Chá de bol­do e es­tu­pi­dez

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

von­ta­de pró­pria e não voa até a bo­ca. Seu er­ro foi se ren­der à cul­tu­ra da idi­o­ti­ce. Foi que­rer fa­zer par­te do gru­po. Foi ig­no­rar as con­sequên­ci­as de uma es­co­lha que ti­nha tu­do pa­ra ter um fi­nal in­fe­liz. Ou­vi em um no­ti­ciá­rio al­guém, ner­vo­so, cri­ti­car a fal­ta de es­tru­tu­ra da fes­ta. Um mé­di­co ar­gu­men­tou que, se Humberto ti­ves­se re­ce­bi­do aten­di­men­to mais ra­pi­da­men­te, tal­vez pu­des­se ter si­do sal­vo. Co­mo as­sim? A mai­or ques­tão não é es­sa. A ques­tão é achar na­tu­ral – e até en­gra­ça­do – que jo­vens se reú­nam pa­ra ver quem be­be mais. En­tão se hou­ver apa­ra­to mé­di­co de pron­ti­dão po­de­mos fi­car tran­qui­los? O Bra­sil tem es­ta ca­rac­te­rís­ti­ca: fe­cha os olhos pa­ra a cau­sa dos pro­ble­mas e ata­ca as con­sequên­ci­as. Mui­to con­ve­ni­en­te. Dá me­nos tra­ba­lho. Va­mos tro­car o chá de bol­do por uma am­bu­lân­cia e fa­zer de con­ta que es­tá tu­do sob con­tro­le. E é me­lhor ter cui­da­do an­tes de apon­tar o de­do pa­ra a re­a­li­da­de alheia. Nes­sas ho­ras, quan­do ca­sos as­sim ga­nham re­per­cus­são na mí­dia re­al e na vir­tu­al, é bom que pais e mães re­fli­tam so­bre o te­ma. Quem sa­be eles mes­mos se­jam mes­tres em ofe­re­cer aos fi­lhos – às ve­zes ain­da me­no­res – do­ses ge­ne­ro­sas de cer­ve­ja e afins. De vez em quan­do pas­seio por per­fis de jo­vens uni­ver­si­tá­ri­os no Fa­ce­bo­ok e ve­jo co­mo al­guns fa­zem ques­tão de lo­tar a pá­gi­na com fo­tos de fes­tas. Quer di­zer, fo­tos em que ha­ja um co­po na mão. Afi­nal, o ba­ca­na é mos­trar pa­ra a ga­le­ra que “eu be­bo sim e vou vi­ven­do, tem gen­te que não be­be e es­tá mor­ren­do...”. Ou, só pa­ra usar uma das fra­ses pre­fe­ri­das do es­tu­dan­te que

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.