Poé­ti­ca fe­mi­ni­na

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Wi­la­me Pra­do wi­la­me@odi­a­rio.com

Ar­tis­ta plás­ti­ca ma­rin­ga­en­se Jo­se­a­ne Bor­nel­li abre a ex­po­si­ção “A Poé­ti­ca de Eva” no Calil Had­dad Obras em ce­râ­mi­ca ho­me­na­gei­am o universo fe­mi­ni­no no mês em que se co­me­mo­ra o Dia da Mu­lher

Cla­ri­ce Lis­pec­tor es­cre­veu uma vez que “fa­zia do amor um cál­cu­lo ma­te­má­ti­co er­ra­do”. Em uma frase, uma das mai­o­res es­cri­to­ras do País sim­bo­li­zou pon­tu­al­men­te uma das ca­rac­te­rís­ti­cas mar­can­tes de to­da mu­lher: elas são­e­nig­má­ti­cas.

Com as 17 es­cul­tu­ras da ex­po­si­ção “A Poé­ti­ca de Eva”, aber­ta des­de­quin­ta-fei­ra­no­tér­re­o­doTe­a­tro Calil Had­dad pe­lo Con­vi­te às Ar­tes Vi­su­ais, a ar­tis­ta plás­ti­ca Jo­se­a­ne Bor­nel­li tra­tou de des­ven­dar­pe­lo­me­nos­par­te­des­teu­ni­ver­so fe­mi­ni­no, além de ho­me­na­ge­ar a mu­lher no mês em que co­me- mo­ra­o­seu­dia,8de­mar­ço(do­min­go). As su­as mu­lhe­res - com cur­vas in­si­nu­an­tes, qua­dris lar­gos e des­pren­di­das da di­ta­du­ra da ma­gre­za - são sen­su­ais, são mães que ama­men­tam,são­ca­ri­nho­sas­com bi­cha­nos, são vi­go­ro­sas em sua prá­ti­ca de exer­cí­ci­os fí­si­cos e são, tam­bém, so­fre­do­ras da fa­ta­li­da­de de um mal pra­ti­ca­men­te só de­las: ocân­cer­de­ma­ma.

Jo­se­a­ne­ex­plo­ra­em­su­a­ar­te­as­fa­ce­tas ao re­dor de uma vi­da fe­mi­ni­na. Se hou­ves­se uma per­so­na­gem na ex­po­si­ção de­la, es­ta se­ria uma mu­lher for­te, no re­la­xa­men­to ao la­do do ga­to e dis­pos­ta a de­mons­tra­ro­quan­toé­sen­su­al,efor­te­tam­bém mes­mo com a fa­ta­li­da­de da do­en­ça, sem um seio, sem ca­be­los, ma­sain­da­pas­san­do­o­ba­tom.

“Há um ano o cân­cer de ma­ma le­vou uma ami­ga mi­nha. E a ar­te é tra­du­ção de tu­do aqui­lo que es­ta­mos sen­tin­do. Co­me­cei a de­sen­vol­ver as es­cul­tu­ras pen­san­do tam­bém nes­sa te­má­ti­ca. Quan­do ter­mi­nei a obra “For­ça”, com a mu­lher so­men­te com um seio, cho­rei, pu­de sen­tir um pou­co des­sa an­gús­tia que es­sa do­en­ça re­pre­sen­ta”, diz a ar­tis­ta, que man­tém um ate­liê no fun­do­de­ca­sa,naZo­na4.

Pe­las an­dan­ças mi­nis­tran­do ofi­ci­nas de ar­te por vá­ri­os bair­ros da ci­da­de, Jo­se­a­ne tem co­nhe­ci­do mu­lhe­res de to­do ti­po. E per­ce­beu que com a ar­te da ce­râ­mi­ca na ar­gi­la (grês com cha­mo­te e ter­ra­co­ta), aca­ba­da com vi­dra­do es­pe­ci­a­lem­mei­oà­sal­tas­tem­pe­ra­tu- ras do for­no, elas, as alu­nas, vi­vi­am­nu­ma­es­pé­ci­e­de­ar­te­te­ra­pêu­ti­ca.Pa­ra“APoé­ti­ca­deE­va”,Jo­se­a­ne pen­sou em to­das elas, re­tra­tan­do-as nes­se universo. “Que­ro cons­ci­en­ti­zar, sen­si­bi­li­zar e, tal­vez co­mo Cla­ri­ce em su­as fra­ses sem­pre à fren­te de seu tem­po, to­car no ser fe­mi­ni­no, di­zer al­go so­bre­a­de­li­ca­de­za­da­mu­lher.” Ar­tis­ta: Jo­se­a­ne Bor­nel­li 17 es­cul­tu­ras em ce­râ­mi­ca Ex­po­si­ção vai até 29 de mar­ço, no tér­reo do Te­a­tro Calil Had­dad A en­tra­da é fran­ca

—FO­TO: RI­CAR­DO LO­PES

AN­TAGÔ­NI­CAS. À es­quer­da, obra re­pre­sen­tan­do a sen­su­a­li­da­de da mu­lher: à di­rei­ta, a mu­lher que so­fre as con­sequên­ci­as de um cân­cer.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.