O cam­peão

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

da sín­dro­me de vi­ce-cam­peão, a dor que as­so­la aque­le que ven­ceu mui­tos, mas foi su­pe­ra­do por um, ape­nas um, e a es­se atri­bui o va­lor má­xi­mo, o en­tro­ni­za den­tre os he­róis de seu des­gos­to, pro­mo­tor de sua amar­gu­ra. Quan­tas ve­zes ve­mos vi­ce­cam­peões, de qual­quer ca­te­go­ria, cho­ran­do lá­gri­mas pe­sa­das, pros­tran­do-se, e cla­man­do de fa­ce em so­lo as ma­le­di­cên­ci­as dos mil deu­ses do in­for­tú­nio? A sín­dro­me do vi­ce-cam­peão es­tá as­so­lan­do di­a­me­tral­men­te nos­sa so­ci­e­da­de. Se­ria fal­ta de sor­te, de ca­pa­ci­da­de, ou de pers­pec­ti­va? Fa­ço es­sa re­fle­xão de­pois de ver mi­nha so­bri­nha de oi­to anos cho­ran­do amar­ga­men­te por ter si­do der­ro­ta­da em uma com­pe­ti­ção de co­nhe­ci­men­tos ge­rais na es­co­la. Per­gun­to-me: se­rá que es­ta­mos sen­do trei­na­dos pa­ra nos sen­tir­mos mais fra­cas­sa­dos do que somos? Ou pi­or, tal­vez es­te­ja­mos sen­do edu­ca­dos pa­ra não ad­mi­tir que exis­tam pes­so­as me­lho­res do que nós. Sin­to mui­to, mas a re­a­li­da­de é que exis­tem sim pes­so­as mais qua­li­fi­ca­das e mais me­re­ce­do­ras de hon­ra­ri­as do que nós. O er­ro to­do con­sis­te na ins­ti­tui­ção fan­ta­si­o­sa da exis­tên­cia de he­róis, de se­mi-deu­ses, de su­per-hu­ma­nos. A com­pe­ti­ção da vi­da re­al, do di­aa-dia, só ge­ra dor, pois mes­mo os mais vi­to­ri­o­sos es­tão fa­da­dos a um dia en­tre­ga­rem sua co­roa e seu ce­tro. Nos­sa do­en­ça é nu­tri­da pe­la vai­da­de, e é jus­ta­men­te ela qu­em nos im­pe­de de ver o ele­men­to mais fun­da­men­tal e cons­tan­te de to­da a vi­da, a am­bigüi­da­de. O en­gra­ça­do é per­ce­ber que o úni­co tro­féu que to­do ser hu­ma­no tem re­ser­va­do é um lei­to, um es­plên­di­do ber­ço si­tu­a­do a al­guns pal­mos abai­xo do chão. Sa­ben­do dis­so, to­da der­ro­ta de­ve­ria ser ain­da en­ten­di­da co­mo lu­cro, e ca­da lu­ta po­de­ria ser am­pla­men­te va­lo­ri­za­da. De­ve­ría­mos pa­rar um pou­co pa­ra apren­der com os bra­si­lei­ros de ver­da­de, aque­les de­sa­for­tu­na­dos que dor­mem res­plan­de­cen­tes de gra­ti­dão sem­pre que con­se­guem ga­ran­tir – pe­lo fru­to de seu tra­ba­lho – o ali­men­to ne­ces­sá­rio pa­ra o pró­xi­mo dia. Se olhás­se­mos pa­ra es­sas pes­so­as e per­ce­bês­se­mos co­mo elas re­al­men­te são nos­sos pa­res, nos­sos iguais, sa­be­ría­mos que per­de­dor de ver­da­de não é o se­gun­do ou o úl­ti­mo co­lo­ca­do. Per­de­dor é qu­em só en­tra no jo­go – mes­mo no jo­go da vi­da – pa­ra nu­trir sua vai­da­de e que só pen­sa em ga­nhar por es­tar do­en­te, in­fec­ta­do pe­lo mal da in­ve­ja.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.