Plan­tas fazem mo­ni­to­ra­men­to pre­ci­so do meio am­bi­en­te

Com a che­ga­da da pri­ma­ve­ra, a ci­da­de fi­ca mais be­la e co­lo­ri­da; es­pe­ci­a­lis­ta diz que as plan­tas re­co­nhe­cem quan­do o tem­po es­tá pro­pí­cio pa­ra o de­sa­bro­char das flo­res

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Car­la Gu­e­des

car­la@odi­a­rio.com As plan­tas mo­ni­to­ram o am­bi­en­te tão bem ou me­lhor que o ho­mem. A pro­va dis­so é que elas só flo­res­cem, quan­do jul­gam in­te­res­san­te pa­ra a so­bre­vi­vên­cia de­las. Elas se de­sen­vol­vem de acor­do com a du­ra­ção da noi­te e do dia e são os fo­tor­re­cep­to­res, pro­teí­nas sen­sí­veis à luz con­ti­das nas fo­lhas, que “di­zem” se es­tá ou não na ho­ra de as flo­res de­sa­bro­cha­rem.

A mai­o­ria das plan­tas flo­res­ce na pri­ma­ve­ra, por­que pre­fe­re di­as lon­gos e noi­tes cur­tas. É as­sim com a si­bi­pi­ru­na, a ár­vo­re mais po­pu­lar de Ma­rin­gá. Ou­tras dão flo­res o ano in­tei­ro, in­de­pen­den­te­men­te do com­pri­men­to do dia, co­mo o fei­jão e o hi­bis­co. Em ou­tro gru­po, a flo­ra­da só ocor­re de­pois que a plan­ta pas­sa por si­tu­a­ções de es­tres­se, co­mo se­ca ou frio. É o ca­so dos ipês e das ce­re­jei­ras, que po­dem ter a flo­ra­da an­te- ci­pa­da ou adi­a­da de acor­do com as con­di­ções cli­má­ti­cas.

“As plan­tas fazem um mo­ni­to­ra­men­to mui­to pre­ci­so do am­bi­en­te, de­tec­tam va­ri­a­ções pe­que­nas, in­clu­si­ve de mi­nu­tos, e in­ter­pre­tam es­sas con­di­ções co­mo in­du­to­ras ou re­pres­so­ras da flo­ra­ção”, ex­pli­ca o pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá (UEM), Wer­ner Ca­mar­gos An­tu­nes, pós-dou­tor em Fi­si­o­lo­gia Ve­ge­tal.

O cu­ri­o­so é que as plan­tas não me­dem a du­ra­ção do dia e sim da noi­te. As­sim que os fo­tor­re­cep­to­res de­tec­tam con­di­ções ide­ais da flo­ra­da, en­vi­am um si­nal pa­ra as ge­mas, in­for­man­do que che­gou a ho­ra de se trans­for­ma­rem em flor. Es­se in­ter­va­lo até o sur­gi­men­to das pri­mei­ras flo­res va­ria de acor­do com a es­pé­cie e po­de du­rar se­ma­nas.

A plan­ta es­co­lhe o seu tem­po e, por isso, flo­ra­das an­te­ci­pa­das ou atrasadas po­dem pôr em ris­co a per­pe­tu­a­ção da es­pé­cie. Quan­do as flo­res apa­re­cem fo­ra de épo­ca é si­nal de que há frio, se­ca ou chu­va ines­pe­ra­da, ge­ran­do re­vi­ra­vol­ta no de­sen­vol­vi­men­to de no­vos exem­pla­res. “As se­men­tes são dis- per­sas em épo­ca des­fa­vo­rá­vel e po­dem não ger­mi­nar, ou ger­mi­nar em con­di­ções ad­ver­sas”, res­sal­ta An­tu­nes.

O pro­fes­sor ex­pli­ca que nem a ilu­mi­na­ção pú­bli­ca e nem as luzes de Na­tal ins­ta­la­das nos ga­lhos in­ter­fe­rem na per­cep­ção das plan­tas em dis­tin­guir noi­tes cur­tas e lon­gas. Ape­nas lâm­pa­das mui­to in­ten­sas, com­pa­ra­das à luz do dia, po­dem me­xer com o iní­cio da flo­ra­da.

Al­gu­mas es­pé­ci­es têm flo­ra­das cur­tas, co­mo o ipê e a ce­re­jei­ra, e sin­cro­ni­za­das. Pa­ra An­tu­nes, é isso que as tor­na en­can­ta- do­ras. “Elas pro­du­zem flo­res em cur­tos pe­río­dos e es­sa efe­me­ri­da­de é uma ca­rac­te­rís­ti­ca, que atrai as pes­so­as”, fri­sa “Nem a ilu­mi­na­ção pú­bli­ca, nem as luzes de Na­tal ins­ta­la­das nos ga­lhos in­ter­fe­rem na per­cep­ção da plan­tas”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.