Aná­lia Nas­ser

“O Dia da Mu­lher é uma da­ta pa­ra re­pen­sar os avan­ços con­quis­ta­dos até ho­je”

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - Van­da Mu­nhoz van­da@odi­a­rio.com

Pa­ra Aná­lia Nas­ser, ser no­me­a­da se­cre­tá­ria mu­ni­ci­pal da Mu­lher é uma opor­tu­ni­da­de de con­tri­buir com a lu­ta pe­los di­rei­tos e de­fe­sa da mu­lher. Ela res­sal­ta que, das ci­da­des bra­si­lei­ras, ape­nas 1% ofe­re­ce su­por­te às mu­lhe­res ví­ti­mas de vi­o­lên­cia e que Ma­rin­gá faz par­te des­te por­cen­tu­al. “No mu­ni­cí­pio há uma re­de de aten­di­men­to vol­ta­da pa­ra a mu­lher”, diz ela ci­tan­do a 5ª Va­ra Cri­mi­nal, a Ca­sa Abri­go Ed­na Ro­dri­gues de Sou­za, en­tre ou­tras ins­ti­tui­ções im­por­tan­tes no com­ba­te à vi­o­lên­cia de gê­ne­ro. “Ma­rin­gá, atu­al­men­te, é uma das cin­co ci­da­des po­lo do Pa­ra­ná que têm a res­pon­sa­bi­li­da­de de le­var a 94 mu­ni­cí­pi­os da re­gião no­ro­es­te a ne­ces­si­da­de de im­plan­ta­ção de po­lí­ti­cas pú­bli­cas pa­ra mu­lhe­res e os ser­vi­ços de en­fren­ta­men­to à vi­o­lên­cia do­més­ti­ca”, acres­cen­ta.

Na ava­li­a­ção da se­cre­tá­ria, a Lei Ma­ria da Penha con­se­gue re­du­zir a vi­o­lên­cia e se­rá me­lhor ain­da quan­do se tor­nar mais ri­go­ro­sa. Uma no­va lei apro­va­da pe­la Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, em Bra­sí­lia, trans­for- ma os as­sas­si­na­tos de­cor­ren­tes de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca, fa­mi­li­ar e se­xu­al con­tra a mu­lher em cri­me he­di­on­do. “Mais um im­por­tan­te avan­ço. No pri­mei­ro es­tá­gio de pu­ni­ção, an­tes de a lei en­trar em vi­gor, a vi­o­lên­cia do­més­ti­ca era tra­ta­da so­men­te com pe­nas al­ter­na­ti­vas e bran­das, tais co­mo pres­ta­ções de ser­vi­ço ou ces­tas bá­si­cas”. A no­va lei de­pen­de de san­ção pre­si­den­ci­al. Con­fi­ra os prin­ci­pais tre­chos da en­tre­vis­ta.

P.— Quais os de­sa­fi­os en­fren­ta­dos pe­las mu­lhe­res atu­al­men­te? R.—

A mu­lher, ho­je, que ad­mi­nis­tra tan­tas fun­ções, desde as vol­ta­das pa­ra a fa­mí­lia e à pro­fis­são , a sua vi­da, pre­ci­sa man­ter a de­ter­mi­na­ção e o pro­fis­si­o­na­lis­mo. To­da es­sa pos­tu­ra sem per­der su­as ca­rac­te­rís­ti­cas: a fe­mi­ni­li­da­de e a for­ma hu­ma­na de agir. É pre­ci­so ino­var, acre­di­tar no pró­prio po­ten­ci­al, re­co­nhe­cer as di­fi­cul­da­des e bus­car de­sen­vol­ver no­vas ha­bi­li­da­des pa­ra ven­cer os obs­tá­cu­los.

P.— A Lei Ma­ria da Penha, em sua opi­nião, tem aju­da­do no com­ba­te à vi­o­lên­cia con­tra a mu­lher? R.—

Pen­so que sim. En­quan­to não ha­via a Lei Ma­ria da Penha, os agres­so­res, não só con­tra a mu­lher, mas na fa­mí­lia, não eram pu­ni­dos. Em de­cor­rên­cia dis­so, as mu­lhe­res ví­ti­mas de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca não ti­nham me­ca­nis­mos pa­ra pro­te­ge­rem a si mes­mas e aos fi­lhos. A lei te­ve um im­por­tan­te pa­pel pa­ra coi­bir a vi­o­lên­cia de gê­ne­ro, ain­da que aos pou­cos: se­gun­do um es­tu­do que foi di­vul­ga­do pe­lo Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sa Econô­mi­ca Apli­ca­da (Ipea) na úl­ti­ma se­ma­na, a pro­je­ção da ta­xa de ho­mi­cí­di­os do­més­ti­cos di­mi­nuiu ou dei­xou de cres­cer 10% nos úl­ti­mos cin­co anos no Bra­sil. Es­ta mes­ma pes­qui­sa des­ta­ca que em um ce­ná­rio em que não exis­tis­se a lei, pos­si­vel­men­te a ta­xa de ho­mi­cí­di­os de mu­lhe­res em su­as pró­pri­as ca­sas au­men­ta­ri­am.

