Eco­no­mia ao seu al­can­ce

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Fernanda Ber­to­la su­ple­men­tos@odi­a­rio.com

To­mar um ba­nho quen­te, man­ter ge­la­dei­ra, te­le­vi­sor, com­pu­ta­dor, mi­cro-on­das e lâm­pa­das li­ga­dos ao mes­mo tem­po, por exem­plo, é ro­ti­na nas re­si­dên­ci­as. En­quan­to os fi­lhos pas­sam aci­o­nan­do in­ter­rup­to­res, os pais vão atrás des­li­gan­do e ori­en­tan­do so­bre a im­por­tân­cia do uso ra­ci­o­nal de ener­gia elé­tri­ca. Mas, além de ado­tar sim­ples ati­tu­des pa­ra evi­tar o des­per­dí­cio, al­gu­mas mu­dan­ças po­dem me­lho­rar a efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca do imó­vel.

A boa no­tí­cia é que as so­lu­ções es­tão ao al­can­ce do con­su­mi­dor e não aces­sí­veis so­men­te pa­ra in­dús­tri­as e gran­des em­pre­en­di­men­tos imo­bi­liá­ri­os. Se­gun­do o en­ge­nhei­ro ele­tri­cis­ta do Con­se­lho Re­gi­o­nal de En­ge­nha­ria e Agro­no­mia (Crea-PR), Fá­bio Agui­ar, par­tin­do do sis­te­ma de ilu­mi- na­ção já é pos­sí­vel re­du­zir o con­su­mo e a fa­tu­ra no fim do mês. “As lâm­pa­das flu­o­res­cen­tes são um pou­co mais ca­ras, mas a mé­dio pra­zo o con­su­mi­dor já sen­te a di­fe­ren­ça. Va­le fa­zer a tro­ca”, diz. Lâm­pa­das de LED tam­bém são op­ções.

Em seu si­te, o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Me­tro­lo­gia, Qua­li­da­de e Tec­no­lo­gia (In­me­tro) men­ci­o­na que as lâm­pa­das in­can­des­cen­tes con­so­mem qu­a­tro ve­zes mais ener­gia e du­ram oi­to ve­zes me­nos que as flu­o­res­cen­tes com­pac­tas. Agui­ar es­ti­ma que a re­du­ção do gas­to ao subs­ti­tuir as lâm­pa­das in­can­des­cen­tes, ali­a­da a ou­tras for­mas de eco­no­mia, po­de va­ri­ar de 30% a 50%.

Pa­ra ele, uti­li­zar a ilu­mi­na­ção ar­ti­fi­ci­al so­men­te quan­do ne­ces­sá­rio é vá­li­do, as­sim va­le ins­ta­lar sen­so­res de pre­sen­ça. “Não tem co­mo es­que­cer a lâm­pa­da li­ga­da ao sair do am­bi­en­te”, diz. Mes­mo con­si­de­ran­do que a quan­ti­da­de de ve­zes que a lâm­pa­da acen­de e apaga es­te­ja di­re­ta­men­te re­la­ci­o­na­da à vi­da útil do pro­du­to, des­li­gar a lâm­pa­da, mes­mo que nu­ma saí­da rá­pi­da, com­pen­sa.

Se o ob­je­ti­vo é eco­no­mi­zar, a re­co­men­da­ção é que na ho­ra da com­pra de ele­tro­do­més­ti­cos a es­co­lha se­ja por aque­les que te­nham o se­lo do Pro­gra­ma de Con­ser­va­ção de Ener­gia Elé­tri- ca (Pro­cel), que in­di­ca efi­ci­ên­cia de 10% a 15% mai­or. “O se­lo traz o grau de efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca do apa­re­lho. Op­te pe­lo A [mais efi­ci­en­te]”, re­co­men­da. Pa­ra ele, tam­bém é im­por­tan­te tro­car os apa­re­lhos de ar-con­di­ci­o­na­do (que res­pon­de, em mé­dia, por 30% do con­su­mo de ener­gia do imó­vel no ve­rão) de ja­ne­la por mo­de­los split, que con­so­mem me­nos ener­gia.

Pa­ra qu­em es­tá pro­je­tan­do uma ca­sa, a ori­en­ta­ção é que con­tra­te os ser­vi­ços de um en­ge­nhei­ro ele­tri­cis­ta de­vi­da­men­te ca­das­tra­do jun­to ao Crea. “Um fio com bi­to­la (di­â­me­tro) in­cor­re­ta po­de su­pe­ra­que­cer, ge­ran­do des­per­dí­cio de ener­gia”, diz Agui­ar. Além dis­so, con­ta­te um en­ge­nhei­ro ci­vil, que vai pro­je­tar o imó­vel de for­ma a oti­mi­zar o uso da luz na­tu­ral.

Ou­tra me­di­da que po­de ser ado­ta­da lo­go no co­me­ço da cons­tru­ção é pen­sar num pro­je­to que con­tem­ple o uso de pai­néis so­la­res. Mes­mo que não ha­ja di­nhei­ro pa­ra com­prar os equi­pa­men­tos ne­ces­sá­ri­os, a in­fra­es­tru­tu­ra da ca­sa já po­de ser pre­pa­ra­da.

De acor­do com le­van­ta­men­to da Em­pre­sa de Pes­qui­sa Ener­gé­ti­ca (EPE), o con­su­mo de ele­tri­ci­da­de no Bra­sil atin­giu 37.760 GWh (gi­gawatts-ho­ra) em ju­lho. Em re­la­ção ao mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do, hou­ve au­men­to de 5,1%. O es­tu­do re­ve­la que o con­su­mo de ener­gia das re­si­dên­ci­as em ju­lho foi 8,2% mai­or que o do mes­mo mês de 2012.

Se­gun­do o en­ge­nhei­ro ele­tri­cis­ta Gláu­cio Al­cân­ta­ra, com ba­se no le­van­ta­men­to, es­se au­men­to de con­su­mo se de­ve ao au­men­to do poder de com­pra dos bra­si­lei­ros. Mes­mo com mai­or aces­so a ele­tro­do­més­ti­cos e ele­tro­e­le­trô­ni­cos, é sem­pre bom eco­no­mi­zar no fim do mês. Va­le fri­sar que, além de re­du­ção na con­ta de ener­gia, a di­mi­nui­ção do con­su­mo tam­bém co­la­bo­ra pa­ra a pre­ser­va­ção do meio am­bi­en­te.

Divulgação

EFI­CI­ÊN­CIA

Ado­tar sim­ples me­di­das po­de fa­zer a di­fe­ren­ça na con­ta de ener­gia no fim do mês

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.