Vi­a­gem ao pas­sa­do da ci­da­de no de­pó­si­to de Jor­dão

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - Luiz de Car­va­lho car­va­lho@odi­a­rio.com

Com84a­nos,eleé pro­pri­e­tá­ri­o­deu­ma­lo­ja de­ma­te­ri­ais­de­cons­tru­ção ins­ta­la­da­naA­ve­ni­da Co­lom­bo­des­de­a­dé­ca­da­de 1950.Oes­to­que,os­mó­vei­se osob­je­tos­do­es­ta­be­le­ci­men­to trans­por­ta­aMa­rin­gá­do sé­cu­lo­pas­sa­do.

As con­ver­sas so­bre mu­dan­ças na Ave­ni­da Co­lom­bo, a pos­si­bi­li­da­de de ser mu­ni­ci­pa­li­za­da, pou­co im­por­tam ao co­mer­ci­an­te Jor­dão Maio. Afi­nal, em mais de 60 anos de Ma­rin­gá, ele viu a via ser cons­truí­da, ocu­pa­da, as­fal­ta­da, alar­ga­da, de­pois ga­nhar uma se­gun­da pis­ta, ser ad­mi­nis­tra­da pe­lo go­ver­no fe­de­ral, pe­lo es­ta­du­al, pe­lo mu­ni­ci­pal e vol­tar à União.

No co­me­ço da dé­ca­da de 1950, Ma­rin­gá ain­da nem ti­nha ener­gia elé­tri­ca e foi por is­to que Jor­dão se mu­dou pa­ra a ci­da­de. Ele já ti­nha si­do ser­ven­te de pe­drei­ro, mar­ce­nei­ro, car­pin­tei­ro, tra­ba­lhou em far­má­cia e em fá­bri­ca de car­ro­ças. Es­co­lheu Ma­rin­gá por­que uma em­pre­sa de Ara­pon­gas, no norte do Es­ta­do, abriu um de­pó­si­to de ma­dei­ras na no­va ci­da­de e não acha­va nin­guém­pa­ra­to­mar­con­ta.

Jor­dão, sem es­tu­do e sem pro­fis­são de­fi­ni­da, acei­tou e se deu bem. Ven­deu mui­ta ma­dei­ra na Ave­ni­da Mauá e nas ho­ras de fol­ga fa­bri­ca­va “ca­dei­ras pre­gui­ço­sas”, o que per­mi­tiu fa­zer um pé-de-meia e so­nhar em ter o pró­prio ne­gó­cio. Bo­tou na ca­be­ça que ia com­prar um ter­re­no pa­ra mon­tar um de­pó­si­to de ma­te­ri­ais de cons­tru­ção na Ave­ni­da Co­lom­bo, na épo­ca co­nhe­ci­da co­mo “Ofi­ci­al”, que o go­ver­no fe­de­ral aca­ba­ra de abrir pa­ra pos­si­bi­li­tar a che­ga­da do ca­fé e o al­go­dão do Pa­ra­ná aos por­tos de San­tos (SP) e Pa­ra­na­guá (PR), de­ven­do ser­vir ain­da pa­ra o es­co­a­men­to das sa­fras do Ma­to Gros­so, que na épo­ca in­cluía tam­bém a par­te que ho­je é oMa­toG­ros­so­doSul.

A “Ofi­ci­al” pas­sa­va por fo­ra da ci­da­de, mas o pre­fei­to da épo­ca, João Pau­li­no, qu­e­ria le­var pa­ra o lo­cal o co­mér­cio pró­prio de bei­ra de es­tra­da, co­mo pos­tos de com­bus­tí­veis, ofi­ci­nas e au­to­pe­ças. “A ci­da­de ain­da não ti­nha se­quer um pal­mo de as­fal­to e a ‘Ofi­ci­al’ era por on­de os ca­mi­nhões en­tra­vam na ci­da­de ou pas­sa­vam em di­re­ção a Pa­ra­na­vaí, Umu­a­ra­ma, Cam­po Mou­rão ou se­gui­am pa­ra o Ma­to Gros­so ou em di­re­ção a Cas­ca­vel. Era um po­ei­rão no céu o tem­po to­do e as mer­ca­do­ri­as dos pou­cos es­ta­be­le­ci­men­tos fi­ca­vam co­ber­tas de pó. Nos di­as de chu­va, o que se via eram ca­mi­nhões ato­la­dos e au­to­mó­veis sem po­der pas­sar. Só os ji­pes e os ca­mi­nhões com cor­ren­tes nos pneus pas­sa­vam, mas era di­fí­cil”, lem­bra.

Jor­dão foi um dos pri­mei­ros com­pra­do­res de ter­re­nos na Co­lom­bo, na vi­ra­da dos anos 1950 pa­ra 1960, quan­do os lo­tes ain­da eram ven­di­dos pe­la Com­pa­nhia Me­lho­ra­men­tos. A com­pra foi uma aven­tu­ra, por­que a área que ele es­co­lheu ti­nha vá­ri­os pre­ten­den­tes, to­dos ofe­re­cen­do mais. A ne­go­ci­a­ção foi fei­ta com Al­fre­do Nyf­fe­ler, o to­do po­de­ro­so ge­ren­te da Me­lho­ra­men­tos. “Ele du­vi­dou que eu pu­des­se pa­gar e me deu uma ho­ra pa­ra ar­ran­jar o di­nhei­ro”, con­ta. Na mes­ma ho­ra, Jor­dão ven­deu uma ca­sa na Vi­la Ope­rá­ria e pa­gou­o­ter­re­no.

