz nos ci­ne­mas bra­si­lei­ros es­te ano com “O Úl­ti­mo De­sa­fio”, sua estreia no ci­ne­mão ame­ri­ca­no e que trou­xe o bru­ta­mon­tes Ar­nold Schwar­ze­neg­ger de vol­ta as te­las. A op­ção de con­tra­tá-lo era mui­to aguar­da­da, di­an­te do su­ces­so de seus fil­mes an­te­ri­o­res – “Me­do” (2003), “O Gos­to da Vin­gan­ça” (2005), “Os In­ven­cí­veis” (2008) e, prin­ci­pal­men­te de “Eu Vi o Di­a­bo” (2010) – que te­ve, aliás, inú­me­ros pro­ble­mas com a cen­su­ra co­re­a­na e pre­ci­sou de cor­tes pa­ra a sua dis­tri­bui­ção por lá. Num exer­cí­cio ver­ti­gi­no­so de vi­o­lên­cia ex­tre­ma, um agen­te do Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de In­te­li­gên­cia co­re­a­na, Soo-hyun (pa­pel do óti­mo Lee Byung-hun), de­pois de ter a na­mo­ra­da mor­ta e cor­ta­da em pe­da­ços por um se­ri­al kil­ler, promete vin­gan­ça e dirá, no tú­mu­lo de sua ama­da, que o as­sas­si­no so­fre­rá 10 mil ve­zes mais. O mons­tro é Kyung-chul (pa­pel de Choi Min-sik, que fi­cou fa­mo­so em “Old Boy” e que re­tor­nou ao ci­ne­ma, de­pois de ter se “exi­la­do” em pro­tes­to con­tra o sis­te­ma de co­tas de te­la co­re­a­no). O que ve­re­mos em se­gui­da se­rá o as­sas­si­no se trans­for­man­do no ob­je­to de ca­ça do de­te­ti­ve.

O fil­me é mui­to mais do que isso, é cla­ro. A di­re­ção de Je­ewo­on é tão bem es­tru­tu­ra­da, apai­xo­na­da e ri­go­ro­sa (co­mo na sequên­cia den­tro de um ta­xi que trans­por­ta o es­pec­ta­dor pa­ra uma ater­ra­do­ra ex­pe­ri­ên­cia fí­si­ca), que che­ga­mos mes­mo a nos per­gun­tar se os co­re­a­nos so­frem de al­gum dis­túr­bio. O fler­te com um re­a­lis­mo bru­tal, on­de as emo­ções dos per­so­na­gens são mais re­ve­la­do­ras (na sua imen­sa tris­te­za) do que a pró­pria prá­ti­ca da vi­o­lên­cia, dá ao fil­me um ca­rá­ter dis­tin­to, sub­ver­ten­do uma cer­ta ló­gi­ca ma­ni­queís­ta que tra- ba­lha no em­ba­te en­tre a di­co­to­mia bem-ver­sus-mal.

Aqui, o per­se­gui­dor (So­ohyun), lim­po, bem ves­ti­do e bo­ni­to, tor­nar-se-á um du­plo do as­sas­si­no per­se­gui­do (Kyung-chul), feio, su­jo e gos­men­to. Es­sas res­so­nân­ci­as tão am­bí­guas tor­nam o fil­me ain­da mais de­vas­ta­dor e as ce­nas (de es­tu­pro, sa­dis­mo, ca­ni­ba­lis­mo e tor­tu­ra) são em­pur­ra­das pe­lo di­re­tor pa­ra além do li­mi­te do acei­tá­vel, nu­ma de­vas­ta­ção as­som­bro­sa de qual­quer pos­si­bi­li­da­de de vis­lum­brar­mos uma “pai­sa­gem hu­ma­na”. Pa­ra ex­pli­car seu mo­dus ope­ran­di, Jee-wo­on ci­ta Ni­etzs­che: “Quan­to mais vo­cê olhar pa­ra o abis­mo, mais o abis­mo olha­rá pa­ra vo­cê”.

Por­tan­to, é de se pre­ver que tudo po­de sem­pre se tor­nar ain­da pi­or. Pre­mi­a­do em di­ver­sos fes­ti­vais e iné­di­to no Bra­sil, “Eu Vi o Di­a­bo” ex­plo­ra es­sa gran­de fan­ta­sia hu­ma­na que é a vin­gan­ça e, num vir­tu­o­sis­mo aca­cha­pan­te, en­tre o hor­ror e o hu­mor mais que ne­gro,ex­tra­po­la­os­li­mi­tes­do­ca­os.

Pau­lo Cam­pag­no­lo

Divulgação

“Eu Vi o Di­a­bo”, pro­du­ção co­re­a­na de 2010 di­ri­gi­da por Kim Jee-wo­on: fler­te com re­a­lis­mo bru­tal

Divulgação

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.