‘Se­ques­trar di­plo­ma­tas foi er­ro es­tra­té­gi­co’

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Ru­bia Pi­men­ta

ru­bia@odi­a­rio.com

Ele par­ti­ci­pou de um dos mo­men­tos mais im­por­tan­tes da história con­tem­po­râ­nea bra­si­lei­ra: o “se­ques­tro” ao em­bai­xa­dor ame­ri­ca­no Char­les Bur­le El­brick, em 1969, re­tra­ta­do no fil­me “O que é isso com­pa­nhei­ro?” (1997). A história de vi­da de Da­ni­el Araão Reis Jú­ni­or,

O DIÁ­RIO - O se­nhor foi um dos men­to­res do se­ques­tro do em­bai­xa­dor ame­ri­ca­no Char­les Bur­ke El­brick, em 4 de se­tem­bro de 1969. Co­mo foi a sua par­ti­ci­pa­ção nes­sa ação e quais eram os ob­je­ti­vos? DA­NI­EL ARAÃO REIS JÚ­NI­OR - Eu não cha­ma­ria a ação de se­ques­tro. Foi uma cap­tu­ra. Se­ques­tro é um ter­mo pa­ra ca­rac­te­ri­zar a ação co­mo cri­me co­mum, mas o que hou­ve foi uma ação po­lí­ti­ca. Eu par­ti­ci­pei da de­ci­são da ação, pois fa­zia par­te da di­re­ção da Dis­si­dên­cia Co­mu­nis­ta da Gu­a­na­ba­ra. Éra­mos par­ti­dá­ri­os da lu­ta ar­ma­da con­tra a di­ta­du­ra. Com a cap­tu­ra do em­bai­xa­dor nós qu­e­ría­mos pe­dir a li­ber­ta­ção dos 15 pre­sos po­lí­ti­cos e di­vul­gar a ideia de que ha­via um mo­vi­men­to re­vo­lu­ci­o­ná­rio con­tra a di­ta­du­ra. Por­que, até en­tão, as nos­sas ações eram con­fun­di­das com o cri­me co­mum. Tam­bém pre­ten­día­mos de­ses­ta­bi­li­zar a Se­ma­na da Pá­tria. Uma Jun­ta Mi­li­tar ha­via as­su­mi­do o poder e es­ta­va com di­fi­cul­da­des de se le­gi­ti­mar, e nós de­se­já­va­mos atra­pa­lhar ain­da mais. O ter­cei­ro ob­je­ti­vo era vin­cu­lar a di­ta­du­ra aos Es­ta­dos Uni­dos e, por fim, anun­ci­ar o de­sen­ca­de­a­men­to de uma guer­ri­lha ru­ral, que aca­bou não ocor­ren­do. Co­mo o se­nhor vê os re­sul­ta­dos ob­ti­dos com a cap­tu­ra do em­bai­xa­dor e os des­do­bra­men­tos des­sa ação? To­dos os nos­sos ob­je­ti­vos fo­ram ple­na­men­te al­can­ça­dos. A cap­tu­ra ocor­reu sem ne­ces­si­da­de ma­tar ou fe­rir nin­guém e ne­nhum mi­li­tan­te foi pre­so de ime­di­a­to, po­rém, do pon­to de vis­ta es­tra­té­gi­co, a ação foi um fra­cas­so. A di­ta­du­ra, a par­tir des­sa ação, foi or­ga­ni­zan­do os Doi-Co­dis (Des-

