Po­e­sia sim, den­tro e fo­ra

SE­RÁ QUE É PO­E­SIA?

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Wi­la­me Pra­do wi­la­me@odi­a­rio.com

Ad­vo­ga­do e jor­na­lis­ta, Laér­cio Sou­to Mai­or, lan­ça, em Ma­rin­gá, o li­vro “Se­rá Que É Po­e­sia?” Obra, que tam­bém se des­ta­ca pe­lo ca­pri­cho editorial, éa pri­mei­ra in­ves­ti­da do au­tor no es­ti­lo li­te­rá­rio

“Se­rá Que É Po­e­sia?” (Edi­to­ra Ban­qui­nho, 100 pá­gi­nas, R$ 50), do­ad­vo­ga­do,jor­na­lis­ta­e­es­cri­tor per­nam­bu­ca­no,ra­di­ca­do­emCu­ri­ti­ba, Laér­cio Sou­to Mai­or, 76 anos, é um li­vro pa­ra se apre­ci­ar co­mo um to­do. Além do con­teú­do - po­e­mas es­cri­tos en­tre 1962 e 2014 -, o apu­ro editorial re­sul­tou em uma pu­bli­ca­ção que va­le tam­bém­pe­lo­que­es­tá­do“la­do­de fo­ra”, a co­me­çar pe­la ca­pa, du­ra re­ves­ti­da em te­ci­do, en­ca­der­na­da­ar­te­sa­nal­men­te­e­com­se­ri­gra­fia as­si­na­da por Jú­li­an Imayu­ki Du­ar­te.

So­bre o pro­ces­so co­mo um to­do da obra, a re­por­ta­gem con­ver­sou,on­tem,co­mo­au­to­re­tam­bém com o fi­lho de­le, Téo Sou­to Mai­or,di­re­tor­de­re­da­ção­daBan­qui­nho Pu­bli­ca­ções. Os dois che­ga­ram há al­guns di­as na ci­da­de pa­ra o lan­ça­men­to de “Se­rá Que É Po­e­sia?”, mar­ca­do pa­ra ho­je, às 20ho­ras,noSesc.

O li­vro, com ti­ra­gem de 200 exem­pla­res nu­me­ra­dos, foi lan­ça­do, pri­mei­ra­men­te, em Curitiba, no ano pas­sa­do. Na noi­te de au­tó­gra­fos­des­ta­noi­te,emMa­rin­gá, o vi­o­lo­nis­ta clás­si­co Antô­nio Men­des­fa­zum­poc­ketshow.Aen­tra­da é fran­ca e o lu­cro re­sul­tan­te­das­ven­das­dos­li­vros­se­rá­re­ver­ti­do pa­ra o fun­do da As­so­ci­a­ção dos Ami­gos do Arquivo Ma­no­el Ja­cin­toCor­reia.

“Eu nun­ca ti­nha vis­to um li­vro as­sim”, des­ta­ca Sou­to Mai­or, de­mons­tran­do ter apro­va­do a edi­ção fei­ta no pri­mei­ro li­vro de po­e­sia de­le. Au­tor de obras da área de po­lí­ti­ca, His­tó­ria e So­ci­o­lo­gia, ele re­sol­veu ti­rar do baú, pe­la pri­mei­ra vez, os ver­sos guar­da­dos,por­cin­co­dé­ca­das,em­ca­der­ne­tas, guar­da­na­pos e ras­cu­nhos. “Eu de­ve­ria ter si­do ar­qui­vis­ta. Gu­ar­do­mui­ta­coi­sa”,res­sal­ta.

Mais do que pe­da­ços de pa­pel es­cri­tos, Sou­to Mai­or guar­da as lem­bran­ças­de­to­dau­ma­vi­da­cer­ca­da pe­la lu­ta na mi­li­tân­cia po­lí­ti­ca con­tra o re­gi­me mi­li­tar e tam­bém os anos em que, an­tes de ini­ci­ar­car­rei­ra­ju­rí­di­ca,foi­jor­na­lis­ta, in­clu­si­ve, aqui no O Diá­rio do Norte do Pa­ra­ná, quan­do, nos anos 1970, che­fi­ou a re­da­ção du­ran­te­oi­to­me­ses.

