Fi­las, ma­ri­o­ne­tes, ga­fa­nho­tos e boi­a­das

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

Sal­ve-se quem pu­der! Cor­ra quem qui­ser! Pa­re e pen­se quem ain­da ti­ver al­gum in­te­res­se pe­lo seu can­to nes­te Bra­sil. Fi­car mais de qu­a­ren­ta e cin­co mi­nu­tos na fi­la pa­ra abas­te­cer o car­ro. Pa­gar R$ 3,49 o li­tro da ga­so­li­na. E ain­da agra­de­cer aos “céus” por che­gar à bom­ba e con­se­guir en­cher o tan­que. Cor­rer de­ses­pe­ra­da­men­te ao mer­ca­do pra en­cher a dis­pen­sa. Com­prar o que não pre­ci­sa e le­var mais do que uti­li­za. Vol­tar pra ca­sa sem a sa­la­da por­que o to­ma­te es­tá uma for­tu­na e a fo­lho­sa em fal­ta na Cen­tral de Abas­te­ci­men­to. - É o ca­os! Só fal­ta mes­mo a nu­vem de ga­fa­nho­tos!, pra­gue­jei, mu­da. Tal­vez, lo­go não fal­te. Tal­vez pa­rem de re­cla­mar, ou de pra­gue­jar, por­que a fi­la aca­bou, a rú­cu­la vol­tou e o to­ma­te já bai­xou. O “bre­ve”, o “im­pos­sí­vel” po­de mes­mo ser mui­to re­la­ti­vo. Já se es­pe­ra­va um co­lap­so econô­mi­co pa­ra 2015. Es­pe­ci­a­lis­tas pro­je­ta­ram. Ge­ne­ra­lis­tas ru­mi­na­ram. O que não se con­ta­va era com o lei­te no li­xo. O agri­cul­tor dei­xan­do de co­lher so­ja não por cau­sa da chu­va, mas por­que o sol es- quen­ta a ca­be­ça e o ma­qui­ná­rio pa­ra­do na la­vou­ra sem di­e­sel. O pá­tio do Por­to de Pa­ra­na­guá com 45 ca­mi­nhões quan­do de­ve­ria es­tar com 900 em ple­no es­co­a­men­to da sa­fra. Rá­dio pa­tru­lha achou ime­di­a­ta­men­te um cul­pa­do: a gre­ve dos ca­mi­nho­nei­ros. Tra­ba­lha­do­res que qua­se an­te­ci­pa­ram uma ter­cei­ra gu­er­ra mun­di­al nos es­ta­dos bra­si­lei­ros. Mas é mui­to mais... Com blo­queio ou sem blo­queio nas ro­do­vi­as, o que se vi­ve é in­fla­ção que au­men­ta e po­der aqui­si­ti­vo que di­mi­nui. É pe­dá­gio, é com­bus­tí­vel mais ca­ro e o sa­lá­rio me­nor. São os ju­ros su­bin­do e os pra­zos des­pen­can­do. As pro­mes­sas se mul­ti­pli­can­do e as cren­ças se es­va­zi­an­do. É fa­to, sem trans­por­te não tem ali­men­to. Nem com­bus­tí­vel, re­mé­dio ou gás. O que se tem é uma bo­la de ne­ve que ar­ras­ta uma coi­sa atrás da ou­tra e cres­ce, ab­sur­da­men­te, nes­te país tro­pi­cal. Mas a gen­te só sen­te fal­ta quan­do tem “a fal­ta”. Me­mó­ria cur­ta. E quan­do, tem­po­ra­ri­a­men­te, “a fal­ta” não mais fal­ta? Se nós, ma­ri­o­ne­tes ou/e ca­mi­nho­nei­ros, es­ta­mos pa­ra­dos na fi­la, ou cor­ren­do co­mo uma boi­a­da, to­dos no mes­mo bo­lo, é por­que fa­ze­mos par­te de um sis­te­ma em que as pe­ças não es­tão mais se ajus­tan­do, mas se en­go­lin­do. E a bei­ra des­se gar­ga­lo, tal­vez se os ga­fa­nho­tos apa­re­ces­sem nem se­ria um ca­os tão gran­de as­sim. Ok. A pre­si­den­te san­ci­o­nou es­sa se­ma­na, sem ve­tos, a no­va Lei dos Ca­mi­nho­nei­ros. Pro­mes­sas de per­mis­são de mais ho­ras de tra­ba­lho por dia, isen­ção de pa­ga­men­to de pe­dá­gio os ei­xos sus­pen­sos de ca­mi­nhões va­zi­os e até per­dão das mul­tas por ex­ces­so de pe­so ex­pe­di­das nos úl­ti­mos dois anos. Mi­ga­lhas. Até quan­do vão con­ti­nu­ar pu­xan­do a cor­da do nos­so pes­co­ço, das ma­ri­o­ne­tes, dos ca­mi­nho­nei­ros, da boi­a­da? Ao in­vés de dis­cu­ti­rem, de fa­to, me­di­das fis­cais e de sub­sí­di­os pa­ra mais do que re­fres­car os im­pac­tos fi­nan­cei­ros, de­sobs­truir es­se sis­te­ma de vez? Até quan­do va­mos con­ti­nu­ar evi­tan­do ”a ‘fal­ta” quan­do já te­mos a “fal­ta”? Pa­re, vá às ru­as quem qui­ser. Cor­ra, fa­le quem re­al­men­te pre­ci­sar. E pen­se nis­to tu­do quem ain­da ti­ver al­gum in­te­res­se pe­lo Bra­sil.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.