67 anos, po­de­ria vi­rar fil­me: era adep­to da lu­ta ar­ma­da con­tra a di­ta­du­ra, foi pre­so, tor­tu­ra­do e sol­to, após ter seu no­me in­cluí­do na lis­ta de pre­sos po­lí­ti­cos li­ber­ta­dos em tro­ca de um em­bai­xa­dor ale­mão. Exi­la­do, es­te­ve na Ar­gé­lia, Cu­ba, Chi­le, França e Mo­çam­bi­que. Ho­je, pro­fes­sor de História na Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral Flu­mi­nen­se, ele ava­lia o se­ques­tro co­mo um gra­ve er­ro es­tra­té­gi­co. “A re­a­ção

ta­ca­men­to de Ope­ra­ções de In­for­ma­ções - Cen­tro de Ope­ra­ções de De­fe­sa In­ter­na). A lei de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal foi re­for­mu­la­da, com pe­nas mais pe­sa­das. Hou­ve as­sas­si­na­tos das prin­ci­pais li­de­ran­ças pa­ra evi­tar que fos­sem in­cluí­das em ou­tras lis­tas. Co­mo nós não tí­nha­mos uma gran­de or­ga­ni­za­ção, a re­a­ção te­ve um im­pac­to mui­to de­le­té­rio no mo­vi­men­to re­vo­lu­ci­o­ná­rio. Foi um er­ro do pon­to de vis­ta es­tra­té­gi­co. É pos­sí­vel es­ti­mar quan­tas pes­so­as eram en­vol­vi­das em lu­tas ar­ma­das? Não exis­te uma con­ta pre­ci­sa Mais de 20 mil fo­ram pro­ces­sa­dos, mas pou­cos mi­lha­res es­ta­vam en­vol­vi­dos de fa­to em lu­tas ar­ma­das. O se­nhor foi pre­so lo­go de­pois e aca­bou sol­to em uma ação re­vo­lu­ci­o­ná­ria tam­bém... Em mar­ço de 1970 eu fui pre­so, mas fui in­cluí­do na lis­ta dos que fo­ram sol­tos em tro­ca do em­bai­xa­dor ale­mão. Ti­ve­mos qu­a­tro ações de cap­tu­ra de di­plo­ma­tas es­tran­gei­ros en­tre 1969 e 1970: um ame­ri­ca­no, um ja­po­nês, um ale­mão e um suí­ço, sem­pre em tro­ca de pre­sos po­lí­ti­cos. Foi tor­tu­ra­do? Sim, tor­tu­ra­dís­si­mo. To­dos que eram pre­sos na épo­ca, mes­mo os que não eram vin­cu­la­dos à lu­ta ar­ma­da, eram mui­to tor­tu­ra­dos. Cho­ques elé­tri­cos, pau-de-ara­ra, afo­ga­men­to, te­le­fo­ne, pas­sei por to­das es­sas téc­ni­cas. Co­mo foi a ex­pe­ri­ên­cia do exí­lio? Fo­ram no­ve anos e três me­ses de exí­lio. Fui pa­ra a Ar­gé­lia, de­pois es­ti­ve em Cu­ba fa­zen­do trei­na­men­to re­vo­lu­ci­o­ná­rio de guer­ri­lha e de­pois fui pa­ra o Chi­le.Após o gol­pe de Pi­no­chet, em 1973, fi­quei exi­la­do na Em­bai­xa­da do Pa­na­má. Con­si­de­rei que nosso pro­je­to re­vo­lu­ci­o­ná­rio es­ta­va der­ro­ta­do e mi­grei pa­ra a França. Lá, ter­mi­nei o cur­so de História e co­me­cei mi­nha car­rei­ra de his­to­ri­a­dor em Mo­çam­bi­que, que ha­via se li­ber­ta­do da co­lo­ni­za­ção por­tu­gue­sa. Ha­via uma gran­de ca­rên­cia de pro­fes­so­res e eu me ofe­re­ci pa­ra tra­ba­lhar lá. Há pes­so­as que so­frem mui­to no exí­lio. Ti­ve ca­ma­ra­das que se sui­ci­da­ram. Eu saí com 24 anos e vol­tei com 33 e, no meu ca­so. o exí­lio, em­bo­ra se­ja fa­tor de so­fri­men­to, foi uma