Na en­tre­vis­ta, ele con­tou his­tó­ri­as de bas­ti­do­res ins­ti­gan­tes en­vol­ven­do a prá­ti­ca de um jor­na­lis­mo que pre­za­va, so­bre­tu­do, pe­la li­ber­da­de dos bra­si­lei­ros, em ple­na di­ta­du­ra. “Na épo­ca, fui de­mi­ti­do três ve­zes a pe­di­do de go­ver­na­do­res de Es­ta­do”, re­ve­la. Mo­men­tos mar­can­tes e tra­du­zi­dos­tam­bé­mem­po­e­sia.

Se­gun­do o po­e­ta Ale­xei Bu­e­no, que as­si­na uma das apre­sen­ta­ções da obra, há, pe­lo me­nos três, li­nhas poé­ti­cas em “Se­rá Que É Po­e­sia?”. Uma, é a po­lí­ti­ca, mas Sou­to Mai­or tam­bém se aven­tu­ra na ver­ten­te fi­lo­só­fi­ca e ain­da na fi­gu­ra fe­mi­ni­na, se­gun­do Bu­e­no. “A Li­te­ra­tu­ra é al­go mai­or e é tão im­por­tan­te pa­ra mim co­mo to­da a mi­nha lu­ta po­lí­ti­ca”, de­fi­ne o es­cri­tor, que dei­xou pa­ra trans­for­mar em po­e­sia ape­nas os mo­men­tos mais mar­can­tes­da­vi­da­de­le.

Pa­ra Ade­mir De­mar­chi, es­cri­tor e cro­nis­ta de O Diá­rio, Sou­to Mai­or­tra­zu­ma­no­vi­da­de­a­o­re­ve­lar as po­e­si­as, tal qual o me­ni­no da ca­pa do li­vro, que pa­re­ce vo­ar en­quan­to dei­xa a ma­le­ta se abrir pa­ra inú­me­ros pa­péis se per­de­rem no ar. “... só não é uma no­vi­da­de to­tal na bi­o­gra­fia de­le, por­que nos po­e­mas en­con­tra­mos im­preg­na­do o mes­mo sen­ti­men­to hu­ma­nis­ta de lu­ta e de in­dig­na­ção com a mi­sé­ria e a ex­plo­ra­ção”,opi­na.

A po­e­ta e pro­fes­so­ra Nor­ma Shi­ra­ku­ra apon­ta a po­e­sia de Sou­to Mai­or co­mo “crô­ni­cas em ver­sos”. “Quan­to à for­ma, são apre­sen­ta­das al­gu­mas re­gu­la­ri­da­des que me pa­re­cem des­pon­tar ne­las o nas­ce­dou­ro de seu es­ti­lo pró­prio, com ten­dên­cia pa­ra cons­tru­ção de nar­ra­ti­vas em­po­e­ma­lon­go,ten­do­co­mo­ma­té­ria bá­si­ca a me­mó­ria. En­tre­la­ça­dos por es­se fio con­du­tor, o po­e­ta e o his­to­ri­a­dor não se se­pa­ram”,ava­lia.

En­vai­de­ci­do com as pa­la­vras do­sa­mi­gos,Sou­toMai­or,apo­sen­ta­do há dois anos da car­rei­ra ju­rí­di­ca no go­ver­no do Es­ta­do, ain­da ten­de ao ques­ti­o­na­men­to: “Se­rá que é po­e­sia?” Sen­do ou não, co­me­mo­ra o tem­po mai­or que ho­je tem pa­ra as le­tras. Al­guns dos úl­ti­mos po­e­mas fo­ram es­cri­tos na me­re­ci­da paz do des­can­so li­to­râ­neo, em Bal­neá­rio Cam­bo­riú e no Pon­tal­doPa­ra­ná.

E se, co­mo o pró­prio diz, tal­vez não ha­ja um se­gun­do li­vro de­po­e­sia,ou­tros­gê­ne­ros­li­te­rá­ri­os es­tão ga­ran­ti­dos: em pri­mei­ra mão, Sou­to Mai­or anun­cia que, no se­gun­do se­mes­tre, lan­ça “O Le­van­te Anar­quis­ta da Vi­la de Tran­co­so”, o pri­mei­ro ro­man­ce de­le, tam­bém pe­la Ban­qui­nho Pu­bli­ca­ções. Au­tor: Laér­cio Sou­to Mai­or Edi­to­ra: Ban­qui­nho Pu­bli­ca­ções Noi­te de au­tó­gra­fos Quan­do: Ho­je On­de: Sesc Ma­rin­gá, às 20h Pre­ço do li­vro: R$ 50

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.