Pro­gra­ma de trai­nee dâ um em­pur­rão à car­rei­ra

O Diario do Norte do Parana - - CLASSIDIÁRIO - Ju­li­a­na Fon­ta­nel­la ju­fon­ta­nel­la@odi­a­rio.com TREI­NA­DO PA­RA SER LÍ­DER:

O pro­gra­ma de trai­nee é a ba­se de for­ma­ção de mão de obra e li­de­ran­ças em mui­tas em­pre­sas e, di­fe­ren­te do es­tá­gio, tem co­mo prin­ci­pal ob­je­ti­vo a con­tra­ta­ção. Desde a se­le­ção ini­ci­al a con­cor­rên­cia é mui­to al­ta e há vá­ri­as exi­gên­ci­as por par­te das em­pre­sas. Pa­ra atrair os can­di­da­tos são ofer­ta­dos be­ne­fí­ci­os e pos­si­bi­li­da­de­de­cres­ci­men­to.

A Co­ca­mar é uma das em­pre­sas de Ma­rin­gá que ofe­re­ce va­gas de trai­nee, um pro­gra­ma é di­re­ci­o­na­do pa­ra en­ge­nhei­ros agrô­no­mos, ou­tro pa­ra su­per­vi­so­res ad­mi­nis­tra­ti­vos e o ter­cei­ro pa­ra ge­ren­te de uni­da­de. As opor­tu­ni­da­des são di­re­ci­o­na­das à co­mu­ni­da­de in­ter­na e ex­ter­na, e foi pres­tan­do aten­ção à pu­bli­ca­ção de no­vas va­gas que o en­ge­nhei­ro agrô­no­mo Rodrigo Kar­rum, 33, con­quis­tou o es­pa­ço. “Eu já es­ta­va na Co­ca­mar tra­ba­lhan­do co­mo en­ge­nhei­ro agrô­no­mo de cam­po e fi­quei aten­to aos edi­tais, quan­do saiu a va­ga de trai­nee pa­ra su­per­vi­sor, me can­di­da­tei e fui se­le­ci­o­na­do”, con­ta.

O trei­na­men­to le­vou qua­se um ano, nes­se pe­río­do ele pas­sou por to­dos os se­to­res da em­pre­sa e co­nhe­ceu vá­ri­as uni­da­des.Em­ca­da­fa­se­con­tou­co­mo­ri­en­ta­ção de men­to­res, ge­ren­tes e su­per­vi­so­res mais ex­pe­ri­en­tes que­o­a­ju­da­ra­ma­en­con­trar­so­lu­ções pa­ra pro­ble­mas e con­fli­tos, sa­na­ram dú­vi­das e fi­ze­ram to­do o acom­pa­nha­men­to do seu pro­gres­so.

As ro­ti­nas são pa­re­ci­das com as de um es­tá­gio, mas, di­fe­ren­te do apren­diz, o trai­nee já es­tá tra­ba­lhan­do. Ele tem po­der de de­ci­são e res­pon­sa­bi­li­da­de so­bre as con­sequên­ci­as de ca­da uma de­las.Opro­gra­ma­nãoéins­tru­ci- onal, mas co­mo o pró­prio no­me diz, de trei­na­men­to. “Du­ran­te to­do o tem­po vo­cê vi­ven­cia si­tu­a­ções re­ais e tem al­guém que o acon­se­lha. Pri­mei­ro vo­cê ob­ser­va o tra­ba­lho dos su­per­vi­so­res mais efi­ci­en­tes, de­pois age, mas ti­ra su­as dú­vi­das com eles. En­tão che­ga o mo­men­to em que vo­cê to­mas as su­as pró­pri­as de­ci­sões e pas­sa a di­vi­dir as ex­pe­ri­ên­ci­as”, acres­cen­ta.

