Mar­cos do Val

“No Bra­sil,o go­ver­no não en­ten­de a im­por­tân­cia do trei­na­men­to po­li­ci­al”

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - Van­da Mu­nhoz van­da@odi­a­rio.com

Pa­ra Mar­cos do Val, brasileiro ins­tru­tor da Spe­ci­al We­a­pons and Tac­tics (Swat), em Dal­las, no Te­xas (EUA), a po­lí­cia bra­si­lei­ra evo­luiu nas úl­ti­mas dé­ca­das, mas fal­tam in­cen­ti­vos do go­ver­no e uma no­va pos­tu­ra da so­ci­e­da­de em re­la­ção às ins­ti­tui­ções de se­gu­ran­ça pú­bli­ca. “A so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra co­me­te um er­ro mui­to gran­de quan­do fa­la que ‘ban­di­do bom é ban­di­do mor­to’. Quan­do fa­la is­so, tam­bém diz que não acre­di­ta na Jus­ti­ça, não acre­di­ta nas pe­na­li­da­des. E, de for­ma in­di­re­ta, diz pa­ra o po­li­ci­al: olha, vo­cê po­de ma­tar, vo­cê po­de ser agres­si­vo. Só que, quan­do o po­li­ci­al, de for­ma ins­tin­ti­va ou até ra­ci­o­nal, aca­ba co­me­ten­do um ex­ces­so; a so­ci­e­da­de é a pri­mei­ra a ba­ter.” Ele diz que as me­lho­ri­as não ocor­rem de uma ho­ra pa­ra ou­tra, mas é pre­ci­so que a so­ci­e­da­de te­nha ou­tra pos­tu­ra­em­re­la­ção­a­os­po­li­ci­ais.

O ins­tru­tor, que es­tá nos Es­ta­dos Unidos desde o iní­cio da dé­ca­da de 2000, já mi­nis­trou cur­sos pa­ra a Guar­da Suí­ça, no Va­ti­ca­no, e trei­nou equi­pes da Na­sa. Ele se pre­pa­ra pa­ra ir a ou­tros paí­se­seu­ro­peus.

Va­les­te­ve­emMa­rin­gá­naúl­ti­ma se­ma­na vi­si­tan­do a Guar­da Mu­ni­ci­pal. Tam­bém es­te­ve na 2ª Es­co­la de For­ma­ção, Aper­fei­ço­a­men­to e Es­pe­ci­a­li­za­ção de Pra­ças (Es­fa­ep), on­de foi re­ce­bi­do pe­lo co­man­dan­te,ca­pi­tãoA­de­mir­daFon­se­caJú­ni­or.Avi­si­ta­te­ve­o­a­com­pa­nha­men­to do che­fe da Guar­da Mu­ni­ci­pal, João Car­los Vir­mond Por­to, e do se­cre­tá­rio de Trân­si­to e Se­gu­ran­ça(Se­trans),Ide­valO­li­vei­ra.Emen­tre­vis­ta­aODiá­rio,Val­fe­zu­ma­a­ná­li­se­de­pon­tos­crí­ti­co­se­fa­lou­de­téc­ni­cas de se­gu­ran­ça usa­das no Bra­si­le­e­mou­tros­paí­ses.

P.—Co­mo­vo­cê­che­gou­a­téa Swat? R.—

Era pro­fes­sor e ti­nha uma es­co­la de ar­tes mar­ci­ais, de ta­ekwon­do, em Vi­tó­ria, no Es­pí­ri­to San­to. Cer­ta vez, dan­do au­la na aca­de­mia, vi uma abor­da­gem em que hou­ve um con­fron­to en­tre umas­sal­tan­te­deô­ni­bu­seum­po­li­ci­al.Ele­sen­tra­ra­mem­lu­ta­cor­po­ral.Na­que­laé­po­ca(em1998),sem téc­ni­ca es­pe­cí­fi­ca, o po­li­ci­al usou ar­ma de fo­go e ma­tou o ra­paz. E me­cha­mou­a­a­ten­ção.

