In­cen­ti­vos pa­ra ener­gia so­lar de­vem sair até ju­lho

O Diario do Norte do Parana - - CLASSIDIÁRIO - Naiana Os­car Agên­cia Es­ta­do FAL­TA IN­CEN­TI­VO.

Com a fal­ta de chu­va que co­lo­cou os re­ser­va­tó­ri­os das usi­nas hi­dre­lé­tri­cas em es­ta­do crí­ti­co e ele­vou pa­ra 75% o ris­co de ra­ci­o­na­men­to de ener­gia no País, o go­ver­no fe­de­ral de­ci­diu que era ho­ra de in­cen­ti­var a ge­ra­ção pró­pria de ener­gia so­lar por fa­mí­li­as e em­pre­sas - ca­mi­nho que já foi ado­ta­do há mais de uma dé­ca­da em paí­ses co­mo Es­ta­dos Unidos e Ale­ma­nha. Há pou­cos di­as, o di­re­tor-ge­ral da Agên­cia Na­ci­o­nal de Ener­gia Elé­tri­ca (Ane­el), Ro­meu Ru­fi­no, dis­se que ha­via ne­go­ci­a­ções em an­da­men­to pa­ra es­ti­mu­lar es­se mo­de­lo.

A pri­mei­ra ten­ta­ti­va nes­se sen­ti­do se deu em 2012, com uma re­so­lu­ção da agên­cia que per­mi­tiu que os con­su­mi­do­res li­gas­sem seus sis­te­mas na re­de elé­tri­ca e “ven­des­sem” ener­gia ex­ce­den­te pa­ra as dis­tri­bui­do­ras, aba­ten­do es­se cré­di­to da con­ta de luz. Mas al­gu­mas dis­tor­ções fi­ze­ram com que a cha­ma­da ge­ra­ção dis­tri­buí­da não de­co­las­se no Bra­sil.

“A le­gis­la­ção bra­si­lei­ra é, sem dú­vi­da ne­nhu­ma, a me­lhor do mundo”, ironiza o es­pa­nhol Pe­dro Va­quer Bru­net, di­re­tor da mul­ti­na­ci­o­nal So­la­tio, que foi a gran­de ven­ce­do­ra do lei­lão de ener­gia so­lar no ano pas­sa­do. “O pro­ble­ma é que ela não é apli­cá­vel.”

De 2012 até ja­nei­ro, ape­nas 409 sis­te­mas en­tra­ram em fun- ci­o­na­men­to, se­gun­do a Ane­el. Jun­tos, eles têm uma ca­pa­ci­da­de ins­ta­la­da de 4,8 me­gawatts, o que é na­da per­to da ma­triz ener­gé­ti­ca bra­si­lei­ra, de 134 mil me­gawatts.

“Ho­je, a re­so­lu­ção es­tá pas­san­do por uma re­vi­são. Ain­da no pri­mei­ro se­mes­tre abri­re­mos uma au­di­ên­cia pú­bli­ca pa­ra re­du­zir ain­da mais as bar­rei­ras pa­ra o con­su­mi­dor ter sua pró­pria ge­ra­ção”, dis­se Mar­co Au­ré­lio Len­zi Cas­tro, es­pe­ci­a­lis­ta da su­pe­rin­ten­dên­cia de re­gu­la­ção da dis­tri­bui­ção da Ane­el.

Além de es­tu­dar no­vas li­nhas de fi­nan­ci­a­men­to pa­ra os equi­pa­men­tos de ge­ra­ção so­lar, o go­ver­no es­tá dis­cu­tin­do no Con­faz, que reú­ne se­cre­tá­ri­os es­ta­du­ais de Fa­zen­da, a isen­ção da co­bran­ça do ICMS so­bre o que é de­vol­vi­do à re­de das dis­tri­bui­do­ras. Ho­je, se o pro­pri­e­tá­rio de um sis­te­ma so­lar con­so­me 200 kWh de ener­gia e in­je­ta um ex­ce­den­te de 100 kWh na re­de, ele pa­ga o im­pos­to em ci­ma de 300 e não dos 200 que ele con­su­miu.

