O te­sou­ro

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

Oque mais faz fal­ta na sua vi­da? O que vo­cê mais gos­ta­ria de ter? Quais são as ce­nas exi­bi­das na sua men­te, na­que­les so­nhos que se so­nha de olhos aber­tos? É al­go que vo­cê já te­ve, ou al­go que gos­ta­ria de ter? O quê pre­en­che­ria o va­zio que ecoa em seu pei­to? Às ve­zes, tu­do que pre­ci­sa­mos pa­ra ob­ter­mos uma res­pos­ta é sa­ber fa­zer a per­gun­ta no mo­men­to cer­to, da for­ma cor­re­ta, com boa in­ten­ção. Em ou­tros mo­men­tos a res­pos­ta sim­ples­men­te não exis­te, pois a per­gun­ta é fe­cha­da em si pró­pria. Mes­mo as­sim, o ca­mi­nho mais cur­to pa­ra sa­ber­mos tu­do o que qu­e­re­mos sa­ber é ques­ti­o­nar. In­clu­si­ve, va­le a pe­na ques­ti­o­nar as dú­vi­das mais pro­fun­das, mais in­ten­sas, mais es­con­di­das. Só as­sim des­co­bri­re­mos de fa­to quem so­mos. Só as­sim con­se­gui­re­mos olhar pa­ra o es­pe­lho e ver al­go além de uma ima­gem de al­guém can­sa­do, ir­re­co­nhe­cí­vel, se­me­lhan­te, mas não idên- ti­co a quem jul­ga­mos ser. É can­sa­ti­vo vi­ver ten­do déjà vu de si pró­prio, ter a sen­sa­ção de já ter vi­vi­do um mo­men­to que a me­mó­ria não pos­sui. Pa­ra nos co­nhe­cer­mos e nos re­co­nhe­cer­mos de­ve­mos sa­ber res­pon­der, mas an­tes de qual­quer coi­sa de­ve­mos que­rer per­gun­tar a cor­re­ta per­gun­ta. Es­pe­rar a res­pos­ta che­gar sem fa­zer a per­gun­ta é ilu­são, e não que­rer fa­zer a per­gun­ta é co­var­dia. En­tre os en­si­na­men­tos an­ces­trais, um dos que mais me ad­mi­ra é aque­le que o co­ra­ção de uma pes­soa es­tá on­de es­tá seu te­sou­ro. Quais são nos­sos te­sou­ros? Quais são os te­sou­ros que gos­ta­ría­mos de ter? Lá, on­de es­tão nos­sos mais pro­fun­dos de­se­jos, cer­ta­men­te nos en­con­tra­re­mos: sin­ce­ros, in­gê­nu­os, cri­an­ças na chu­va pro­cu­ran­do por al­gum sem­blan­te co­nhe­ci­do. Acre­di­to que ape­nas uma mãe que já per­deu um fi­lho sa­be o que é de fa­to que­rer mui­to ter al­guém ao seu la­do e ter cer­te­za de que is­so nun­ca acon­te­ce­rá. Daí, ela te­rá que fa­zer a op­ção, es­co­lher en­tre dei­xar o co­ra­ção do la­do de lá ou tra­zê-lo pa­ra a re­a­li­da­de e acei­tar as con­sequên­ci­as de ter as mãos e o co­lo va­zi­os. De mo­do se­me­lhan­te, ca­da um de nós faz es­co­lhas diá­ri­as, co­lo­ca o co­ra­ção e a es­pe­ran­ça on­de quer, cons­trói cas­te­los e for­ta­le­zas com a in­ten­ção de guar­dar lá os mais pre­ci­o­sos te­sou­ros. Tal­vez, se­ría­mos pes­so­as mui­to di­fe­ren­tes se acei­tás­se­mos que nos­sas joias não po­dem ser guar­da­das em lo­cais, elas ficam nos mo­men­tos. Tu­do pas­sa e na­da ces­sa de pas­sar, mas o mo­men­to pre­ci­o­so du­ra pa­ra sem­pre. A vi­da po­de ser uma lu­ta vã na ten­ta­ti­va de cri­ar a mais per­fei­ta for­ta­le­za pa­ra, só no fim, per­ce­ber que o que há de mais pre­ci­o­so não ca­be no co­fre, não se ar­ran­ja no baú. Dar cer­to na vi­da é não que­rer guar­dar na­da no co­fre, mas trans­for­mar em pre­ci­o­si­da­de o mundo to­do ao seu re­dor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.