Mo­to­ris­tas usam re­de social pa­ra lim­par CNH

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - Gi­o­van­ni Fro­e­ming Es­pe­ci­al pa­ra O Diá­rio

Quem tem pon­to em ex­ces­so usa es­que­ma pa­ra evi­tar sus­pen­são Tan­to quem ven­de quan­to quem com­pra co­me­te ato ile­gal

Vá­ri­as mo­to­ris­tas têm se uti­li­za­do de um gru­po do Fa­ce­bo­ok ad­mi­nis­tra­do por usuá­rio de Ma­rin­gá pa­ra ne­go­ci­ar a trans­fe­rên­cia de pon­tos de mul­tas da Car­tei­ra Na­ci­o­nal de Ha­bi­li­ta­ção (CNH). O gru­po fe­cha­do é tam­bém uti­li­za­do pa­ra com­pra e ven­da de pro­du­tos no­vos e usa­dos, ofer­tas de car­ros e até mes­moi­mó­veis.

A ne­go­ci­a­ção da trans­fe­rên­cia das mul­tas fun­ci­o­na a par­tir do mo­men­to em que o au­tor da in­fra­ção faz uma pu­bli­ca­ção no gru­po di­zen­do que pro­cu­ra al­guém pa­ra as­su­mir os pon­tos na car­tei­ra de ha­bi­li­ta­ção. Em se­gui­da, os in­te­res­sa­dos co­me­çam a ne­go­ci­ar va­lo­res e con­di­ções nos co­men­tá­ri­os, ou pe­dem pa­ra tra­tar in­box (op­ção da re­de social pa­ra a con­ver­sa pri­va­da). Tam­bém é pos­sí­vel en­con­trar pu­bli­ca­ções de pes­so­as que se ofe­re­cem pa­ra as­su­mir os pon­tos sem que al­guém te­nha pos­ta­do­que­pre­ci­sa­va.

Uma pes­soa que fez uma das pu­bli­ca­ções no gru­po pa­ra en­con­trar al­guém que as­su­mis­se as mul­tas dis­se que o fa­to de já ter per­di­do a car­tei­ra uma vez foi o mo­ti­vo pe­lo qual re­cor­reu ao es­que­ma. “Eu já ha­via per­di­do a CNH pe­lo ex­ces­so de mul­tas. Já ti­nha fei­to o cur­so de re­ci­cla­gem por du­as ve­zes e cum­pri al­guns me­ses de sus­pen­são. Tra­ba­lha­va co­mo re­pre­sen­tan­te co­mer­ci­al e de­pen­dia do car­ro e mo­to”, dis­se o mo­to­ris­ta, que pe­diu pa­ra não ser iden­ti­fi­ca­do.

A mes­ma pes­soa dis­se que não te­ve pro­ble­ma pa­ra ne­go­ci­ar e que, de­pois da pos­ta­gem no gru­po do Fa­ce­bo­ok, vá­ri­os usuá­ri­os se ofe­re­ce­ram pa­ra ne­go­ci­ar. “A ne­go­ci­a­ção foi fei­ta pe­lo Fa­ce­bo­ok mes­mo, no chat de con­ver­sa e, pa­ra mi­nha sur­pre­sa, fo­ram mui­tos os in­te­res­sa­dos que se can­di­da­ta­ram. Pro­pus R$ 100 de ini­cio e aca­bei fe­chan­do com uma me­ni­na por R$ 50. Mas a ne­go­ci­a­ção aca­bou não sen­do fe­cha­da por­que um gran­de ami­go meu pron­ta­men­te se ofe­re­ceu pa­ra as­su­mir os pon­tos na car­tei­ra de­le de­pois que ex­pli­quei o que ti­nha acon­te­ci­do.”

Mo­to­ris­tas po­dem as­su­mir mul­tas e os pon­tos na CNH ape­nas por in­fra­ções que te­nham re­al­men­te co­me­ti­do. A prá­ti­ca de se apre­sen­tar co­mo con­du­tor em no­me de ou­tras pes­so­as com o ob­je­ti­vo de evi­tar que o ver­da­dei­ro mo­to­ris­ta que cau­sou a in­fra­ção se­ja pe­na­li­za­do é cri­me. De acor­do com o se­cre­tá- rio de Trân­si­to e Se­gu­ran­ça de Ma­rin­gá, Ide­val Oli­vei­ra, a se­cre­ta­ria sa­be que exis­te es­sa si­tu­a­ção da trans­fe­rên­cia de mul­tas sem que a pes­soa que vai re­ce­ber os pon­tos se­ja o ver­da­dei­ro con­du­tor, mas que não é pos­sí­vel con­tro­lar ou con­ter a si­tu­a­ção, mui­to me­nos os anún­ci­os e ne­go­ci­a­ções nas re­des so­ci­ais. “Tu­do o que es­tá ao nos­so al­can­ce pa­ra im­pe­dir que si­tu­a­ções co­mo es­sa acon­te­çam nós fa­ze­mos”, ga­ran­te Oli­vei­ra.

O se­cre­tá­rio ex­pli­ca que, quan­do uma pes­soa vai trans­fe­rir pa­ra ou­tro con­du­tor uma mul­ta, é pre­ci­so apre­sen­tar um for­mu­lá­rio pre­en­chi­do e as­si­na­do pe­lo in­di­ví­duo que vai re­ce­ber os pon­tos e ane­xar a CNH. As as­si­na­tu­ras e fo­tos são con­fe­ri­das e não ha­ven­do di­ver­gên­cia en­tre as in­for­ma­ções, em te­se, tu­do es­ta­ria den­tro das re­gras. “So­mos até obri­ga­dos a acei­tar por­que não te­mos co­mo pro­var que ele não é o con­du­tor. Nos­so me­ca­nis­mo fi­cou meio que no olhô­me­tro”,com­ple­ta.

Ou­tro par­ti­ci­pan­te do gru­po, que pu­bli­cou um anún­cio na re­de social se ofe­re­cen­do pa­ra as­su­mir pon­tos na CNH de con­du­to­res in­fra­to­res, re­ve­la que o prin­ci­pal mo­ti­vo foi o fi­nan­cei­ro e que não fi­cou com me­do, mes­mo sa­ben­do que era cri­me. “Eu me ofe­re­ci pe­lo di­nhei­ro, fiz o con­ta­to com os in­te­res­sa­dos pe­lo Fa­ce­bo­ok e sa­bia que era cri­me, mas fa­ria no­va­men­te mes­mo sa­ben­do dis­so. Não fi­quei com me­do das possíveis con­sequên­ci­as”, con­tou o mo­to­ris­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.