P.— A Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos apro­vou um pro­je­to, que ain­da de­pen­de da san­ção da pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff, que trans­for­ma as­sas­si­na­to de mu­lhe­res em fe­mi­ni­cí­dio. Se­gun­do a lei, a pu­ni­ção se­rá mais se­ve­ra quan­do uma mu­lher for mor­ta por cau­sa de vi­o­lên­cia se­xu­al, fa­mi­li­ar ou do­més­ti­ca. O que a se­nho­ra acha dis­to? R.—

Mais um im­por­tan­te avan­ço. No pri­mei­ro es­tá­gio de pu­ni­ção, an­tes de a lei en­trar em vi­gor, a vi­o­lên­cia do­més­ti­ca era tra­ta­da so­men­te com pe­nas al­ter­na­ti­vas e bran­das, tais co­mo pres­ta­ções de ser­vi- ços ou pa­ga­men­to de ces­tas bá­si­cas. Após a lei 11.340/2006 ser san­ci­o­na­da, a vi­o­lên­cia con­tra a mu­lher pas­sou a ser con­si­de­ra­da cri­me. Ten­do em vis­ta que a es­ti­ma­ti­va ho­je no Bra­sil é que 4.600 mu­lhe­res mor­ram ví­ti­mas de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca, se­xu­al ou fa­mi­li­ar, se­rá re­le­van­te o im­pac­to des­te pro­je­to de lei pa­ra coi­bir o agres­sor.

P.— As mu­lhe­res es­tão mais co­ra­jo­sas pa­ra de­nun­ci­ar cri­mes e vi­o­lên­cia do­més­ti­ca? R.—

Sim. Nú­me­ros da Se­cre­ta­ria da Mu­lher por meio do Cen­tro de Re­fe­rên­cia de Aten­di­men­to à Mu­lher Ma­ria Ma­riá de 2013, são de 44 aten­di­men­tos às mu­lhe­res vi­ti­ma­das na Ca­sa Abri­go. Um ano de­pois, em 2014, es­se nú­me­ro su­biu pa­ra 113. Qua­se tri­pli­cou a quan­ti­da­de de mu­lhe­res que fo­ram abri­ga­das. Is­so não sig­ni­fi­ca que hou­ve au­men­to da vi­o­lên­cia, mas que mais ví­ti­mas ti­ve­ram co­ra­gem de de­nun­ci­ar.

P.— A mu­lher ain­da en­fren­ta pre­con­cei­tos no Bra­sil? R.—

Es­ta re­a­li­da­de não se res­trin­ge ao Bra­sil. Os pre­con­cei­tos exis­tem em di­fe­ren­tes graus, de­pen­den­do da so­ci­e­da­de em que a mu­lher es­tá in­se­ri­da. Vão desde pre­con­cei­tos ide­o­ló­gi­cos, mo­rais, pa­tri­mo­ni­ais, por ter al­gum ti­po de de­fi­ci­ên­cia fí­si­ca, es­té­ti­cos, ét­ni­cos, re­li­gi­o­sos, en­tre tan­tos ou­tros. A so­ci­e­da­de pre­ci­sa evo­luir pa­ra re­du­zir es­ses pre­con­cei­tos e a mu­lher, en­quan­to um ser sen­sí­vel, tem um gran­de pa­pel na edu­ca­ção de no­vos in­di­ví­du­os.

P.— Em dis­cur­so na Se­cre­ta­ria da Mu­lher na úl­ti­ma sex­ta-fei­ra, du­ran­te even­to que co­me­mo­rou o Dia da Mu­lher, a se­nho­ra dis­se que ape­nas 1% das ci­da­des bra­si­lei­ras ofe­re­ce su­por­te às mu­lhe­res ví­ti­mas de qual­quer ti­po de vi­o­lên­cia e que Ma­rin­gá faz par­te des­te por­cen­tu­al. Qual a es­tru­tu­ra que a ci­da­de ofe­re­ce pa­ra es­ses ca­sos? R.—

No mu­ni­cí­pio há uma re­de de aten­di­men­to vol­ta­da pa­ra a mu­lher: 5ª Va­ra Cri­mi­nal – Jui­za­do de Vi­o­lên­cia Do­més­ti­ca e Fa­mi­li­ar Con­tra a Mu­lher -, De­le­ga­cia da Mu­lher, Cen­tro de Re­fe­rên­cia de Aten­di­men­to à Mu­lher Ma­ria Ma­riá, Ca­sa Abri­go Ed­na Ro­dri­gues de Sou­za, sem con­tar os ser­vi­ços pres­ta­dos pe­lo Con­se­lho Tu­te­lar, Se­cre­ta­ria de As­sis­tên­cia Social e Ci­da­da­nia (Sasc), Se­cre­ta­ria de Saú­de, Se­cre­ta­ria de Edu­ca­ção e ins­ti­tui­ções que com­põem a re­de.

