Cri­a­ti­vi­da­de na pri­mei­ra pes­soa do plu­ral

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Wi­la­me Pra­do wi­la­me@odi­a­rio.com

O coworking, lo­cal on­de se di­vi­de um mes­mo am­bi­en­te pa­ra tra­ba­lhar, tam­bém es­tá a ser­vi­ço da ar­te Apos­tan­do na ideia, a ar­tis­ta plás­ti­ca ma­rin­ga­en­se Andy Ferrari trans­for­mou o ate­liê de­la, na Zo­na 7

Na ho­ra de cri­ar, pa­ra mui­tos ar­tis­tas, es­cri­to­res e ato­res, o isolamento é uma opç ão. Mas não a úni­ca. O pro­ces­so cri­a­ti­vo po­de ser ex­pan­di­do com ex­pe­ri­ên­ci­as co­la­bo­ra­ti­vas. Pen­san­do nis­so, a ar­tis­ta plás­ti­ca Andy Ferrari, 27 anos, abriu as por­tas do ate­liê de­la, na zo­na 7 de Ma­rin­gá, e o trans­for­mou em um coworking ar­tís­ti­co, prá­ti­ca ca­da vez mais co­mum­nas­ca­pi­tais.

Quem vi­si­ta um coworking vol­ta­do a tra­ba­lhos ad­mi­nis­tra­ti­vos per­ce­be um cli­ma in­te­res­san­te, mo­der­no. Vá­ri­as pes­so­as, em um mes­mo am­bi­en­te, co­nec­ta­das em no­te­bo­oks e to­can­do os ne­gó­ci­os­de­las.Ge­ral­men­te,com­par­ti­lham da má­qui­na do ca­fé e da se­cre­tá­ria. A tro­ca de idei­as é flu­en­te. Is­so tam­bém ocor­re em um coworking vol­ta­do pa­ra as ar­tes - a di­fe­ren­ça é que, em vez de com­pu­ta­do­res, me­sas e ca­dei­ras, vê-se pin­céis, ca­va­le­tes, es­cul­tu­ra­se­es­pa­ço­sa­ber­tos­pa­ra­o­mo­vi­men­to, por exem­plo, de al­guém que en­saia a pró­xi­ma mon­ta­gem dete­a­tro.

Andy gos­tou do que viu em es­pa­ços co­le­ti­vos em Curitiba, São Pau­lo, In­gla­ter­ra e no Ca­na­dá. “Pos­so ci­tar o Ate­liê em Re­de, de São Pau­lo, e o As­tro­lá­bio Cen­tro de Cri­a­ti­vi­da­de, em Curitiba, mas emou­tros­paí­se­sé­co­mu­men­con­trar es­se for­ma­to em cen­tros de ar­te, co­mo o Mon­tre­al Arts Cen­ter, no Ca­na­dá, que ofe­re­ce ate­li­ês a bai­xo cus­to, ou o The Egg Fac­tory, na In­gla­ter­ra, que aca­bou de inau­gu­ra­rum­cowor­king­co­mes­tru­tu­ra pa­ra es­tam­pa­ria e cos­tu- ra”,des­ta­ca.

Di­an­te dis­so, não te­ve dú­vi­das (prin­ci­pal­men­te pen­san­do em um pú­bli­co que es­tá ape­nas dan­do as pri­mei­ras pin­ce­la­das na te­la em bran­co) que o coworking ar­tís­ti­co po­de tam­bém ser bem-vin­do a Ma­rin­gá, ci­da­de uni­ver­si­tá­ria que re­ce­be, anu­al­men­te, um nú­me­ro gran­de de jo­vens dis­pos­tos a en­ca­rar os do­tes ar­tís­ti­cos co­mo al­go a ser se­gui­do­pro­fis­si­o­nal­men­te.

“O coworking fun­ci­o­na mui­to bem co­mo al­ter­na­ti­va pa­ra es­se pas­so ini­ci­al. Os cus­tos não são al­tos, o cowor­ker tem mais li­ber­da­de de ho­rá­ri­os e aces­so a fer­ra­men­tas e equi­pa­men­tos aos quais, mui­tas ve­zes, não te­ria, co­mo por exem­plo o for­no pa­ra ce­râ­mi­ca ou uma pren­sa pa­ra gra­vu­ra”,des­ta­ca.

Pa­raAndy,es­pa­ços­co­la­bo­ra­ti­vos,afi­nal,éso­lu­ção­pa­raum­pro­ble­ma mais téc­ni­co en­vol­ven­do as ar­tes. Em su­ma, ho­je em dia já nãohá­mais­des­cul­pa­pa­ra­o­ar­tis­ta cri­ar. “Pa­ra a pro­du­ção e en­si­no­de­ar­te­sé­ne­ces­sá­ri­ou­mam­bi­en­te di­fe­ren­te, que con­si­ga aten-

—FO­TO: RI­CAR­DO LO­PES

ES­TÍ­MU­LO. Andy Ferrari in­ves­te na pro­pos­ta con­fi­an­te de que os es­pa­ços co­le­ti­vos são boa op­ção pa­ra se cri­ar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.