Ex­pec­ta­ti­vas

Pa­ra a co­or­de­na­do­ra de Ges­tão de Pes­so­as da em­pre­sa, Mi­ri­am Pe­ra­ro, a ideia prin­ci­pal do pro­gra­ma de trai­nee é ofe­re­cer um cam­po de tes­te pa­ra o pro­fis­si­o­nal ou fu­tu­ro su­per­vi­sor pa­ra que ele sin­ta co­mo vai ser o seu dia a dia na em­pre­sa, os de­sa­fi­os que vai en­fren­tar e en­ten­der quais são os ca­mi­nhos que têm pa­ra­so­lu­ci­o­nar­ca­da­ti­po­de­si­tu­a­ção. A con­tra­par­ti­da é um for­te in­ves­ti­men­to­do­em­pre­ga­dor.

No ca­so da Co­ca­mar, o trai­nee tem as­ses­so­ria em tem­po in­te­gral, trei­na­men­to téc­ni­co e aten­di­men­to de co­a­ching. No fi­nal do pro­gra­ma a pes­soa es­tá 100% adap­ta­da à cul­tu­ra da em­pre­sa e pron­ta pa­ra as­su­mir o car­go. “Nós so­mos bas­tan­te exi­gen­tes­por­que­são­po­si­çõe­ses­tra­té­gi­cas. O co­nhe­ci­men­to téc­ni­co de ex­ce­lên­cia não é tu­do, o trai­nee tem que mos­trar do­mí­nio de oi­to com­pe­tên­ci­as com­por­ta­men­tais que con­si­de­ra­mos es­sen­ci­ais, en­tre eles pro­a­ti­vi­da­de, re­cep­ti­vi­da­de e boa comunicação”, diz.

Ro­dri­goKar­ru­mes­ta­va­a­ca­mi­nho da uni­da­de que vai as­su­mir quan­do deu es­sa en­tre­vis­ta. Ele ga­nhou um au­men­to de sa­lá­rio e es­tá fe­liz com o apren­di­za­do que­re­ce­beu­no­pro­gra­ma­de­trai­nee. “Eu sei o que de­vo fa­zer e co­mo me por­tar di­an­te da equi­pe. Mes­mo que o de­sa­fio pa­re­ça gran­de de­mais é pre­ci­so en­fren- tá-lo. Eu lem­bro do trei­na­men­to, saio de ce­na, res­pi­ro e só vol­to pa­ra a sa­la com uma so­lu­ção mui­to bem pen­sa­da. É o ti­po de apren­di­za­do que vo­cê le­va pa­ra a vi­da in­tei­ra”, afir­ma.

Pa­ra­che­gar­lá

Nem to­dos apren­dem a ter es­se ní­vel de au­to­con­tro­le e fa­lham no pro­gra­ma. Uma quei­xa re­cor­ren­te dos ava­li­a­do­res é que os can­di­da­tos, es­pe­ci­al­men­te os mais jo­vens, têm di­fi­cul­da­de em atin­gir a ma­tu­ri­da­de ne­ces­sá­ria pa­ra as­su­mir os car­gos ofer­ta­dos. “Per­ce­be­mos que eles cur­sam a fa­cul­da­de qua­se sem lei­tu­ra, não bus­cam apro­fun­da­men­to e pou­cos sa­bem o que re­al­men­te que­rem. Mui­tos não têm pa­ci­ên­cia pa­ra con­quis­tar a po­si­ção pre­ten­di­da no tem­po cer­to e a an­si­e­da­de atra­pa­lha bas­tan­te”, ex­pli­ca Mi­ri­am.

O ge­ren­te de uni­da­des ope­ra­ci­o­nais da em­pre­sa, Car­los Fa­do­ni, afir­ma que há va­gas aber­tas pa­ra trai­nee e a pre­vi­são é de am­pli­a­ção do pro­gra­ma, co­mo par­te do pla­no es­tra­té­gi­co de cres­ci­men­to da co­o­pe­ra­ti­va pa­ra2020.

— FO­TO: DI­VUL­GA­ÇÃO/ CO­CA­MAR

“Mes­mo que o de­sa­fio pa­re­ça gran­de de­mais é pre­ci­so en­fren­tá-lo”, diz Kar­rum.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.