Cons­truir um bar­ra­cão foi ou­tra lu­ta. O pre­fei­to João Pau­li­no só ad­mi­tia obras em al­ve­na­ria, a Co­lom­bo não ti­nha te­le­fo­ne, nem água, nem luz, mas a par­tir daí a sor­te o aju­dou.

A Ma­dei­rei­ra Phillips ofe­re­ceu ex­clu­si­vi­da­de ao pe­que­no De­pó­si­to Pinheiro pa­ra ven­der 1 mil al­quei­res de pi­nho, o que coin­ci­diu com a aber­tu­ra de no­vas vi­las e, as­sim Jor­dão e seu de­pó­si­to ven­de­ram a ma­dei­ra pa­ra a mai­o­ria das ca­sas cons­truí­das na épo­ca. “Tra­ba­lha­va a se­ma­na in­tei­ra até a noi­te e no sá­ba­do e do­min­go pe­ga­va um ca­mi­nhão e ia com­prar ma­dei­ra na re­gião de Cam­po Mou­rão. Tra­ba­lhei tan­to que fui in­ter­na­do oi­to ve­zes em dois anos, ca­da vez fi­ca­va até 15 di­as no hos­pi­tal.”

Ho­je, aos 84 anos, mais de 60 pas­sa­dos em Ma­rin­gá, com os fi­lhos for­ma­dos e mui­tos alu­guéis pa­ra re­ce­ber to­do mês, Jor­dão lem­bra que, no au­ge, o De­pó­si­to Pinheiro pas­sou a ter seis ter­re­nos - qua­tro de fren­te pa­ra a Ave­ni­da Co­lom­bo e dois na rua dos fun­dos. O de­pó­si­to ti­nha se­te por­tas, 23 em­pre­ga­dos, ser­ra­ria, mar­ce­na­ria, fá­bri­ca de por­tas e “ven­dia de tu­do”.

Mas, a fa­se de ou­ro pas­sou. Ho­je, o de­pó­si­to con­ti­nua no mes­mo lu­gar, mas tem ape­nas três por­tas – o res­to es­tá alu­ga­do – e pra­ti­ca­men­te não ven­de na­da, pois o es­to­que do ve­lho pi­o­nei­ro é de coi­sas que não ser­vem pa­ra as ca­sas mo­der­nas. Mas Jor­dão con­ti­nua lá den­tro pro­cu­ran­do­o­que­fa­zer.

Quem en­tra no de­pó­si­to sen­te vol­tar no tem­po. Vai en­con­trar vá­ri­os ob­je­tos que qua­se nin­guém co­nhe­ce mais, in­clu­si­ve uma te­vê Toshi­ba de vál­vu­las, de qua­se 50 anos, um apa­re­lho de rá­dio Mo­to­rá­dio por­tá­til que por on­de há qua­se meio sé­cu­lo se ou­via as mo­das e as trans­mis­sões de fu­te­bol, mas que ho­je não pe­ga na­da em su­as fai­xas de On­dasCur­ta­seOn­dasMé­di­as.

Cha­ma a aten­ção so­bre a ve­lha e pe­sa­da es­cri­va­ni­nha um te­le­fo­ne, que tam­bém tem dé­ca­das, em que pa­ra fa­zer uma li­ga­ção, gi­ra-se um dis­co cheio de fu­ros. “Meus fi­lhos se for­ma­ram e se­gui­ram ou­tros ru­mos, não qui­se­ram dar con­ti­nui­da­de no ne­gó­cio. Não te­nho in­te­res­se em mo­der­ni­zar is­to ago­ra e vou to- can­do até aca­bar o es­to­que”, diz o pi­o­nei­ro que, co­mo não tem mui­to o que fa­zer, ado­ra ba­ter pa­po, prin­ci­pal­men­te quan­do é so­bre a Ma­rin­gá an­ti­ga, po­ei­ren­ta e pro­gres­sis­ta que ele viu nas­cen­do e aju­dou a fa­zê-la cres­cer. Con­ver­sar com o ve­lho Jor­dão é vol­tar no tem­po, a um tem­po em que a mai­o­ria dos ma­rin­ga­en­ses ain­da­não­ti­nha­nas­ci­do.

—FO­TO: RI­CAR­DO LO­PES

PI­O­NEI­RO. Jor­dão Maio no de­pó­si­to de ma­te­ri­ais de cons­tru­ção na Ave­ni­da Co­lom­bo, que já che­gou a ter 23 fun­ci­o­ná­ri­os: “Tra­ba­lhei tan­to que fui in­ter­na­do oi­to ve­zes em dois anos.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.