Ou­vi­dos

Va­nes­sa Bar­ba­ra nar­ra a per­da em no­vo romance; “Noi­tes de Al­fa­ce”, que sai pe­la Al­fa­gua­ra, con­ta his­tó­ri­as ou­vi­das pe­las pa­re­des nas de ca­sas de bair­ro

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Raquel Cozer

Frag­men­tos de con­ver­sas ao te­le­fo­ne, fes­tas e bri­gas en­tre­ou­vi­dos no bair­ro do Man­da­qui, na zo­na nor­te de São Pau­lo, aju­da­ram Va­nes­sa Bar­ba­ra, 31, a pen­sar a es­tru­tu­ra do romance “Noi­tes de Al­fa­ce”, que che­ga nos pró­xi­mos di­as às li­vra­ri­as pe­la Al­fa­gua­ra. É por meio de pis­tas es­par­sas so­bre os vi­zi­nhos, en­tre cons­ta­ta­ções in­dis­cu­tí­veis e hi­pó­te­ses fan­ta­si­o­sas, que Ot­to, re­clu­so após a mor­te da mu­lher com qu­em foi ca­sa­do por 50 anos, acom­pa­nha a ro­ti­na da ci­da­de­la on­de mo­ra. “Não é bem bis­bi­lho­tar, por­que as coi­sas che­gam a vo­cê mes­mo que não quei­ra”, diz a es­cri­to­ra e co­lu­nis­ta da Fo­lha de S.Pau­lo, re­fe­rin­do-se às pa­re­des fi­nas do Man­da­qui, mas tam­bém ao exer­cí­cio de in­ves­ti­ga­ção pas­si­va do viú­vo Ot­to.

Com tais pis­tas, o que se pre­ten­dia ape­nas um romance so­bre a per­da ga­nhou con­tor­nos de uma história de sus­pen­se -a cer­ta al­tu­ra, Ot­to co­me­ça a des­con­fi­ar de que sua mu­lher, Ada, e os vi­zi­nhos es­con­de­ram al­go de­le.

Va­nes­sa tem qu­a­tro li­vros pu­bli­ca­dos, três de­les em par­ce­ri­as - o romance “O Ve­rão do Chi­bo” (Al­fa­gua­ra), com Emi­lio Fraia, o in­fan­til “En­dri­go, o Es­ca­va­dor de Um­bi­go” (34), com An­drés San­do­val, e a HQ “A Má­qui­na de Gold­berg” (Qu­a­dri­nhos na Cia.), com Fi­do Nes­ti.

“Noi­tes de Al­fa­ce” é o pri­mei­ro romance so­lo, que lhe to­mou dois anos de tra­ba­lho e cu­ja aber­tu­ra lhe ren­deu um lu­gar en­tre os 20 no­mes de “Os Me­lho­res Jo­vens Es­cri­to­res Bra­si­lei­ros” da re­vis­ta li­te­rá­ria “Gran­ta” (Al­fa­gua­ra). O tí­tu­lo inu­si­ta­do é uma re­fe­rên­cia a uma ex­pe­ri­ên­cia frus­tra­da de Ada, pou­co an­tes de mor­rer: pre­pa­rar chá de al­fa­ce pa­ra o ma­ri­do pa­ra ver se lhe cu­ra­va a insô­nia.

In­te­ra­ções

Os mo­ra­do­res com qu­em Ot­to in­te­ra­ge (ou a qu­em es­cu­ta) têm ins­pi­ra­ção na vi­zi­nhan­ça de Va­nes­sa. É o ca­so, no livro, do sr. Ta­ni­gu­chi, que pas­sou 30 anos lu­tan­do nas Fi­li­pi­nas de­pois de 1945 sem acre­di­tar no fim da guer­ra. O per­so­na­gem, ela diz, foi “va­ga­men­te ins­pi­ra­do” em um an­ti­go vi­zi­nho, que saiu de Hi­roshi­ma pou­cas se­ma­nas an­tes da bom­ba, e um ex-com­ba­ten­te re­al, Hi­roo Ono­da, que es­cre­veu um livro so­bre sua “guer­ra de 30 anos”.

O hu­mor que pre­va­le­ce nos tex­tos da au­to­ra des­de a estreia, com a re­por­ta­gem “O Livro Ama­re­lo do Ter­mi­nal” (Co­sac Naify, 2008), tam­bém es­tá no romance, em per­so­na­gens co­mo Ni­co, en­tre­ga­dor de far­má­cia ob­ce­ca­do por de­co­rar os efei­tos co­la­te­rais em bu­las de re­mé­dio. “Uma das pi­o­res coi­sas em li­te­ra­tu­ra, e acho que em ou­tras áre­as tam­bém, é o há­bi­to de se le­var mui­to a sé­rio, de se con­si­de­rar mui­to sá­bio e pro­fun­do. Nos­sa li­te­ra­tu­ra é mui­tas ve­zes pre­po­ten­te de­mais e se va­le­ria de mai­or le­ve­za”, ar­gu­men­ta Va­nes­sa.

Pa­ra ela, o hu­mor de­ve ser ine­ren­te à pos­tu­ra das pes­so­as di­an­te do mun­do. “Cos­tu­mo en­xer­gar tudo por uma es­pé­cie de er­ro de pa­ra­la­xe, achan­do gra­ça no ale­a­tó­rio e dei­xan­do pas­sar o que se con­si­de­ra ‘im­por­tan­te’”, diz.

Divulgação

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.