Mi­nas Ge­rais re­sol­veu ado­tar uma re­gra pró­pria e co­brar o tri­bu­to ape­nas so­bre a di­fe­ren­ça por um pra­zo de cin­co anos, co­lo­can­do o Es­ta­do na li­de­ran­ça dos pro­je­tos de sis­te­ma so­lar do País: são 80 an­te 43 de São Pau­lo. A pers­pec­ti­va da Ane­el é que o Con­faz mu­de es­sa re­gra até ju­lho.

O go­ver­no tam­bém es­tu­da au­to­ri­zar as dis­tri­bui­do­ras a pa­gar mais ca­ro por es­sa ener­gia.

“Se as em­pre­sas pu­de­rem pa­gar va­lo­res aci­ma do Va­lor de Re­fe­rên­cia (que é a mé­dia pra­ti­ca­da nos úl­ti­mos lei­lões de ener­gia), is­so es­ti­mu­la­rá que mais con­su­mi­do­res ado­tem o mo­de­lo de ge­ra­ção pró­pria”, afir­mou Ru­fi­no .

Nas es­ti­ma­ti­vas da Ane­el, se tu­do con­ti­nu­ar co­mo es­tá, sem os in­cen­ti­vos, o País che­ga­rá a 2024 com 140 mil sis­te­mas de ge­ra­ção dis­tri­buí­da em fun­ci­o­na­men­to e 600 MW de ca­pa­ci­da­de ins­ta­la­da. Com a mu­dan­ça na re­gra do Con­faz, es­ses nú­me­ros se­ri­am de 188 mil e 800 MW.

In­cluin­do ou­tros in­cen­ti- vos, co­mo, por exem­plo, a pos­si­bi­li­da­de de a ener­gia ser usa­da não ape­nas nas áre­as co­muns de um con­do­mí­nio re­si­den­ci­al, mas tam­bém pe­los pró­pri­os condô­mi­nos em seus imó­veis, a pro­je­ção sal­ta pa­ra 795 mil sis­te­mas, em dez anos, ge­ran­do 2.435 MW. Ape­di­do­doEs­ta­do,otéc­ni­co daA­ne­el­fez­du­as­si­mu­la­ções pa­ra­cal­cu­la­ro­que­mu­da­na con­ta­de­luz­deu­ma­fa­mí­li­a­de clas­se­mé­di­a­co­mum­sis­te­ma de­e­ner­gi­a­so­lar.Pa­rau­ma­ca­sa que­con­so­me450kWh­por­mês, o cus­to to­tal de ins­ta­la­ção do sis­te­ma se­ria de R$ 14,3 mil. Ore­tor­no­doin­ves­ti­men­toe o va­lor da con­ta é di­fe­ren­te deumEs­ta­do­pa­ra­ou­tro,por is­so­fo­ram­con­si­de­ra­dos­dois exem­plos:Campinas,emSão Pau­lo,eBe­loHo­ri­zon­te,em Mi­nas.EmCam­pi­nas,afa­tu­ra men­sal­da­fa­mí­li­a­pas­sa­ri­a­de R$223pa­raR$90,ho­je.Se oCon­faz­de­ci­dir­pe­lai­sen­ção deim­pos­to,acon­ta­cai­ri­a­pa­ra R$65,ge­ran­dou­ma­e­co­no­mia anu­al­deR$1.890.No­pri­mei­ro ca­so,otem­po­de­re­tor­no­do in­ves­ti­men­to­fi­ca­em­no­ve­a­nos e,no­se­gun­do,vai­pa­ra7,6 anos.EmBe­loHo­ri­zon­te,a con­ta­cai­deR$295pa­raR$ 85,co­ma­co­bran­ça­deICMS in­ci­din­do­a­pe­nas­so­bre­o­que­foi con­su­mi­do­pe­los­mo­ra­do­res­me­di­da­que­o­go­ver­no­deMi­nas jáa­do­ta,mas­que­não­va­le­pa­ra o res­tan­te do País. Nes­se ca­so, otem­po­de­re­tor­no­se­ri­a­de5,8 ano­se­a­e­co­no­mi­a­a­nu­al,deR$ 2,5mil. Avi­daú­til­deum­sis­te­ma de ener­gia so­lar fo­to­vol­tai­ca é de25a­no­sem­mé­dia.///Naiana Os­car/AE

—FO­TO: DI­VUL­GA­ÇÃO

Ape­nas 409 sis­te­mas en­tra­ram em fun­ci­o­na­men­to desde 2012.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.