P.—Eis­so­oins­pi­roua de­sen­vol­ve­rum­cur­so­pa­raa po­lí­cia? R.—

Co­me­cei en­tão a de­sen­vol­ver uma sé­rie de téc­ni­cas que pu­des­sem dar uma fer­ra­men­ta a mais pa­ra o po­li­ci­al, não só a al­ge­ma, não só a ar­ma de fo­go. Co­mo mi­nha aca­de­mia ti­nha vá­ri­as lu­tas, jiu-jít­su, judô, ca­ra­tê, ca­po­ei­ra, fiz um la­bo­ra­tó­rio. Não per­ten­cia à po­lí­cia, mas ti­nha co­nhe­ci­men­to­da­par­te­de­ar­mas,da hi­e­rar­quia e dis­ci­pli­na, da épo­ca que ser­vi ao Exér­ci­to, em Vi­tó­ria. Qu­an­do­ter­mi­nei­de­fi­na­li­za­res­se tra­ba­lho, ti­nha al­guns alu­nos que eram po­li­ci­ais e me le­va­ram pa­ra se­rins­tru­tor­daA­ca­de­mi­a­dePo­lí­cia Ci­vil do Es­pí­ri­to San­to. Al­guns po­li­ci­ais do Rio de Ja­nei­ro acha­ram mui­to in­te­res­san­te as téc­ni­cas­que­eu­es­ta­va­en­si­nan­do.

P.—Eas­sim,vo­cê­foi­se tor­nan­do­co­nhe­ci­do? R.—

Fui­con­vi­da­do­pa­ra­en­tre­vis­tas em talk shows e, em uma des­sas en­tre­vis­tas, um norte-ame­ri­ca­no mos­trou in­te­res­se pa­ra que eu fos­se pa­ra os Es­ta­dos Unidos mi­nis­trar cur­sos, mas não deu cer­to. De­ci­di, en­tão, pro­cu­rar os te­le­fo­nes de al­gu­mas Swats­pa­ra­pro­por­cur­so­sa­os­po­li­ci­ais. No iní­cio, eles não acre­di­ta­vam que um brasileiro pu­des­se dar au­las a po­li­ci­ais ame­ri­ca­nos e mui­tos des­li­ga­ram o te­le­fo­ne na mi­nha ca­ra. Mas in­sis­ti, pro­pon­do um work shop, em Dal­las, no Te­xas. Co­me­cei a ter um re­co­nhe­ci­men­to mui­to gran­de, vá­ri­as por­tas fo­ram se abrin­do. No ano de 2000, re­ce­bi o tí­tu­lo de mem­bro ho­no­rá­rio da Swat. É uma po­lí­cia que tem mui­ta ex­pe­ri­ên­cia em si­tu­a­ções com re­féns. Ca­da po­lí­cia te­mu­ma­par­ti­cu­la­ri­da­de­que­ne­nhu­ma ou­tra tem, e no Bra­sil tam­bé­méas­sim.

P.—Vo­cê­co­nhe­ceuCh­ris Ky­le,oa­ti­ra­dor­de­e­li­te­do exér­ci­to­a­me­ri­ca­no­que­foi mor­to­a­ti­ros­po­ru­mex­sol­da­do­e­queins­pi­rou­o­fil­me Ame­ri­canS­ni­per.Co­mo­foi is­so? R.—

Quan­do o co­nhe­ci, ele vi­nha de uma tro­pa de eli­te das For­ças Ar­ma­das, e em uma reu­nião se ofe­re­ceu pa­ra tra­ba­lhar co­nos­co pa­ra dar au­las no Bra­sil. Mas não vi con­di­ções na épo­ca, por­que to­do o con­cei­to de­le era na área mi­li­tar, de gu­er­ra. E a área po­li­ci­al­não­te­mo­mes­mo­con­cei­to. O con­cei­to de gu­er­ra é ma­tar e des­truir. To­do sol­da­do que vai pa­ra uma gu­er­ra tem es­se fo­co. O con­cei­to po­li­ci­al é ser­vir e pro­te­ger. São di­fe­ren­tes. Foi uma opor­tu­ni­da­de­queho­je,re­co­nhe­ço, que per­di de es­tar com uma pes­soa do ní­vel de­le.

