Sob ame­a­ça, Pla­nal­to re­vê es­tra­té­gia

O Diario do Norte do Parana - - ECONOMIA GERAL - Tâ­nia Mon­tei­ro Agên­cia Es­ta­do

De­pois de pre­si­den­te do Con­gres­so anun­ci­ar que de­vol­ve­ria MP, go­ver­no mu­da for­ma de tra­mi­ta­ção

Re­du­ção da de­so­ne­ra­ção da folha se­rá vo­ta­da co­mo pro­je­to de lei, sob re­gi­me de ur­gên­cia cons­ti­tu­ci­o­nal

Pou­co mais de uma ho­ra de­pois de o pre­si­den­te do Con­gres­so, se­na­dor Re­nan Ca­lhei­ros (PMDB-AL), ter anun­ci­a­do em ple­ná­rio que de­vol­ve­ria ao Pa­lá­cio do Pla­nal­to a Me­di­da Pro­vi­só­ria 669, que re­duz as de­so­ne­ra­ções, por con­si­de­rá-la in­cons­ti­tu­ci­o­nal, a pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff re­a­giu e mu­dou a for­ma de tra­mi­ta­ção do tex­to no par­la­men­to. Ela as­si­nou, en­tão, pro­je­to de lei e en­ca­mi­nha­rá o tex­to ao Con­gres­so, com ur­gên­cia cons­ti­tu­ci­o­nal. Es­sa al­ter­na­ti­va re­to­ma os ter­mos da MP 669/2015, que al­te­ra­va as alí­quo­tas de de­so­ne­ra- ções das fo­lhas de pa­ga­men­to.

Em no­ta, o Pla­nal­to afir­ma que “a subs­ti­tui­ção da MP pe­lo pro­je­to de lei não pro­vo­ca­rá prejuízo pa­ra o ajus­te fis­cal pre­ten­di­do pe­lo go­ver­no fe­de­ral”. Só que is­so não cor­res­pon­de à re­a­li­da­de, por­que a Me­di­da Pro­vi­só­ria en­tra em vi­gor no mo­men­to da edi­ção e, as­sim, as no­vas re­gras de de­so­ne­ra­ção es­ta­ri­am em vi­gor den­tro de 90 di­as, co­mo di­zia o tex­to. Ago­ra, o pra­zo de 90 di­as de va­li­da­de das no­vas re­gras só se­rá con­ta­do, após o pra­zo de apro­va­ção do tex­to no Con­gres­so e san­ção pe­la Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca. A no­ta do Pla­nal­to ar­gu­men­ta que “o pro­je­to de lei pre­vê a mu­dan­ça nas alí­quo­tas das de­so­ne­ra­ções den­tro de 90 di­as, a cha­ma­da no­ven­te­na, o mes­mo pra­zo pre­vis­to na MP 669/15” pa­ra jus­ti­fi­car que não ha­ve­rá­pre­juí­zo­a­o­a­jus­te.

As­sim que sou­be da de­ci­são de Re­nan Ca­lhei­ros, a pre­si­den­te Dil­ma, ain­da no Pla­nal­to, man­dou que a As­ses­so­ria Ju- rí­di­ca da Ca­sa Ci­vil se reu­nis­se e ve­ri­fi­cas­se o que po­de­ria ser fei­to pa­ra que a ati­tu­de po­lí­ti­ca não atra­pa­lhas­se o ajus­te fis­cal. A op­ção foi en­ca­mi­nhar de ime­di­a­to o tex­to, por meio de pro­je­to de lei com ur­gên­cia, que po­de tran­car a pau­ta, obri­gan­do os par­la­men­ta­res a votar o tex­to, pa­ra ten­tar atra­sar o mí­ni­mo pos­sí­vel a en­tra­da em vi­gor do au­men­to da alí­quo­ta de im­pos­tos de vá­ri­os se­to­res. Com is­so, a sus­pen­são da de­so­ne­ra­ção po­de­rá co­me­çar a va­ler so­men­te em seis me­ses.

A de­ci­são de Re­nan foi re­ce­bi­do com sur­pre­sa no Pa­lá­cio do Pla­nal­to. A re­be­lião acon­te­ce um dia de­pois de Re­nan ter anun­ci­a­do que não iria a um jan­tar a con­vi­te de Dil­ma, no Pa­lá­cio da Al­vo­ra­da, pa­ra a cú­pu­la do PMDB. No Pla­nal­to, o en­ten­di­men­to é de que um dos mo­ti­vos da revolta de Re­nan Ca­lhei­ros é o fa­to de um dos apa­dri­nha­dos de­le, Sér­gio Machado, até en­tão pre­si­den­te da Trans­pe­tro, sub­si­diá­ria da Petrobras, e acu­sa­do pe­lo ex-di­re­tor da em­pre­sa, Pau­lo Roberto Cos­ta, de que re­ce­beu em di­nhei­ro R$ 500 mil, se­rá mes­mo afas­ta­do do car­go, as­sim co­mo ha­ve­rá uma de­vas­sa na em­pre­sa.

On­tem tam­bém foi anun­ci­a­do que o no­me de Re­nan Ca­lhei­ros es­ta­ria in­cluí­do na lis­ta de Rodrigo Ja­not, de po­lí­ti­cos en­vol­vi­dos na ope­ra­ção La­va Ja­to (Leia mais na pá­gi­na A6). Pa­ra­le­la­men­te, o go­ver­no con­ti­nua ten­tan­do aproximação com o Con­gres­so e a pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff mar­cou pa­ra ho­je, às 10 ho­ras, no Pla­nal­to, reu­nião com lí­de­res dos par­ti­dos da ba­se ali­a­da no Se­na­do e às 11h30, com os li­de­res da Câ­ma­ra. O mi­nis­tro da Se­cre­ta­ria de Re­la­ções Ins­ti­tu­ci­o­nais, Pe­pe Var­gas, foi ao Con­gres­so con­ver­sar com as li­de­ran­ças.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.