Li­ções das per­das

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

“Às ve­zes aqui­lo que é man­da­do pa­ra te des­truir ser­ve pa­ra te for­ta­le­cer”. Nes­tes di­as em que vi­vi a per­da do meu pai Ani­ce­to Bat­tis­ti, que mor­reu es­ta se­ma­na aos 92 anos, per­ce­bi que o per­de­mos qua­se sem se dar con­ta que es­tá­va­mos per­den­do.

Cons­ci­en­te da ida­de e a si­tu­a­ção tran­qui­la que o pai vi­via, sem gran­des com­pli­ca­ções fí­si­cas, a mi­nha es­pe­ran­ça era que ele não nos dei­xa­ria sem com­ple­tar mais um ani­ver­sá­rio que es­tá­va­mos pre­pa­ran­do.

A dor é sem­pre a pri­mei­ra vi­si­tan­te a che­gar e de­mo­ra mui­to pa­ra sair des­ta ca­si­nha cha­ma­da co­ra­ção. Nes­tes mo­men­tos di­fí­ceis, po­rém car­re­ga­dos de fé, ami­gos me es­cre­ve­ram: “O tem­po pas­sa e dei­xa mar­cas sem que pos­sa­mos vê- lo ou sen­ti- lo. Faz par­te das nos­sas vi­das sem ocu­par es­pa­ço, e dei­xa um gran­de va­zio quan­do le­va al­guém con­si­go. O tem­po é so­bre­tu­do ge­ne­ro­so, pois um dia le­va tam­bém a nos­sa dor”. Cla­ro que sim, por­que to­da a dor, to­do so­fri­men­to, a pró­pria mor­te, já foi ven­ci­da por um úni­co Ho­mem no le­nho da cruz.

Apren­di que to­da per­da é do­lo­ro­sa, mas nos en­si­na a vi­ver sem es­pe­rar na­da, a não ser a gra­ça de sa­ber per­der. Con­fi­ar e acre­di­tar a ca­da mo­men­to que tudo pas­sa, só o amor per­ma­ne­ce é um ca­mi­nho de apren­di­za­gem que du­ra a vi­da to­da. Acei­tar o amor doí­do em ca­da per­da, não dei­xa de ser uma ginástica per­ma­nen­te di­an­te do mis­té­rio da vi­da. Nes­tes di­as de va­zio e sau­da­des um bis­po me dis­se: “Sei, por ex­pe­ri­ên­cia, que não im­por­ta a ida­de que ele ti­nha nem a que te­mos em si­tu­a­ções as­sim: é sem­pre um acon­te­ci­men­to do­lo­ro­so - me­lhor, doí­do, que to­ca lá no fun­do do co­ra­ção. Pa­re­ce que rom­pe-se um elo com to­do um pas­sa­do, a tal pon­to que a gen­te pas­sa a en­ten­der o que é re­al­men­te ser ór­fão”.

Sei que nin­guém vi­ve pa­ra per­der, e nin­guém é edu­ca­do pa­ra vi­ver as per­das e frus­tra­ções, prin­ci­pal­men­te di­an­te da vi­da e da mor­te. Mas o que di­zer di­an­te da men­ta­li­da­de de que o que va­le é com­pe­tir, é ser sem­pre o pri­mei­ro e aque­le que le­va van­ta­gem em tudo? Co­mo vi­ver as vi­tó­ri­as e os fra­cas­sos man­ten­do a co­ra­gem e o en­tu­si­as­mo de qu­em sa­be aon­de che­gar? O que mais se vê são pes­so­as vi­ven­do um exa­ge­ra­do sen­ti­men­to de des­gos­to e in­con­for­mis­mo, quan­do são ex­pos­tos a re­sul­ta­dos ne­ga­ti­vos.

Mi­guel de Cer­van­tes di­zia: “Qu­em per­de seus bens per­de mui­to; qu­em per­de um ami­go per­de mais; mas qu­em per­de a co­ra­gem per­de tudo”. Por mais du­ra e pe­no­sa que se­jam as per­das e po­das, ja­mais per­de­rei a co­ra­gem de lu­tar, mes­mo sa­ben­do que a vi­tó­ria não de­pen­de­rá só de mim mes­mo e de mi­nhas ca­pa­ci­da­des.

A vi­da é uma es­co­la, on­de os fa­tos são mes­tres que não usam téc­ni­cas e nem di­nâ­mi­cas pa­ra en­si­nar, ape­nas abrem es­pa­ço pa­ra en­con­trar ca­mi­nhos e fa­zer es­co­lhas, car­re­ga­das de re­nún­ci­as e re­a­li­za­ções. Por isso que nem sem­pre es­ta­mos pre­pa­ra­dos pa­ra apren­der e às ve­zes in­ca­pa­zes de ler os fa­tos com os olhos da fé.

A vi­da en­si­na que sa­ber per­der é um ca­mi­nho a per­cor­rer sem­pre, a fim de co­lher no­vas li­ções que ja­mais cai­rão no es­que­ci­men­to. O so­fri­men­to de qu­em per­de não tem com­pa­ra­ção com as ale­gri­as e re­a­li­za­ções em sa­ber re­co­me­çar sem­pre. Per­das e frus­tra­ções, vi­tó­ri­as e fra­cas­sos, po­dem ser sem­pre um en­ri­que­ci­men­to, de­pen­de de co­mo vo­cê os vi­ve. Pai, obri­ga­do por tudo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.