45% mu­da­ri­am do Bra­sil; mai­o­ria es­tá de­cep­ci­o­na­da

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM ZOOM - Car­la Gu­e­des car­la@odi­a­rio.com

No­ve em ca­da 10 ma­rin­ga­en­ses di­zem que não es­tão con­ten­tes com a eco­no­mia bra­si­lei­ra Le­van­ta­men­to da JGV Pes­qui­sas apon­ta tam­bém que es­cân­da­lo da Petrobras in­flu­en­cia

Cor­rup­ção, in­fla­ção e de­sem­pre­go em al­ta e a pi­o­ra das ex­pec­ta­ti­vas so­bre a eco­no­mia fa­zem com que no­ve em ca­da dez ma­rin­ga­en­ses se sin­tam de­cep­ci­o­na­dos com a si­tu­a­ção econô­mi­ca do País e com que 45,6% quei­ram sair do Bra­sil. É o que re­ve­la le­van­ta­men­to da JGV Pes­qui­sas que ou­viu 625 pes­so­as em Ma­rin­gá en­tre os di­as 19 e 24 de fe­ve­rei­ro pas­sa­do.

O sen­ti­men­to de in­sa­tis­fa­ção é ge­ral e in­de­pen­de de se­xo, ida­de, clas­se social ou grau de es­co­la­ri­da­de. É co­mo se to­dos es­ti­ves­sem unidos por um dis­cur­so e de­fen­des­sem os mes­mos ide­ais, co­mo o que vi­mos acon­te­cer nas ma­ni­fes­ta­ções de ju­nho de 2013, quan­do mi­lha­res fo­ram às ru­as pro­tes­tar.

O es­cân­da­lo da Petrobras, a pri­são de em­pre­sá­ri­os en­vol­vi­dos no es­que­ma de cor­ru­ção na es­ta­tal, a acu­sa­ção de que exe­cu­ti­vos da em­pre­sa re­ce­be­ram pro­pi­na e a for­ma co­mo go­ver­no li­da com as de­nún­ci­as, ten­tan­do blin­dar as em­prei­tei­ras, in­flu­en­ci­am de al­gu­ma for­ma o co­ti­di­a­no de 80,8% dos ma­rin­ga­en­ses.

A cor­rup­ção é res­pon­sá­vel pe­lo de­se­jo que a mai­o­ria tem de co­me­çar vi­da no­va no ex­te­ri­or. En­tre os que afir­ma­ram que mu­da­ri­am de País, 72,2% acham que a fal­ta de ho­nes­ti­da­de em se­to­res do go­ver­no fe­de­ral afe­ta o seu dia a dia.

Clas­si­fi­ca­ção

A in­ten­ção de dei­xar o Bra­sil é mais fre­quen­te en­tre os ho­mens de clas­se mé­dia e que con­cluí­ram o en­si­no mé­dio. Os Es­ta­dos Unidos apa­re­cem co­mo o des­ti­no pre­fe­ri­do da mai­or par­te dos en­tre­vis­ta­dos – lem­bran­do o for­te mo­vi­men­to emi­gra­tó­rio nos anos 1980 e 1990.

Os pla­nos só se­ri­am bar­ra­dos por fal­ta de di­nhei­ro (36%)

e e fa­mí­lia (33%). O fa­tor fa­mí­lia pe­sa mais na de­ci­são das mu­lhe­res, dos mais ri­cos e es­co­la­ri­za­dos e dos que têm en­tre 25 e 35 anos. Já a fal­ta de di­nhei­ro im­pe­de que os mais jo­vens, com me­nos de 24 anos, sai­am do País.