P.— A ci­da­de, en­tão, des­ta­ca-se em ações de en­fren­ta­men­to à vi­o­lên­cia? R.—

Ma­rin­gá, atu­al­men­te no Pa­ra­ná, é uma das cin­co ci­da­des po­lo que têm a res­pon­sa­bi­li­da­de de le­var a 94 mu­ni­cí­pi­os da re­gião no­ro­es­te a ne­ces­si­da­de de im­plan­ta­ção de po­lí­ti­cas pú­bli­cas pa­ra mu­lhe­res e os ser­vi­ços de en­fren­ta­men­to à vi­o­lên­cia do­més­ti­ca. A Se­cre­ta­ria da Mu­lher tam- bém con­tri­bui re­a­li­zan­do um tra­ba­lho de apoio e ori­en­ta­ção a es­ses mu­ni­cí­pi­os, por meio de tro­ca de in­for­ma­ções, mi­nis­tran­do cur­sos de ca­pa­ci­ta­ção e pa­les­tras.

P.— A mu­lher tem di­rei­tos as­se­gu­ra­dos no que se re­fe­re a sa­lá­ri­os (igual­da­de), pro­mo­ções no em­pre­go, en­tre ou­tros pon­tos es­pe­cí­fi­cos. Mas, na prá­ti­ca, há di­fi­cul­da­des. Co­mo a se­nho­ra ava­lia es­ta ques­tão? R.—

A mu­lher as­se­gu­ra es­ses di­rei­tos de­mons­tran­do ca­pa­ci­da­de, des­ta­can­do-se pro­fis­si­o­nal­men­te, bus­can­do uma for­ma­ção con­ti­nu­a­da, ino­va­ção e cri­a­ti­vi­da­de na área em que atua. Es­sas di­fi­cul­da­des são ven­ci­das no dia a dia pe­la de­mons­tra­ção de com­pe­tên­cia e uma pos­tu­ra éti­ca e di­fe­ren­ci­a­da.

P.— O mundo cor­po­ra­ti­vo exi­ge uma mu­lher “mas­cu­li­ni­za­da”? R.—

Não. O mundo cor­po­ra­ti­vo exi­ge uma mu­lher com­pe­ten­te e pre­pa­ra­da pa­ra o mer­ca­do de tra­ba­lho. O tra­ba­lho po­de ser de­sem­pe­nha­do em con­jun­to com os ho­mens, ca­da um res­pei­tan­do su­as ca­rac­te­rís­ti­cas e os seus es­pa­ços.

P.— A comunicação de mas­sa, em gran­de par­te dos ca­sos, re­tra­ta a mu­lher co­mo a eter­na do­na de ca­sa, bas­ta ana­li­sar os co­mer­ci­ais de de­ter­gen­tes, sa­bão em pó, en­tre ou­tros pro­du­tos. Is­to re­for­ça es­tig­mas que ain­da so­bre­vi­vem con­tra a mu­lher, da mãe de­di­ca­da e es­po­sa per­fei­ta que só vi­ve em fun­ção da fa­mí­lia? R.—

Não é ne­ces­sa­ri­a­men­te a per­pe­tu­a­ção de um es­tig­ma, mas um pro­ces­so de evo­lu­ção. Par­te da mí­dia que ain­da ho­je re­tra­ta a mu­lher des­sa for­ma de­ve­ria con­tex­tu­a­li­zar a re­a­li­da­de com­par­ti­lha­da que já faz par­te ou es­tá sur­gin­do nos la­res. Do mes­mo mo­do que até pou­co tem­po atrás al­gu­mas pro­fis­sões eram ocu­pa­das ex­clu­si­va­men­te por ho­mens e es­se ce­ná­rio já mu­dou, a ca­sa tam­bém de­ve ser en­ca­ra­da de ou­tra for­ma. Os ho­mens es­tão in­se­ri­dos no co­ti­di­a­no fa­mi­li­ar e de­vem ser re­tra­ta­dos co­mo tal, con­tri­buin­do com os afa­ze­res do­més­ti­cos, a edu­ca­ção dos fi­lhos e ou­tros afa­ze­res .

P.— O Dia da Mu­lher (8 de mar­ço) é pa­ra re­fle­xão so­bre a con­di­ção fe­mi­ni­na. Qual o seu con­se­lho pa­ra as mu­lhe­res? R.—

É uma da­ta pa­ra re­pen­sar os avan­ços con­quis­ta­dos até ho­je e vol­tar os es­for­ços pa­ra o que ain­da po­de­mos con­quis­tar. Que ca­da mu­lher pen­se nas es­co­lhas que fez pa­ra si, se­ja co­mo es­po­sa, mãe, pro­fis­si­o­nal, e o que ela po­de fa­zer pa­ra me­lho­rar a vi­da ao seu re­dor. Res­pei­tan­do os cin­co pi­la­res do ser: hu­ma­nas, hu­mil­des, ho­nes­tas, ha­bi­li­do­sas e hu­mo­ra­das. In­de­pen­den­te da es­co­lha que fi­zer na pró­pria vi­da, que se­ja a me­lhor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.