P.—Vo­cê­tam­bém­mi­nis­trou cur­so­pa­ra­aGu­ar­daSuí­ça,do Va­ti­ca­no? R.—

Co­me­cei a re­ce­ber con­vi­tes pa­ra dar au­las em ou­tros paí­ses. Pa­ra a Guar­da Suí­ça, a ques­tão era co­mo pre­ser­var a in­te­gri­da­de fí­si­ca do pa­pa se al­guém ten­tas­se al­gu­ma coi­sa con­tra ele ou abra­çá-lo? Co­mo vou pro­te­gê-lo sem­ser­vi­o­len­to?Eaí­cou­be­a­téc­ni­ca­que­en­si­no.

P.—Ea­tu­ou­e­mou­tras ins­ti­tui­ções? R.—

Quan­do ocor­reu o 11 de Se­tem­bro, a Na­sa pas­sou a ser uma uni­da­de de ris­co de ter­ro­ris­mo e, jun­to com os po­li­ci­ais fe­de­rais, mon­tou um Time de Res­pos­ta Tá­ti­ca. Fui pa­ra a Na­sa trei­nar e for­ma­res­sa­e­qui­pe.

P.—Co­mo­vo­cê­vêo trei­na­men­to­do­po­li­ci­al brasileiro? R.—

No Bra­sil, o go­ver­no não en­ten­de a im­por­tân­cia do trei­na­men­to po­li­ci­al. En­ten­do que em dez anos hou­ve uma evo­lu­ção gi­gan­tes­ca da se­gu­ran­ça pú­bli­ca no País. Vi in­ves­ti­men­tos do go­ver­no fe­de­ral em equi­pa­men­tos. O po­li­ci­al brasileiro tem o azar ser co­man­da­do por po­lí­ti­cos que pas­sa­ram pe­la di­ta­du­ra. Es­ses po­lí­ti­cos, na­tu­ral­men­te, têm uma cer­ta re­jei­ção à po­lí­cia. Jul­gam que (a po­lí­cia) é um mal­ne­ces­sá­rio.

P.—Mas­vo­cê­di­ri­a­que apo­lí­cia bra­si­lei­ra é va­lo­ri­za­da? R.—

Não. O que fal­ta é en­ten­der a im­por­tân­cia da se­gu­ran­ça pú­bli­ca no con­tex­to ge­ral. Por exem­plo, com uma po­lí­cia sen­do re­fe­rên­cia te­re­mos o jovem que não te­rá mais o tra­fi­can­te co­mo re­fe­rên­cia. Ele vai cres­cer que­ren­do ser um po­li- ci­al e não um tra­fi­can­te da sua re­gião. En­tão, a va­lo­ri­za­ção do pro­fis­si­o­nal é im­por­tan­te até co­mo re­fe­rên­cia pa­ra os jo­vens e ado­les­cen­tes.

P.— Es­sa va­lo­ri­za­ção pas­sa pe­los sa­lá­ri­os. Co­mo o se­nhor vê is­so? R.—

O po­li­ci­al no Bra­sil é o que es­tá em pi­or si­tu­a­ção de tra­ba­lho em com­pa­ra­ção com ou­tros paí­ses. É uma car­rei­ra mui­to es­tres­san­te, a le­gis­la­ção não aju­da o tra­ba­lho da po­lí­cia. Um exem­plo: nos Es­ta­dos Unidos, se um as­sal­tan­te ma­ta um po­li­ci­al ou ele te­rá pe­na de mor­te ou pri­são per­pé­tua. Aqui (no Bra­sil) não. Aqui es­tá co­me­çan­do a ser dis­cu­ti­do no Con­gres­so uma lei que pu­ne ain­da mais quem co­me­te um cri­me con­tra um po­li­ci­al; o sa­lá­rio é mui­to bai­xo. Mui­tos en­tram na po­lí­cia por­que amam es­sa car­rei­ra, era o so­nho de cri­an­ça; o sa­lá­rio é se­cun­dá­rio.