A in­sa­tis­fa­ção com os ru­mos da po­lí­ti­ca e eco­no­mia é mais for­te na clas­se B, cu­ja ren­da fa­mi­li­ar men­sal vai de R$ 1.860,50 a R$ 6.329. A pes­qui­sa mos­tra que 48,1% dos ma­rin­ga­en­ses da clas­se mé­dia dei­xa­ri­am o Bra­sil, ca­so ti­ves­sem di­nhei­ro. O ín­di­ce en­tre os mais ri­cos é de 33,4% e os de bai­xa ren­da, de 47,7%. “A clas­se A tem pa­trimô­nio, li­qui­dez, so­bras men­sais e por is­so aguen­ta por mais tem­po. Já o au­men­to do cus­to de vi­da, com ali­men­to, ener­gia e trans­por­te, afe­tou mui­to for­te a clas­se mé­dia, que es­tá per­den­do ra­pi­da­men­te o po­der de con­su­mo”, ana­li­sa Flá­via Vi­cen­te, di­re­to­ra-exe­cu­ti­va da em­pre­sa JGV Pes­qui­sas.

Po­pu­la­ri­da­de

Qua­tro me­ses de­pois do se­gun­do tur­no, a pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff (PT) amar­ga al­to ín­di­ce de re­jei­ção, com 75,1% dos en­tre­vis­ta­dos ava­li­an­do o go­ver­no co­mo ruim ou pés­si­mo, se­gun­do a pes­qui­sa em Ma­rin­gá.

A de­sa­pro­va­ção é al­ta tan­to en­tre os mais ri­cos quan­to os mais po­bres, bei­ran­do os 80% em to­das as clas­ses so­ci­ais. Quan­do se ana­li­sa o grau de ins­tru­ção, os que mais re­jei­tam a for­ma co­mo a pre­si­den­te ad­mi­nis­tra o País têm até o en­si­no mé­dio com­ple­to. Os que con­si­de­ram o go­ver­no bom ou mui­to bom so­mam 10,3% e re­gu­lar, 14,6%.

Os que se di­zem de­cep­ci­o­na­dos com a eco­no­mia e os que gos­ta­ri­am de mo­rar fo­ra do Bra­sil tam­bém re­pro­vam a ad­mi­nis­tra­ção da pre­si­den­te Dil­ma; 80% acham o go­ver­no ruim ou pés­si­mo.

Ex­pli­ca­ção

Flá­via ex­pli­ca que o le­van­ta­men­to re­a­li­za­do pe­la JGV não tem o in­tui­to iso­la­do de ava­li­ar o que o ma­rin­ga­en­se pen­sa da po­lí­ti­ca, mas tam­bém de ana­li­sar o com­por­ta­men­to social em re­la­ção ao con­su­mo.

“Se as fa­mí­li­as de­mons­tram cer­ta res­tri­ção po­lí­ti­ca, is­to afe­ta ques­tões econô­mi­cas e o con­su­mo re­gis­tra di­mi­nui­ção. Quem tem di­nhei­ro se­gu­ra os gas­tos; quem não tem di­nhei­ro diz que não po­de se en­di­vi­dar”, ana­li­sa.

De acor­do com ela, es­se sen­ti­men­to de des­con­ten­ta­men­to com a con­di­ção atu­al do País é re­fle­xo do que os bra­si­lei­ros têm vis­to desde ja­nei­ro pas­sa­do, quan­do fo­ram anun­ci­a­dos au­men­tos de im­pos­tos e ta­ri­fas, por exem­plo. “Es­sa mu­dan­ça de com­por­ta­men­to de­mo­ra um pou­co pa­ra apa­re­cer e po­de le­var até 3 me­ses. No Pa­ra­ná per­ce­bo que es­ta re­a­ção vem mais rá­pi­da.”

Flá­via ci­ta que no Nor­des­te, por exem­plo, en­tre­vis­ta­dos dis­se­ram em pes­qui­sas re­cen­tes que o au­men­to do pre­ço do com­bus­tí­vel é uma si­tu­a­ção pon­tu­al, que o go­ver­no fe­de­ral vai bem e que os es­cân­da­los na Petrobras são pas­sa­gei­ros.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.