Se­ed des­con­si­de­ra da­ta de cor­te pa­ra ma­trí­cu­la no fun­da­men­tal

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - Van­da Mu­nhoz van­da@odi­a­rio.com

STJ de­ci­de que cri­an­ças que com­ple­tam 6 anos após 31 de mar­ço não po­dem en­trar no en­si­no Se­cre­ta­ria es­ta­du­al se apoia em lei, ba­se­a­da em ação ci­vil, pa­ra as­se­gu­rar a ma­trí­cu­la de me­no­res

A Se­cre­ta­ria Es­ta­du­al de Edu­ca­ção do Pa­ra­ná (Se­ed) vai man­ter a ma­trí­cu­la de cri­an­ças com seis anos de ida­de no pri­mei­ro ano do en­si­no fun­da­men­tal, in­de­pen­den­te­men­te da da­ta de cor­te. A ini­ci­a­ti­va da se­cre­ta­ria pa­ra­na­en­se con­tra­ria de­ci­são do Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (STJ), que res­ta­be­le­ce a da­ta de cor­te, au­to­ri­zan­do o in­gres­so no en­si­no fun­da­men­tal ape­nas de alu­nos com seis anos com­ple­tos até o dia 31 de mar­ço do ano a ser cur­sa­do.

Pa­ra des­con­si­de­rar a da­ta de cor­te, a Se­ed ar­gu­men­ta que, por en­quan­to, exis­te uma ação ci­vil pú­bli­ca jun­to ao Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral da 4ª Re­gião, que per­mi­te aos sis­te­mas de en­si­no dos Es­ta­dos do Pa­ra­ná, San­ta Ca­ta­ri­na e Rio Gran­de do Sul a ma­trí­cu­la de cri­an­ças com seis anos no pri­mei­ro ano do en­si­no fun­da­men­tal in­de­pen­den­te da da­ta de cor­te. “Exis­te uma lei es­ta­du­al no Pa­ra­ná apoi­a­da nes­sa ação ci­vil, que as­se­gu­ra a ma­trí­cu­la”, afir­ma a Se­ed por meio de no­ta en­vi­a­da pe­la As­ses­so­ria de Im­pren­sa.

A ida­de mí­ni­ma pa­ra in­gres­so no en­si­no fun­da­men­tal ge­ra po­lê­mi­ca. Ins­ti­tuí­da em 2010 e vi­go­ran­do desde 2012, a Re­so­lu­ção do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Edu­ca­ção (CNE) de­ter­mi­na a da­ta de cor­te co­mo 31 de mar­ço, ou se­ja, as cri­an­ças só po­dem ser ma­tri­cu­la­das no pri­mei­ro ano do en­si­no fun­da­men­tal no ano em que com­ple­tam seis anos até es­ta da­ta.

No ano pas­sa­do, pe­lo me­nos on­ze Es­ta­dos bra­si­lei­ros – Pa­ra­ná, Bahia, Mi­nas Ge­rais, Rio Gran­de do Norte, Ce­a­rá, Rio de Ja­nei­ro, Rondô­nia, Rio Gran­de do Sul, San­ta Ca­ta­ri­na, Per­nam­bu­co e Dis­tri­to Fe­de­ral – con­se­gui­ram sus­pen­der es­ta re­so­lu­ção do CNE, fi­xan­do o dia 31 de de­zem­bro co­mo da­ta de cor­te. Uma de­ci­são da 2ª Va­ra Fe­de­ral de Per­nam­bu­co já au­to­ri­za­va o in­gres­so de me­no­res de seis anos no en­si­no fun­da­men­tal em to­do o Bra­sil.

Ago­ra, em ins­tân­cia su­pe­ri­or, a de­ci­são da Pri­mei­ra Tur­ma do Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (STJ) res­ta­be­le­ce a da­ta de cor­te em 31 de mar­ço pa­ra in­gres­so no en­si­no­fun­da­men­tal.

Pa­ra o CNE, a fi­xa­ção de uma da­ta de cor­te tem o ob­je­ti­vo de ini­bir a es­co­la­ri­za­ção da cri­an­ça em de­sa­cor­do com o es­tá­gio de ma­tu­ri­da­de. Por ou­tro ân­gu­lo, fi­xar uma da­ta de cor­te é im­por­tan­te pa­ra ga­ran­tir que o apren­di­za­do se apli­que no mo­men­to em que a cri­an­ça te­nha ca­pa­ci­da­de pa­ra ab­sor­vê-lo. A pro­fes­so­ra de al­fa­be­ti­za­ção Cé­lia Ma­ria Reis Li­mon­ta, de Ma­rin­gá, con­si­de­ra que a ida­de in­flu­en­cia no apren­di­za­do e de­fen­de uma ida­de­mai­or­pa­ra­a­al­fa­be­ti­za­ção.

“Em mi­nha opi­nião, a cri­an­ça es­tá pron­ta pa­ra ser al­fa­be­ti­za­da a par­tir dos se­te anos, é quan­do ela tem ca­pa­ci­da­de in­te­lec­tu­al”, diz.

Con­si­de­ran­do as atu­ais re­gras pa­ra ma­trí­cu­las – seis anos -, a pro­fes­so­ra ci­ta a ex­pe­ri­ên­cia em sa­la de au­la. “Aque­les alu­nos que com­ple­ta­ram seis anos em fe­ve­rei­ro, por exem­plo, vão me­lhor que os que com­ple­ta­ram a mes­ma ida­de, mas em de­zem­bro. Um ano faz mui­ta di­fe­ren­ça pa­ra­as­cri­an­ças”,ob­ser­va.

—FO­TO: ARQUIVO

NÃO MU­DA. Ape­sar da de­ci­são, Se­ed con­fir­ma que cri­an­ças me­no­res de seis anos con­ti­nu­a­rão a ser ma­tri­cu­la­das no fun­da­men­tal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.