P.— A cor­rup­ção é um pro­ble­ma que o Bra­sil en­fren­ta em vá­ri­as ins­ti­tui­ções, in­clu­si­ve en­tre al­guns po­li­ci­ais. Co­mo o se­nhor vê is­so? R.—

A ques­tão da cor­rup­ção é de ber­ço. Em qual­quer ins­ti­tui­ção que ele es­ti­ver es­ta­rá se cor­rom­pen­do, são prin­cí­pi­os mo­rais. Em to­das as pro­fis­sões exis­tem os bons e os maus.

P.— Qual a sua opi­nião so­bre a so­ci­e­da­de em re­la­ção à vi­o­lên­cia e à se­gu­ran­ça no Bra­sil? R.—

A so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra co­me­te um er­ro mui­to gran­de quan­do fa­la que ‘ban­di­do bom é ban­di­do mor­to’. Quan­do fa­la is­so, tam­bém diz que não acre­di­ta na Jus­ti­ça, não acre­di­ta nas pe­na­li­da­des. E, de for­ma in­di­re­ta, diz pa­ra o po­li­ci­al: ‘olha, vo­cê po­de ma­tar, vo­cê po­de ser agres­si­vo. Só que, quan­do o po­li­ci­al, de for­ma ins­tin­ti­va ou até ra­ci­o­nal’, aca­ba co­me­ten­do um ex­ces­so, a so­ci­e­da­de é a pri­mei­ra a ba­ter. O po­li­ci­al fi­ca sem en­ten­der.

P.— É ne­ces­sá­ria uma no­va pos­tu­ra da so­ci­e­da­de em re­la­ção à po­lí­cia? R.—

É pre­ci­so mui­ta coi­sa no Bra­sil pa­ra que a se­gu­ran­ça se­ja me­lhor, co­mo con­di­ções me­lho­res de tra­ba­lho pa­ra o po­li­ci­al, a va­lo­ri­za­ção por par­te do go­ver­no, a so­ci­e­da­de re­co­nhe­cer co­mo um tra­ba­lho he­roi­co por­que é a úni­ca pro­fis­são em que vo­cê dá a pró­pria vi­da em prol de pes­so­as que vo­cê não co­nhe­ce. Há vá­ri­os fa­to­res que con­tri­bu­em com vi­o­lên­cia da for­ma co­mo es­tá. Há mui­ta coi­sa pa­ra evo­luir.

P.— Mas, em sua opi­nião, hou­ve uma evo­lu­ção?

R.— A si­tu­a­ção não es­tá sa­tis­fa­tó­ria, mas se vo­cê for olhar pa­ra trás, há 10, 14 anos, me­lho­rou mui­to, nem se com­pa­ra, é ou­tra po­lí­cia, é ou­tra me­to­do­lo­gia, mas se vo­cê com­pa­rar com ou­tros paí­ses ain­da há mui­to ca­mi­nho pe­la fren­te. A po­lí­cia bra­si­lei­ra es­tá de­sen­vol­ven­do a ques­tão da pre­ser­va­ção da vi­da, o uso pro­gres­si­vo da for­ça. Não é che­gar e ir ma­tan­do.

P.— Mas os pró­pri­os en­vol­vi­dos, em uma si­tu­a­ção de con­fron­to, têm re­a­ção vi­o­len­ta. Co­mo li­dar com is­so?

R.— Se o ban­di­do sa­be que a so­ci­e­da­de es­tá ava­li­zan­do que o po­li­ci­al se­ja vi­o­len­to, ele se­rá vi­o­len­to com a po­lí­cia. Em vá­ri­as re­des so­ci­ais, es­cre­vem is­so: ‘po­li­ci­al bom é po­li­ci­al mor­to’. En­tão fi­ca sen­do uma gu­er­ra. Es­cu­ta­mos mui­to que o fu­tu­ro do Bra­sil es­tá na edu­ca­ção e na área po­li­ci­al é a mes­ma coi­sa. O fu­tu­ro da se­gu­ran­ça pú­bli­ca es­tá na ins­tru­ção, na ca­pa­ci­ta­ção, de no­vas ten­dên­cia, na­qui­lo que a so­ci­e­da­de de­se­ja. Há uma sé­rie de mu­dan­ça que, por con­ta da cul­tu­ra, não se faz de uma ho­ra pa­ra ou­tra.

