O Car­na­val não aca­ba

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

Ve­ja se não é coi­sa de doi­do. No Bra­sil, o Car­na­val não aca­ba, nun­ca. O que di­zer des­se ter­cei­ro tur­no das elei­ções, ago­ra, tra­ves­ti­do no su­per-he­rói Im­pe­a­ch Man? Dil­ma acer­tou dez mi­lhões de re­ais, em emen­das, pa­ra ca­da de­pu­ta­do fe­de­ral, es­pe­ran­do que não cha­mem nem o Su­per­man. Os dez mi­lhões pa­ra ca­da um dos mais de 500 de­pu­ta­dos-fan­ta­sia se so­ma­rão aos R$ 200 mil men­sais que eles cus­tam, com di­rei­to a be­nes­ses pa­ra côn­ju­ges de­vi­da­men­te “em­pre­ga­dos” co­mo as­ses­so­res. Es­ses dez mi­lhões, co­mo se sa­be, em ge­ral vão pa­ra obras que não acon­te­cem e não são fis­ca­li­za­das nem por es­ses ex-ca­bi­dos, ago­ra ca­bi­des que são os tri­bu­nais fic­tí­ci­os de con­tas, sen­do os re­cur­sos des­vi­a­dos por em­prei­tei­ras que, no pa­pel de ati­ra­do­ras de bu­me­ran­gue, fa­zem vol­tar a ja­to pa­ra os bol­sos “de quem é de di­rei­to”. Há ex­ce­ções, mas es­se é o pro­ble­ma: o que de­via ser uma re­gra, não é. Es­se é o es­ta­do de sem­pre do País do Car­na­val: não há obra que não se­ja su­per­fa­tu­ra­da, que não te­nha em­prei­tei­ra se acer­tan­do com ou­tra, que não te­nha po­lí­ti­co en­vol­vi­do, do Oi­a­po­que ao Chuí. Por is­so, che­ga a so­ar idi­o­tia que­rer ti­rar Dil­ma pa­ra co­lo­car no lu­gar o afran­ce­sa­do vi­ce Mi­chel, che­fe­te do mai­or par­ti­do de ne­gó­ci­os do País, um en­ver­ni­za­do me­ti­do a po­e­ta me­dío­cre tal qual aque­le ou­tro que se diz apo­sen­ta­do, ago­ra, após cons­truir um império dou­ra­do em ci­ma da mi­sé­ria do Ma­ra­nhão, va­len­do-se por dé­ca­das de be­ne­fí­ci­os es­ta­tais. Nos pró­xi­mos di­as, te­re­mos des­fi­les dos blo­cos que se di­zem de es­quer­da e de di­rei­ta, sem bem sa­ber o que is­so sig­ni­fi­ca, re­ga­dos a mui­ta cer­ve­ja fei­ta de mi­lho trans­gê­ni­co, que é do que se faz cer­ve­ja no Bra­sil. Se­rá mais uma apo­te­o­se co­lo­ri­da, va­ri­an­do tons de ver­me­lho, ver­de e ama­re­lo. E, as­sim, va­mos as­sis­tin­do ao des­fi­le de di­nhei­ro, in­ter­ca­la­do com fan­ta­si­o­sas no­vi­da­des, co­mo os ‘neo’ mo­de­li­tos da pre­si­den­ta ema­gre­ci­da e seu car­dá­pio mi­ti­ga­do e mas­ti­ga­do. Ou os cul­tos evan­gé­li­cos no par­la­men­to lai­co, fei­tos por tro­glo­di­tas anal­fa­be­tos fun­ci­o­nais in­ca­pa­zes de en­ten­der o sen­ti­do de lai­ci­da­de, que se di­rá das leis. Eis que eles se­rão mais bem aco­mo­da­dos com o pro­je­to de um bi­lhão que o pre­si­den­te da Câ­ma­ra vai gas­tar na cons­tru­ção de um shop­ping com hotel, spa e imen­sos es­ta­ci­o­na­men­tos, ane­xo ao pré­dio da Câ­ma­ra (Bom Dia Bra­sil); tu­do co­or­de­na­do pe­lo se­cre­tá­rio da ca­sa, um ca­rim­ba­do es­cra­va­gis­ta, ex-pre­fei­to de San­tos, que não con­se­gue se ele­ger mais na ci­da­de, en­tão com­pra le- gen­da e cai lá de pa­ra­que­das ri­den­tes. Já po­de­mos an­te­ver que es­se enor­me spa se­rá inau­gu­ra­do pe­las tro­pas mi­li­ta­res­cas ju­ve­nis, os Gla­di­a­do­res do Al­tar, que a Igre­ja Si­de­ral do Rei­no de Eus es­tá trei­nan­do com ‘rou­pit­chas’ e ges­tos iguais aos dos ca­mi­sa ver­des da es­co­la de sam­ba anauê, que te­ve co­mo pre­si­den­tes de hon­ra Plí­nio Sal­ga­do e Mus­so­li­ni, po­rém, com uma re­no­va­da au­ra de es­pi­ri­tu­a­li­da­de avant­gar­de ne­o­pen­te­cos­tal cris­tã, bem ao sa­bor gour­met das no­vas mas­sas ávi­das por cre­du­li­da­de gra­ti­na­da. Os exér­ci­tos babys se­rão re­cep­ci­o­na­dos pe­lo de­pu­ta­do pre­si­den­te do Par­ti­do Mi­li­tar Brasileiro, cu­jo le­ma, com su­a­ve to­que de hu­mor, é “A so­lu­ção pa­ra en­di­rei­tar o nos­so País”. Es­se de­pu­ta­do, aliás, é um por­ta-es­tan­dar­te, pois vai de far­da cra­ve­ja­da de me­da­lhas às ses­sões, ten­do di­to ao Es­ta­dão que tem dez far­das pa­ra não re­pe­tir uma, po­rém, to­das iguais! E há lá o fan­tas­ma do que se trans­for­mou Sér­gio Reis, que vai de ter­no ama­re­lo pa­ra vo­ci­fe­rar con­tra o ou­ro ne­gro es­ta­tal, que, ago­ra, cai so­bre Re­nan, um eter­no em­por­ca­lha­do ten­tan­do fu­gir a ja­to do juiz ma­rin­ga­en­se da La­va Ja­to. Com tan­to pas­sis­ta as­sim há quem re­cla­me da Bei­ja-Flor ga­nhar o Car­na­val do Rio des­fi­lan­do di­ta­dor da Áfri­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.