Olho aten­to no que é do vi­zi­nho

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - Le­o­nar­do Fi­lho le­o­nar­do­fi­lho@odi­a­rio.com

Mo­ra­do­res se unem nos bair­ros e cri­am gru­pos co­mo os Ami­gos So­li­dá­ri­os pa­ra aler­tar so­bre possíveis cri­mes

Po­lí­cia apro­va ini­ci­a­ti­va, mas aler­ta pa­ra que po­pu­la­res se­jam ori­en­ta­dos e trei­na­dos pa­ra agir de for­ma cor­re­ta

A ca­da 8 ho­ras uma ca­sa é al­vo de ar­rom­ba­men­to em Ma­rin­gá. O nú­me­ro, de acor­do com a pró­pria Po­lí­cia Mi­li­tar (PM), es­tá den­tro­deín­di­ce­sa­cei­tá­vei­se­es­tá em que­da. No com­pa­ra­ti­vo do ano pas­sa­do com 2011, por exem­plo, a re­du­ção foi de 13%. Es­tra­té­gi­as de se­gu­ran­ça pú­bli­ca, ações di­re­ci­o­na­das es­tão en­tre as cau­sas des­sa re­du­ção. Ou­tra ação que é apon­ta­da co­mo uma cau­sa sig­ni­fi­ca­ti­va pa­ra es­sa re­du­ção é a ex­pan­são de pro­je­tos cha­ma­dos de Vi­zi­nho ou Ami­go So­li­dá­rio. A me­di­da con­sis­te em cri­ar um elo en­tre os mo­ra­do­res que, ao de­tec­ta­rem qual­quer mo­vi­men­ta­ção sus­pei­ta no bair­ro, se co­mu­ni­cam en­tre si. As fer­ra­men­tas vão desde o te­le­fo­ne a apli­ca­ti­vos de ba­te pa­po - co­mo o WhatsApp - ou até mes­mo um sim­ple­sa­pi­to.

Em 2013, o pro­je­to vi­rou lei e re­ce­beu o no­me de Ami­go So­li­dá­rio. Desde a san­ção, o pro­je­to do ve­re­a­dor Ed­son Luiz (PMN) – ofi­ci­al apo­sen­ta­do da PM – é apli­ca­do em apro­xi­ma­da­men­te 15 bair­ros de Ma­rin­gá. Um dos pas­sos des­se pro­je­to é uma reu­nião en­tre o ve­re­a­dor e re­pre­sen­tan­tes dos co­man­dos da Guar­da Mu­ni­ci­pal, PM, Cor­po de Bom­bei­ro­sePo­lí­ci­aCi­vil.

Os mo­ra­do­res são ori­en­ta­dos de co­mo de­vem agir. Um dos bair­ro­sa­a­de­ri­ro­pro­je­to­foi­oJar­dim Al­vo­ra­da. Os ar­rom­ba­men­tos e rou­bos vi­nham pre­o­cu­pan­do mo­ra­do­res que re­sol­ve­ram se unir. “Es­ta­va bem pre­o­cu­pan­te e já ou­vi dos vi­zi­nhos de que es­tá bem me­lhor”, dis­se Vi­vi­a­ne Bettoni Mayer. Gabriel, fi­lho de Vi­vi­a­ne, é o sen­ti­ne­la da ca­sa. “Se pre­ci­sar,eu­a­pi­to”,dizGa­bri­el.

Apro­xi­ma­da­men­te 80 ca­sas fa­zem par­te do Ami­go So­li­dá­rio no bair­ro. Por R$ 18, os mo­ra­do­res ad­qui­rem um kit que con­tém uma pla­ca, um api­to e um imã com es­pa­ço pa­ra o te­le­fo­ne de pe­lo me­nos qua­tro vi­zi­nhos. “Já re­ce­bi a li­ga­ção de uma vi­zi­nha pa­ra abrir a ca­sa pa­ra mos­trar que es­tá­va­mos aqui, pois ti­nham al­guns ga­ro­tos sus­pei­tos nas re­don­de­zas”,co­men­tou.

No Jar­dim Su­ma­ré, zo­na norte, se­gun­do o mo­to­ris­ta Ade­mir Sou­za, a me­di­da foi po­si­ti­va. “Es­ta­mos mais unidos e se­gu­ros. A coi­sa es­ta­va bem com­pli­ca­da aqui. Sa­be­mos que is­so não é o su­fi­ci­en­te, mas aju­da”, com­ple­tou. No Jar­dim Di­as, tam­bém na re­gião norte, os mo­ra­do­res se unem pe­lo WhatsApp e cri­a­ram gru­pos­de­a­ler­tas.

Ava­li­a­ção

Pa­ra o co­man­dan­te do 4º Batalhão de Po­lí­cia Mi­li­tar (BPM), tenente coronel Antonio Roberto dos An­jos Pa­di­lha, o pro­je­to é bom. “Mas é pre­ci­so o acom­pa­nha­men­to do po­der pú­bli­co. Ape­nas co­lo­car uma pla­ca na ca­sa não fun­ci­o­na. Os mo­ra­do­res de­vem ser ori­en­ta­dos cor­re­ta­men­te. É uma be­la união en­tre os­mo­ra­do­re­se­a­poi­a­mos”,diz.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.