P.— O que vo­cê acha da uni­fi­ca­ção das po­lí­ci­as, al­go que ain­da não se con­cre­ti­zou no Bra­sil?

R.— Sou a fa­vor da uni­fi­ca­ção. A po­lí­cia ame­ri­ca­na não con­se­gue en­ten­der co­mo po­de ha­ver du­as po­lí­ci­as dis­tin­tas. Nos Es- ta­dos Unidos é uma po­lí­cia úni­ca, com vá­ri­os de­par­ta­men­tos. Pa­ra es­sa mu­dan­ça no Bra­sil, o ide­al é que se ini­cie nas aca­de­mi­as de po­lí­cia. Acho que se­ria in­te­res­san­te as aca­de­mi­as de po­lí­cia es­ta­du­ais se­rem úni­cas, e en­tão eles pas­sam fa­zen­do cur­sos bá­si­cos de le­gis­la­ção, de pro­ce­di­men­tos po­li­ci­ais e de­pois ca­da um vai se es­pe­ci­a­li­zan­do. Quan­do es­ti­ve­rem nas ru­as, cer­ta­men­te vão se lem­brar co­mo ami­gos de for­ma­ção, ha­ve­rá uma in­te­gra­ção.

P.— O que vo­cê acha do uso de ar­mas le­tais pe­la Guar­da Mu­ni­ci­pal?

R.— A par­tir do mo­men­to em que vo­cê es­tá far­da­do, uni­for­mi­za­do, vo­cê é um al­vo em po­ten­ci­al, o pró­prio uni­for­me co­lo­ca vo­cêem­ris­co.Ho­je,vo­cê­tem­que ter no seu cin­to de guar­ni­ção, um spray de pi­men­ta, uma ar­ma de ele­tro­cho­que, uma ar­ma de fo­go. Não é ter um ou ou­tro. O im­por­tan­teé­ter­vá­ri­as­fer­ra­men­tas por­que ca­da si­tu­a­ção im­pli­ca em um ti­po de fer­ra­men­ta. De­ve fa­zer o uso pro­gres­si­vo e o úl­ti­mo re­cur­so é a ar­ma le­tal. É im­por­tan­te que o mu­ni­cí­pio dê trei­na­men­to, in­vis­ta em ca­pa­ci­ta­ção per­ma­nen­te, não ape­nas na for­ma­ção.

P.— O que vo­cê acha dos con­fli­tos ur­ba­nos no Bra­sil? Co­mo com­ba­ter?

R.— O que acon­te­ce nas pas­se­a­tas é que há um re­cuo da­que­les que es­tão fa­zen­do a ma­ni­fes­ta­ção pa­cí­fi­ca e ce­den­do es­pa­ço pa­ra aque­les que que­rem fa­zer ba­der­na. Não exis­te, em ne­nhum ou­tro lu­gar do mundo, ou­tra for­ma de li­dar com o ba­der­nei­ro em con­fli­to ur­ba­no, co­mo a de uso de ba­la de bor­ra­cha, spray de pi­men­ta, es­cu­do. Quan­do che­ga ao pon­to de a po­lí­cia pre­ci­sar ati­rar com ba­la de bor­ra­cha é por­que já pas­sou a par­te de ne­go­ci­ar com os lí­de­res, de con­ver­sar, to­das as eta­pas de ne­go­ci­a­ção. A po­lí­cia tem que pro­te­ger o pa­trimô­nio pú­bli­co e pri­va­do e a vi­da do ci­da­dão de bem. No mundo in­tei­ro é es­sa téc­ni­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.