O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ -

Os pro­ble­mas de ra­ci­o­na­men­to, de­sa­bas­te­ci­men­to de água e re­ser­va­tó­ri­os em ní­veis bai­xos vi­ven­ci­a­dos por mo­ra­do­res da Gran­de São Pau­lo, do Rio de Ja­nei­ro e de Mi­nas Ge­rais nos úl­ti­mos me­ses não so­am co­mo uma ame­a­ça ao sis­te­ma de dis­tri­bui­ção de água tra­ta­da em Ma­rin­gá e re­gião, afir­ma a Sa­ne­par.

A com­pa­nhia diz que a ci­da­de não en­fren­ta ris­co de de­sa­bas­te­ci­men­to e que o Rio Pi­ra­pó con­ti­nu­a­rá abas­te­cen­do Ma­rin­gá até 2033. “A si­tu­a­ção é bas­tan­te tran­qui­la e não há com o que se pre­o­cu­par”, afir­ma Val­teir Nó­bre­ga, ge­ren­te re­gi­o­nal da Sa­ne­par.

Es­sa ga­ran­tia só foi da­da após um es­tu­do téc­ni­co in­di­car au­men­to de cin­co anos na vi­da útil do Rio Pi­ra­pó pa­ra a cap­ta­ção de água. An­tes, a com­pa­nhia tra­ba­lha­va com a ex­pec­ta­ti­va de cap­ta­ção até o ano de 2028, mas es­se pra­zo­foi­am­pli­a­do­pa­ra2033­de­pois de uma sé­rie de ações am­bi­en­tais nas mar­gens do rio e da di­mi­nui­ção do ín­di­ce de per­das de água tra­ta­da. Es­sa da­ta li­mi­te tam­bém foi cal­cu­la­da le­van­do em con­si­de­ra­ção a ta­xa de cres­ci­men­to da po­pu­la­ção, es­ti­ma­da­em2,5%ao­a­no.

O ge­ren­te ci­ta que uma par­ce­ria en­tre go­ver­no e pro­du­to­res ru­rais con­se­guiu re­cu­pe­rar 90% da ma­ta ci­li­ar, ga­ran­tin­do va­zão mé­dia do Pi­ra­pó em 16 mil li­tros por se­gun­do – a Sa­ne­par cap­ta me­nos de 10% des­se to­tal, 1,1 mil li­tros por se­gun­do. “Tem mui­ta água ain­da e po­de­mos con­ti­nu­ar por mui­to tem­po.” Além dis­so, nos úl­ti­mos qua­tro anos, o des­per­dí­cio de água tra­ta­da caiu de 29% pa­ra 23%; e es­sa re­du­ção, se­gun­do a em­pre­sa, au­men­tou o ho­ri­zon­te­de­a­ten­di­men­to.

Após 2033, a com­pa­nhia, se­gun­do Nó­bre­ga, já tem tra­ça­dos dois ca­mi­nhos. O pri­mei­ro de­les con­sis­te em con­ti­nu­ar a cap­ta­ção de água no Pi­ra­pó com a ins­ta­la­ção de uma no­va es­ta­ção. A ou­tra al­ter­na­ti­va é par­tir pa­ra um no­vo ma­nan­ci­al, o Rio Ivaí, dis­tan­te 30 quilô­me­tros de Ma­rin­gá. Cap­tar água do Ivaí tem um com­pli­ca­dor: o rio não ofe­re­ce a mes­ma qua­li­da­de do Pi­ra­pó. “Se o Ivaí for o ma­nan­ci­al fu­tu­ro, as ações de re­cu­pe­ra­ção da ma­ta ci­li­ar, que es­tá bas­tan­te de­gra­da­da, e das cur­vas de ní­vel te­ri­am que­co­me­ça­ra­go­ra”,ex­pli­ca.

Nó­bre­ga diz que ain­da não há de­fi­ni­ção de qual pro­je­to se­rá es­co­lhi­do pe­la Sa­ne­par. O Rio Pi­ra­pó abas­te­ce 85% de Ma­rin­gá, o equi­va­len­te a 310 mil mo­ra­do­res. A água que che­ga aos 15% res­tan­tes, que com­pre­en­dem os con­jun­tos Ney Bra­ga e Ci­da­de Al­ta, vem de po­ços ar­te­si­a­nos, as­sim co­mo nos três dis­tri­tos.

O con­su­mo mé­dio de água em Ma­rin­gá es­tá em 182 li­tros por pes­soa ao dia; aci­ma do con­si­de­ra­do ide­al pe­la Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Saú­de, de 150 li­tros. “Ci­da­des com mai­or po­der de con­su­mo uti­li­zam mais água, o que de­mons­tra fal­ta de cons­ci­ên­cia.” Os ou­tros gran­des mu­ni­cí­pi­os do Es­ta­do, co­mo Lon­dri­na, Pon­ta Gros­sa e Cas­ca­vel, têm con­su­mo mé­dio diá­rio per ca­pi­ta­se­me­lhan­te­a­o­deMa­rin­gá. O ris­co de de­sa­bas­te­ci­men­to em Ma­rin­gá de­vi­do a es­ti­a­gem tam­bém é bai­xo, se­gun­do a com­pa­nhia. Na pi­or se­ca dos úl­ti­mos anos, em 2012, quan­do a re­gião fi­cou 94 di­as sem chu­va, a va­zão do Rio Pi­ra­pó caiu pa­ra 6,8 mil li­tros por se­gun­do, mes­mo as­sim fi­cou bem aci­ma dos 1,1 mil que são cap­ta­dos pe­la uni­da­de da Sa­ne­par no lo­cal.

A em­pre­sa diz ain­da que ca­sos de aci­den­tes, co­mo der­ra­ma­men­to de pro­du­tos quí­mi­cos no rio, são pou­co fre­quen­tes. Nos úl­ti­mos cin­co anos, há re­gis­tro de um ca­so no Ri­bei­rão Pa­ra­ca­tu, em No­va Es­pe­ran­ça, que de­sá­gua no Rio Pi­ra­pó, quan­do um ca­mi­nhão-tan­que tom­bou e o com­bus­tí­vel caiu na água. O aci­den­te acon­te­ceu de­pois do pon­to de cap­ta­ção de água. “O nos­so pl ano B em mo­men­tos de cri­se é man­ter o pla­no A fun­ci­o­nan­do por­que te­mos sis­te­ma de ma­nu­ten­ção pre­ven­ti­va”, ex­pli­ca Nó­bre­ga. “Se acon­te­cer der­ra­ma­men­to de al­gum pro­du­to, usa­mos equi­pa­men­tos pa­ra bar­rar o avan­ço e im­pe­dir que che­gue à cap­ta­ção.”

—FO­TO: IVAN AMO­RIN

FON­TE. Es­ta­ção de cap­ta­ção no Pi­ra­pó. Água é tra­ta­da na uni­da­de do Jar­dim Al­vo­ra­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.