do go­ver­no foi mui­to vi­o­len­ta”. Com di­ver­sos li­vros e ar­ti­gos pu­bli­ca­dos so­bre a história das es­quer­das no Bra­sil e so­bre a história da ex­pe­ri­ên­cia so­ci­a­lis­ta no sé­cu­lo XX, ele faz um ba­lan­ço da épo­ca e ho­je se diz um de­cep­ci­o­na­do com o co­mu­nis­mo. “Era uma uto­pia mui­to ge­ne­ro­sa, mas os re­gi­mes po­lí­ti­cos que ado­ta­ram es­se no­me no sé­cu­lo XX co­me­te­ram tan­tos cri­mes con­tra as ca­ma­das

gran­de aber­tu­ra de ho­ri­zon­tes, foi quan­do ca­sei, ti­ve fi­lhos e ad­qui­ri uma pro­fis­são. Foi uma ex­pe­ri­ên­cia mui­to en­ri­que­ce­do­ra. Co­mo o se­nhor vê a atu­a­ção da Co­mis­são Na­ci­o­nal da Ver­da­de? Acre­di­to que pa­ra ter efe­ti­vi­da­de tem que ser autô­no­ma em re­la­ção ao go­ver­no. Sua atu­a­ção é mui­to li­ga­da à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca. É pre­ci­so tam­bém ter aces­so aos ar­qui­vos mi­li­ta­res. As For­ças Ar­ma­das men­tem di­zen­do que não há ar­qui­vos. Al­guns ne­gam até que hou­ve tor­tu­ra. No iní­cio, foi fei­to um tra­ba­lho

po­bres de sua po­pu­la­ção que eu me dis­tan­ci­ei”. Es­ta se­ma­na Da­ni­el Araão foi um dos con­fe­ren­cis­tas do Con­gres­so In­ter­na­ci­o­nal de História, da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá (UEM). Em sua fa­la, um pa­ra­le­lo en­tre o na­ci­o­na­lis­mo da épo­ca dos mi­li­ta­res e da de­mo­cra­cia. “A de­mo­cra­cia é um bem que de­ve­mos cul­ti­var. Ho­je me con­si­de­ro um de­mo­cra­ta aci­ma de tudo”.

