Ener­gia via bi­o­mas­sa po­de cres­cer até 15%

O Diario do Norte do Parana - - GGEERRAALL - ///Jo­sé Ro­ber­toGo­mes/Agên­ci­aEs­ta­do ///Fer­nan­daGui­ma­rães/AE

A cri­se de ener­gia e o ris­co de ra­ci­o­na­men­to no Bra­sil abrem es­pa­ço pa­ra que o se­tor su­cro­e­ner­gé­ti­co ex­pan­da nes­te ano o seg­men­to de co­ge­ra­ção, aque­le em que a bi­o­mas­sa é usa­da pa­ra pro­du­zir ele­tri­ci­da­de. Es­pe­ci­a­lis­tas ou­vi­dos pe­lo Bro­ad­cast,ser­vi­ço­de­no­tí­ci­as­daA­gên­cia Es­ta­do, di­zem que a ca­deia pro­du­ti­va de açú­car e ál­co­ol tem po­ten­ci­al pa­ra au­men­tar a ofer­ta de ener­gia en­tre 10% e 15% em 2015 so­bre os 20,8 mil GWh ge­ra­dos em 2014, quan­ti­da­de já 21%mai­or­que­em2013.Is­so­com ba­se na ca­pa­ci­da­de atu­al­men­te ins­ta­la­da e desde que usan­do não só o ba­ga­ço da ca­na, mas tam­bém ma­te­ri­ais de ter­cei­ros, co­mo ca­va­co de ma­dei­ra. O ca­mi­nho das em­pre­sas bra­si­lei­ras em bus­ca de fi­nan­ci­a­men­to ga­nhou uma bar­rei­ra adicional com a re­ti­ra­da do grau de investimento da Petrobras pe­la agên­cia de clas­si­fi­ca­ção de ris­cos Mo­ody’s. Com o ce­ná­rio pa­ra es­sas com­pa­nhi­as já di­fí­cil de­vi­do a cus­tos de fi­nan­ci­a­men­to mais ele­va­dos por con­ta do mau hu­mor dos in­ves­ti­do­res com o Bra­sil, a ex­pec­ta­ti­va é de que a si­tu­a­ção fi­que ain­da mais de­li­ca­da, com no­vas ele­va­ções, ca­so uma se­gun­da agên­cia le­ve a pe­tro­lí­fe­ra tam­bém pa­ra bai­xo do grau de investimento. A Petrobras de­ve co­me­çar a pa­gar ain­da mais ca­ro pa­ra re­fi­nan­ci­ar su­as dí­vi­das e po­de re­pas­sar es­se au­men­to de cus­to pa­ra seus for­ne­ce­do­res que já têm en­con­tra­do a por­ta fe­cha­da­pa­ra­no­vo­sem­prés­ti­mos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.