Co­mer­ci­an­tes re­cla­mam

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ -

Tan­to quan­to aos pro­fes­so­res e es­tu­dan­tes da UEM, as as­sem­blei­as e reu­niões que po­dem de­fi­nir o fu­tu­ro da gre­ve nas uni­ver­si­da­des es­ta­du­ais in­te­res­sam aos co­mer­ci­an­tes da Zo­na 7, em es­pe­ci­al aos es­ta­be­le­ci­dos na Ave­ni­da Lauro Edu­ar­do Wer­neck, Rua Pa­ra­na­guá e Ave­ni­da Mário Cla­pi­er Urbinatti, pró­xi­mas ao cam­pus. Sem au­las, as vendas, que de­ve­ri­am cres­cer com a che­ga­da dos es­tu­dan­tes, con­ti­nu­am no mes­mo pa­ta­mar que se en­con­tra­vam no pe­río­do de fé­ri­as. “De­pois do fe­cha­men­to do Res­tau­ran­te Uni­ver­si­tá­rio boa par­te de nos­sa cli­en­te­la pas­sou a ser de es­tu­dan­tes da UEM, mas nes­te ano ain­da não pu­de­mos con­tar com eles”, dis­se a cai­xa de um res­tau­ran­te na re­gião. “Cer­ta­men­te, eles pre­fe­ri­ram fi­car nas ci­da­des de­les, na ca­sa dos pais, pa­ra evi­tar des­pe­sas até que as au­las co­me­cem”. O co­mer­ci­an­te Maurílio Fer­rei­ra, que há 23 anos di­ri­ge a Lan­cho­ne­te Uni­ver­si­tá­ria, em fren­te ao cam­pus, dis­se que uma gre­ve co­mo es­sa afe­ta de­mais o co­mér­cio da Zo­na 7. “Em de­zem­bro, quan­do aca­bam as au­las, os co­mer­ci­an­tes se pre­pa­ram pa­ra pas­sar qua­se dois me­ses com vendas qua­se ze­ra­das, é um pe­río­do di­fí­cil por­que as des­pe­sas com alu­guel, im­pos­tos e fun­ci­o­ná­ri­os con­ti­nu­am nor­mais. Mas, des­sa vez, quan­do nos pre­pa­rá­va­mos pa­ra vol­tar à nor­ma­li­da­de, co­me­ça es­ta gre­ve que não sa­be­mos quan­do vai ter­mi­nar”. Ele e o fun­ci­o­ná­rio, que a es­ta al­tu­ra de­ve­ri­am tra­ba­lhar em rit­mo ace­le­ra­do, ago­ra pas­sam os di­as sen­ta­dos do la­do de fo­ra. “Fi­ca­mos aqui por­que não po­de­mos dei­xar o es­ta­be­le­ci­men­to fe­cha­do, mas mo­vi­men­to mes­mo não te­mos”, dis­se Dê­nis Ce­re­ja dos San­tos, do­no de uma lan hou­se que ofe­re­ce in­ter­net e fo­to­có­pi­as. Em uma quin­ta­da da Lauro Wer­neck, Je­an Car­los Me­dei­ros la­men­ta a di­fi­cul­da­de pa­ra man­ter o es­ta­be­le­ci­men­to aber­to por­que tra­ba­lha com pro­du­tos pe­re­cí­veis. “Boa par­te do que te­mos aqui são frutas e ver­du­ras que es­tra­gam em pou­co tem­po. Se não ven­de­mos, a ten­dên­cia é es­tra­gar”. Pro­pri­e­tá­ri­os de pa­da­ri­as, lan­cho­ne­tes, car­ri­nhos de lan­che, es­pe­ti­nhos, sor­ve­te­ri­as, lo­ca­do­ras de DVDs e dos ba­res di­zem que a si­tu­a­ção es­tá di­fí­cil. “Nos­so es­ta­be­le­ci­men­to exis­te ba­si­ca­men­te pa­ra aten­der à uni­ver­si­da­de e sem au­las não te­mos cli­en­tes”, dis­se Ed­mil­son Car­do­so, pro­pri­e­tá­rio da Ca­fe­te­ria Mais Ca­fé. Ele e a mu­lher Ro­sân­ge­la ser­vem tam­bém al­mo­ço, mas ul­ti­ma­men­te fes­te­jam quan­do con­se­guem ven­der um ca­fe­zi­nho ou um re­fri­ge­ran­te./// Luiz Car­va­lho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.