bas­tan­te me­ri­tó­rio. Mas, em me­a­dos do pri­mei­ro se­mes­tre des­te ano, hou­ve um re­ver­té­rio e ho­je se en­con­tra em uma si­tu­a­ção crí­ti­ca. Se­ria la­men­tá­vel ter­mi­nar o pra­zo de validade da co­mis­são, em 2014 e eles não apre­sen­ta­rem um re­la­tó­rio que sig­ni­fi­que um avan­ço no pro­ces­so de co­nhe­ci­men­to. Qual é o prin­ci­pal pro­ble­ma da Co­mis­são da Ver­da­de? Pa­ra mim, é me­nos im­por­tan­te con­de­nar os tor­tu­ra­do­res (o que sou fa­vo­rá­vel, pois o cri­me da tor­tu­ra é de le­sa hu­ma­ni­da­de, não pres­cre­ve), mas o pri­mor­di­al é fa­zer a so­ci­e­da­de dis­cu­tir a tor­tu­ra. O Núcleo de Es­tu­dos so­bre a Vi­o­lên­cia da USP fez uma pes­qui­sa em 11 ca­pi­tais bra­si­lei­ras em 2011, e mos­trou que 48,7% dos en­tre­vis­ta­dos acre­di­tam que a tor­tu­ra é um re­cur­so que po­de ser uti­li­za­do em cir­cuns­tân­ci­as es­pe­ci­ais. Isso mos­tra on­de as prá­ti­cas, que ocor­rem até ho­je, se sus­ten­tam nes­ta cul­tu­ra. O Bra­sil sem­pre foi uma re­fe­rên­cia na prá­ti­ca de tor­tu­ra. Era ha­bi­tu­al na épo­ca da co­lo­ni­za­ção, per­ma­ne­ceu du­ran­te a Ve­lha Re­pú­bli­ca e se po­ten­ci­a­li­zou du­ran­te a di­ta­du­ra. Após o seu tér­mi­no, no en­tan­to, ela per­ma­ne­ce. Bas­ta abrir os jor­nais, qua­se di­a­ri­a­men­te le­mos de­nún­ci­as de pes­so­as tor­tu­ra­das em de­le­ga­ci­as. A co­mis­são tem se de­di­ca­do mais às au­di­ên­ci­as pú­bli­cas que ou­ve tor­tu­ra­dos, de­nun­cia tor­tu­ra­do­res, mas é mui­to res­tri­to. Fi­ca pa­re­cen­do que uma meia dú­zia de tor­tu­ra­do­res são mons­tros. Se vo­cê vai nu­ma co­mu­ni­da­de po­bre da pe­ri­fe­ria do Rio de Ja­nei­ro fa­lar em tor­tu­ra eles vão di­zer ‘isso é o al­mo­ço de ca­da dia’, por­que a PM en­tra mas­sa­cran- do, le­va sus­pei­tos, põe no pau-de­a­ra­ra, isso pa­ra eles não é no­vi­da­de. É pre­ci­so sair des­te cir­cui­to es­trei­to e li­mi­ta­do. O que po­de­ria ser fei­to? A co­mis­são de­ve­ria ser ca­paz de mos­trar que a tor­tu­ra foi uma po­lí­ti­ca de Es­ta­do, é uma tra­di­ção no Bra­sil e abrir uma dis­cus­são pa­ra acabar com es­sa prá­ti­ca. Mas te­nho mi­nhas dú­vi­das se isso ocor­re­rá. Com o es­fa­ce­la­men­to da União So­vié­ti­ca, a qu­e­da do Mu­ro de Berlim, a di­ta­du­ra em Cu­ba e na Co­reia do Nor­te, aCom uma po­lí­ti­ca econô­mi­ca mis­ta, o se­nhor acre­di­ta que o co­mu­nis­mo ain­da é uma al­ter­na­ti­va ao ca­pi­ta­lis­mo de­mo­crá­ti­co? Eu me dis­tan­ci­ei des­se ter­mo co­mu­nis­mo. O co­mu­nis­mo era uma uto­pia for­mu­la­da no sé­cu­lo XIX, mui­to ge­ne­ro­sa. No en­tan­to, os países que ado­ta­ram o re­gi­me no sé­cu­lo XX co­me­te­ram tan­tos cri­mes em no­me des­se sis­te­ma, in­clu­si­ve cri­mes con­tra tra­ba­lha­do­res, ope­rá­ri­os, cam­po­ne­ses, en­fim, con­tra as ca­ma­das po­bres da pró­pria po­pu­la­ção, que eu me dis­tan­ci­ei. Ho­je,co­mo o se­nhor se de­fi­ne po­li­ti­ca­men­te ? Já não me con­si­de­ro um co­mu­nis­ta há mui­tos anos. Me­nos por­que es­sa uto­pia não se­ja ra­zoá­vel, mas pe­la as­so­ci­a­ção prá­ti­ca que se cri­ou en­tre es­se no­me e as di­ta­du­ras do sé­cu­lo XX. Ho­je eu me con­si­de­ro um de­mo­cra­ta so­ci­a­lis­ta, con­si­de­ro que a so­ci­e­da­de so­ci­a­lis­ta é su­pe­ri­or à ca­pi­ta­lis­ta, pro­mo­ve va­lo­res su­pe­ri­o­res ao do ca­pi­ta­lis­mo, mas meu com­pro­mis­so com a de­mo­cra­cia ho­je é ra­di­cal e su­pe­ri­or a tudo.

Fo­tos/João Cláudio Fragoso

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.