Jus­ti­ça de­ter­mi­na vol­ta às au­las

O Diario do Norte do Parana - - PARANÁ - Eder­son Hi­sing eder­son@odi­a­rio.com

Tri­bu­nal es­ti­pu­lou R$ 20 mil de mul­ta por dia de des­cum­pri­men­to da tu­te­la an­te­ci­pa­da Em as­sem­bleia com 20 mil pes­so­as, pro­fes­so­res de­ci­di­ram con­ti­nu­ar de bra­ços cru­za­dos

No mes­mo dia em que cer­ca de 20 mil pro­fes­so­res e ser­vi­do­res da edu­ca­ção no Pa­ra­ná de­ci­di­ram pe­la con­ti­nui­da­de da gre­ve, em as­sem­bleia re­a­li­za­da no Es­tá­dio Du­ri­val de Britto e Silva, em Curitiba, o Tri­bu­nal de Jus­ti­ça do Es­ta­do do Pa­ra­ná (TJ-PR) de­ter­mi­nou a vol­ta dos pro­fis­si­o­nais às sa­las de au­la, no fi­nal da tar­de de on­tem, sob ris­co de mul­ta diá­ria de R$ 20 mil em ca­so­de­des­cum­pri­men­to.

O TJ-PR con­ce­deu tu­te­la an­te­ci­pa­da ao go­ver­no es­ta­du­al, em ação que pe­dia o fim da gre­ve dos pro­fis­si­o­nais da edu­ca­ção. Pe­la de­ci­são, a APP Sin­di­ca­to tem 24h pa­ra in­for­mar os fi­li­a­dos - se não cum­prir, os di­ri­gen­tes sin­di­cais po­de­rão ser res­pon­sa­bi­li­za­dos pes­so­al­men­te.

A de­ter­mi­na­ção ju­di­ci­al im­pe­de que os gre­vis­tas blo­quei­em aces­sos às de­pen­dên­ci­as de qual­quer ór­gão pú­bli­co ou que não per­mi­tam que os ser­vi­do­res vol­tem ao tra­ba­lho. Tam­bém foi au­to­ri­za­do o uso de for­ça po­li­ci- al, ca­so ne­ces­sá­rio.

Até às 18h10 de on­tem, o sin­di­ca­to ain­da não ha­via si­do no­ti­fi­ca­do ofi­ci­al­men­te da de­ci­são. Se­gun­do o se­cre­tá­rio de Comunicação da APP Sin­di­ca­to, Luiz Fer­nan­do Ro­dri­gues, os di­ri­gen­tes sou­be­ram do des­pa­cho no fi­nal da tar­de pe­la im­pren­sa. “De qual­quer for­ma, mes­mo sem a no­ti­fi­ca­ção va­mos re­cor­rer da de­ci­são por­que es­ta­mos am­pa­ra­dos em uma as­sem­bleia de 20 mil pro­fis­si­o­nais e no di­rei­to cons­ti­tu­ci­o­nal de fa­zer a gre­ve”, ava­lia.

Na de­ci­são, o de­sem­bar­ga­dor do TJ-PR , Luiz Mateus de Li­ma, re­co­nhe­ce o di­rei­to de gre­ve, mas afir­ma que pe­las ca­rac­te­rís­ti­cas dos ser­vi­ços pres­ta­dos pe­los pro­fis­si­o­nais de­ve pre­va­le­cer o in­te­res­se co­le­ti­vo so­bre os in­di­vi­du­ais. “Ain­da que o in­te­res­se da ca­te­go­ria sin­di­cal en­vol­vi­da se­ja le­gí­ti­mo e pau­ta­do na le­ga­li­da­de de­ve pre­va­le­cer o di­rei­to es­sen­ci­al/fun­da­men­tal à edu­ca­ção”,di­zo­des­pa­cho.

O de­sem­bar­ga­dor con­si­de­rou que hou­ve avan­ços nas ne­go­ci­a­ções en­tre go­ver­no e gre­vis­tas. Pa­ra ele, en­tre as pre­o­cu­pa­ções com a con­ti­nui­da­de da gre­ve es­tão o ca­len­dá­rio es­co­lar e a re­po­si­ção de au­las. “É ine­gá­vel o prejuízo quan­to aos con­teú­dos dis­ci­pli­na­dos, uma vez que não se­rão mi­nis­tra­dos com a mes­ma qua­li­da­de do que se fos­sem no pe­río­do­re­gu­la­men­tar.”

A Jus­ti­ça de­ter­mi­nou ain­da que so­men­te após o cum­pri­men­to da de­ci­são se­rá de­sig­na­da da­ta pa­ra au­di­ên­cia de con­ci­li­a­ção. O sin­di­ca­to ha­via en­tra­do com pe­di­do pa­ra a Jus­ti­ça in­ter­me­di­ar as ne­go­ci­a­ções. “O go­ver­no ile­gal­men­te dei­xa de pa­gar be­ne­fí­ci­os e re­cor­re à Jus­ti­ça pa­ra aca­bar com o mo­vi­men­to pe­lo qual a po­pu­la­ção não se vê pre­ju­di­ca­da. É la­men­tá­vel”, afir­ma o dirigente da APP Sin­di­ca­to.

Os edu­ca­do­res ale­gam que os pon­tos di­ver­gen­tes não fo­ram re­sol­vi­dos, co­mo o pa­ga­men­to de 1/3 de fé­ri­as. O go­ver­no diz ter pro­gra­ma­do o pa­ga­men­to até dia 31 des­te mês, mas o sin­di­ca­to exi­ge pa­ga­men­to ime­di­a­to. Há ain­da a exi­gên­cia, por par­te dos gre­vis­tas, da no­me­a­ção ime­di­a­ta de 1.460 pro­fis­si­o­nais da edu­ca­ção, en­quan­to o go­ver­no pro­põe que a con­tra­ta­ção ocor­ra en­tre maio e ju­nho. Após a as­sem­bleia dos pro­fes­so­res, o go­ver­no di­vul­gou uma no­ta afir­man­do que ha­via aten­di­do to­da a pau­ta de rei­vin­di­ca­ções da APP. O go­ver­no tam­bém in­for­mou que 30 co­lé­gi­os es­ta­du­ais de 19 ci­da­des ti­ve­ram au­la on­tem - ne­nhum na re­gião de Ma­rin­gá.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.