O bo­de, Ma­qui­a­vel e a gre­ve

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

Um con­fli­to de al­ta in­ten­si­da­de, co­mo o que ocor­re ho­je na edu­ca­ção pú­bli­ca es­ta­du­al, opon­do edu­ca­do­res e o go­ver­no, sem­pre sus­ci­ta in­ter­pre­ta­ções so­bre o sen­ti­do da es­tra­té­gia dos agen­tes po­lí­ti­cos en­vol­vi­dos. Nas as­sem­blei­as da gre­ve da UEM, por exem­plo, é mui­to re­cor­ren­te o uso da me­tá­fo­ra do bo­de pa­ra ex­pli­car a es­tra­té­gia do go­ver­na­dor. Ele ela­bo­rou um pa­co­te bas­tan­te am­plo de me­di­das, mas mui­tas de­las se­ri­am usa­das (co­mo o bo­de fe­do­ren­to na sa­la) pa­ra tor­nar a si­tu­a­ção mais des­con­for­tá­vel. No cur­so das ne­go­ci­a­ções, ele re­ti­ra­ria al­gu­mas me­di­das e dei­xa­ria o ob­je­ti­vo prin­ci­pal, que po­de­ria pa­re­cer mais su­por­tá­vel. Não se sa­be se o cál­cu­lo do go­ver­na­dor era es­se, mas a in­ter­pre­ta­ção é bas­tan­te plau­sí­vel. Tu­do in­di­ca que o ful­cro do pa­co­te é al­te­rar as re­gras do fun­do de pre­vi­dên­cia dos ser­vi­do­res, com o ob­je­ti­vo de aces­sá­lo co­mo so­cor­ro de cai­xa pa­ra a atu­al ges­tão. Não te­nho ou­vi­do co­men­tá­ri­os so­bre ou­tra ima­gem mui­to fa­mo­sa, mas me ocor­reu que, na ges­ta­ção des­ta po­lí­ti­ca, al­gum es­tra­te­gis­ta do go­ver­no po­de ter si­do ins­pi­ra­do pe­lo mau uso de uma das li­ções do li­vro “O prín­ci­pe”, de Ma­qui­a­vel. No ca­so, não é pre­ci­so ter li­do a fa­mo­sa obra pa­ra ter ou­vi­do fa­lar des­se prin­cí­pio. Os clás­si­cos, co­mo en­si­na Íta­lo Cal­vi­no, es­tão en­tro­ni­za­dos na me­mó­ria social, exer­cen­do in­fluên­cia di­re­ta ou in­di­re­ta. De res­to, vi­ve­mos a épo­ca dos al­ma­na­ques ele­trô­ni­cos, dis­po­ní­veis na in­ter­net, que ofe­re­cem aces­so a fra­ses fa­mo­sas. É sem­pre pos­sí­vel usá­las, de acor­do com a con­ve­ni­ên­cia, fo­ra de con­tex­to e de for­ma er­ra­da. Qual é a li­ção, afi­nal? É a que en­cer­ra o oi­ta­vo ca­pí­tu­lo de O prín­ci­pe: “o mal, por­tan­to, de­ve­se fa­zê-lo de um jac­to, de mo­do que a fu­ga­ci­da­de do seu acre sa­bor fa­ça fu­gaz a dor que ele traz. O bem, ao con­trá­rio, de­ve-se con­ce­dê-lo pou­co a pou­co, pa­ra que se­ja mais bem apre­ci­a­do seu gos­to”. Não di­ria que al­guém re­ti­rou o li­vro do bol­so, pes­cou a ci­ta­ção e jus­ti­fi­cou o ra­ci­o­cí­nio, co­lo­can­do no­ta bi­bli­o­grá­fi­ca. Ocor­re que agen­tes po­lí­ti­cos com um mí­ni­mo de in­for­ma­ção já ou­vi­ram fa­lar des­sa li­ção. Al­gu­mas cir­cuns­tân­ci­as con­vi­da­ri­am a aproximação en­tre a Li­te­ra­tu­ra e os fa­tos po­lí­ti­cos. Tra­ta­se do iní­cio de man­da­to. O go­ver­no era ins­ta­do a ado­tar, se­gun­do seus cri­té­ri­os e re­cei­tuá­ri­os, me­di­das drás­ti­cas pa­ra com­ba­ter a cri­se. Se­ria mais pro­du­ti­vo fa­zer tu­do de uma só vez, em vez de par­ce­lar as me­di­das ao lon­go dos tem­pos. Ha­ve­ria, su­pos­ta­men­te, tem­po pa­ra con­tor­nar des­con­ten­ta­men­tos ge­ra­dos. Em­bo­ra se­ja pos­sí­vel fa­zer uso livre e cri­a­ti­vo do que ele es­cre­veu, Ma­qui­a­vel, no oi­ta­vo ca­pí­tu­lo, abor­da o pro­ces­so de as­cen­são do prín­ci­pe e da conquista de no­vos ter­ri­tó­ri­os. Di­fe­ren­te é a si­tu­a­ção ocor­ri­da no Pa­ra­ná. Vi­ve-se o iní­cio do se­gun­do man­da­to do mes­mo go­ver­no e a cri­se, cu­ja di­men­são tor­nou-se ex­plí­ci­ta só ago­ra, foi in­cu­ba­da e ca­mu­fla­da no pe­río­do an­te­ri­or. Ain­da que o go­ver­na­dor pos­sa se es­for­çar pa­ra atri­buir a cul­pa a ou­tros, ele é lar­ga­men­te res­pon­sá­vel pe­la cri­se. Em ou­tra cé­le­bre pas­sa­gem de O prín­ci­pe, Ma­qui­a­vel in­da­ga se é me­lhor o prín­ci­pe ser ama­do ou te­mi­do. A jul­gar pe­la mo­bi­li­za­ção social exis­ten­te ho­je no Es­ta­do e pe­lo bai­xís­si­mo ín­di­ce de apro­va­ção que o go­ver­na­dor os­ten­ta em re­cen­te pes­qui­sa de opi­nião, ne­nhu­ma das si­tu­a­ções ocor­re no Pa­ra­ná. Que a pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff, que tam­bém pre­pa­ra um pa­co­te pa­ra ad­mi­nis­trar a cri­se que her­dou de si pró­pria, fi­que aten­ta a es­ses fa­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.