Seis ín­di­ces au­men­tam no pri­mei­ro bi­mes­tre de 2015

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM ZOOM - Le­o­nar­do Fi­lho le­o­nar­do­fi­lho@odi­a­rio.com

Nos dois pri­mei­ros me­ses des­te ano, an­te igual pe­río­do­de 2014, rou­bos no co­mér­cio su­bi­ram 72% Por ou­tro la­do, os ho­mi­cí­di­os apre­sen­ta­ram bai­xa de 45% e os as­sal­tos a re­si­dên­ci­as caí­ram 10%

No pri­mei­ro bi­mes­tre de 2015, seis ín­di­ces ana­li­sa­dos pe­lo Ma­pa do Cri­me de O Diá­rio re­gis­tra­ram cres­ci­men­to em re­la­ção ao mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do. Es­tão no to­po das al­tas os rou­bos ao co­mér­cio, que au­men­ta­ram 72%. Os ca­sos de fur­tos a re­si­dên­ci­as su­bi­ram 16%, se­gui­dos de fur­tos e rou­bos de veí­cu­los, com al­ta de 12%, mor­tes no trân­si­to, 10% a mais, ar­rom­ba­men­tos aveí­cu­los(6,4%)eos­fur­tos­no­co­mér­cio(4,5%).

No mes­mo com­pa­ra­ti­vo, três ín­di­ces re­du­zi­ram. Os ho­mi­cí­di­os se­guem o mes­mo rit­mo d e que­da, com re­cuo de 45% dos ca­sos. Os rou­bos a re­si­dên­cia di­mi­nuí­ram 10% e os rou­bos a pes­so­as ti­ve­ram que­da de 9,3%. Os da­dos são co­le­ta­dos nas po­lí­ci­as Ci­vi­leMi­li­tar.

De acor­do com a po­lí­cia, o tra­ba­lho se­gue fo­ca­do no mapeamento dos ín­di­ces cri­mi­nais por re­giões da ci­da­de. “No­ta­mos uma in­ci­dên­cia mai­or nos ca­sos de fur­tos e rou­bos no Jar­dim Al­vo­ra­da, que é o mai­or bair­ro de Ma­rin­gá. Ano pas­sa­do, a re­gião es­ta­va com ín­di­ces bai­xos, mas em 2015 vol­tou a su­bir, en­tão di­re­ci­o­na­mos par­te do nos­so tra­ba­lho pa­ra a área, pa­ra que os ín­di­ces vol­tem a cair no lo­cal”, des­ta­ca o co­man­dan­te 1ª Com­pa­nhia do 4º Batalhão de Po­lí­cia Mi­li­tar (BPM), ca­pi­tão Franck Ci­o­ne­dosSan­tos.

Es­ta ava­li­a­ção do ofi­ci­al foi cons­ta­ta­da pe­los mo­ra­do­res do bair­ro. Tan­to que a re­gião foi uma das úl­ti­mas a ade­rir ao Pro­je­to Ami­go So­li­dá­rio, que con­sis­te na união de vi­zi­nhos con­tra o cri­me. “Nos úl­ti­mos me­ses, sen­ti­mos uma cer­ta in­se­gu­ran­ça aqui. Co­lo­ca­mos até um re­for­ço na por­ta pa­ra não ter­mos pro­ble­mas. Quan­do fa­lei do pro­je­to, qua­se 80 fa­mí­li­as qui­se­ram par­ti­ci­par”, con­tou a mo­ra­do­ra V. M, que­jun­to­co­mu­ma­vi­zi­nha­mo­ti­va­ram a im­plan­ta­ção do pro­je­to no­bair­ro.

Ain­da se­gun­do o co­man­dan­te, to­das as se­ma­nas, os res­pon­sá­veis por to­dos os se­to­res do 4º BPM se reú­nem pa­ra de­fi­nir as es­tra­té­gi­as de com­ba­te à cri­mi­na­li­da­de em Ma­rin­gá. “Is­so fa­ci­li­ta na tro­ca de in­for­ma­ções. Um exem­plo é a pri­são fei­ta nes­ta se­ma­na de uma qua­dri­lha com vá­ri­os ado­les­cen­tes que pra­ti­ca­vam fur­tos a re­si­dên­ci­as. Eles atu­a­vam na re­gião norte da ci­da­de e já iden­ti­fi­ca­mos ao me­nos qua­tro ar­rom­ba­men­tos pra­ti­ca­dos por eles. Um dos me­no­res es­ta­va en­vol­vi­do, in­clu­si­ve, em um ho­mi­cí­dio”,com­ple­men­ta.

A pri­são do ban­do, que uti­li­za­va um veí­cu­lo GM Ônix pre­to, ocor­reu por con­ta de um mo­ni­to­ra­men­to fei­to pe­la PM. Os cri­mi­no­sos que vi­e­ram de Sa­ran­di fur­ta­ram re­si­dên­ci­as da re­gião norte da ci­da­de. “Eles vêm por Sa­ran­di e uti­li­zam o Con­tor­no Norte co­mo ro­ta de fu­ga”, afir­ma San­tos.

Me­ses

Os ín­di­ces apre­sen­ta­ram pi­co em ja­nei­ro des­te ano. Se­te ti­ve­ram al­ta em re­la­ção a fe­ve­rei­ro, de acor­do com o le­van­ta­men­to. Os ho­mi­cí­di­os e rou­bos a re­si­dên­cia fo­ram os dois ti­pos de cri­me que re­gis­tra­ram mai­or au­men­to de ca­sos. Es­ta al­ta já era “es­pe­ra­da” pe­la po­lí­cia. “Em ja­nei­ro, é co­mum que os ín­di­ces apre­sen­tem uma ele­va­ção por ser um pe­río­do de fé­ri­as; mui­tas pes­so­as cos­tu­mam re­la­xar na vi­gi­lân­cia em ca­sa, no tra­ba­lho e nas ru­as e es­se re­la­xa­men­to é per­ce­bi­do pe­los cri­mi­no­sos que apro­vei­tam o des­cui­do pa­ra agir”, diz o de­le­ga­do-ad­jun­to da 9ª Sub­di­vi­são Po­li­ci­al (SDP) de Ma­rin­gá,Le­an­droRo­queMu­nin.Ain­da se­gun­do o de­le­ga­do, uma das prin­ci­pais es­tra­té­gi­as da Po­lí­cia Ci­vil (PC) ado­ta­das ano pas­sa­do, é a di­vi­são do tra­ba­lho por equi­pes de in­ves­ti­ga­do­res. Os po­li­ci­ais atu­am na in­ves­ti­ga­ção de cri­me­ses­pe­cí­fi­cos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.