Em bus­ca de saú­de, ela se tor­nou mi­cro­em­pre­sá­ria

O Diario do Norte do Parana - - CLASSIDIÁRIO - Ju­li­a­na Fon­ta­nel­la ju­fon­ta­nel­la@odi­a­rio.com DAN­ÇA.

Al­guns anos atrás a vi­da de Síl­via Ma­ria Pereira es­ta­va de ca­be­ça pa­ra bai­xo. A saú­de não ia bem (pro­ble­mas de co­lu­na, que im­pu­nham di­fi­cul­da­des mo­to­ras), nem o ca­sa­men­to, so­nhos e ex­pec­ta­ti­vas pa­re­ci­am ir por água abai­xo. Ela, que até en­tão tra­ba­lha­va na área ad­mi­nis­tra­ti­va de um hos­pi­tal, te­ve que se dei­xar cui­dar.

Du­ran­te o tra­ta­men­to a pro­xi­mi­da­de com ou­tros pa­ci­en­tes e os dra­mas pes­so­ais de ca­da um fo­ram, pou­co a pou­co, se trans­for­man­do em ins­pi­ra­ção. As­sim, Silvia de­ci­diu que era tem­po de re­or­ga­ni­zar a vi­da. Foi a dan­ça, ati­vi­da­de es­co­lhi­da pa­ra tra­tar pro­ble­mas de co­lu­na, que le­vou a ma­rin­ga­en­se a bus­car for­ma­ção su­pe­ri­or. Síl­via re­to­mou o con­tro­le da pró­pria vi­da e se tor­nou ges­to­ra do pró­prio ne­gó­cio.

A ma­rin­ga­en­se não es­tá so­zi­nha, mi­lha­res de mu­lhe­res, pe­las mais di­ver­sas ra­zões, se tor­nam mi­cro e pe­que­nas em­pre­sá­ri­as. Se­gun­do le­van­ta­men­to da Se­ra­sa Ex­pe­ri­an, as mu­lhe­res já co­man­dam qua­se a me­ta­de dos ne­gó­ci­os de mi­cro e pe­que­nas em­pre­sas no País, cer­ca de 47%; na re­gião Su­des­te o ín­di­ce é mai­or ain­da,che­ga­a­os52,06%.

An­tes de pen­sar em co­me­çar o pró­prio ne­gó­cio, Síl­via pes­qui­sou bas­tan­te, fez vá­ri­os tes­tes pa­ra ter cer­te­za da vo­ca­ção em­pre­en­de­do­ra e só par­tiu pa­ra a ação quan­do sen­tiu que es­ta­va re­al­men­te pre­pa­ra­da. A pai­xão pe­la dan­ça agre­ga­da aos no­vos co­nhe­ci­men­tos apren­di­dos em sa­la de au­la de­ter­mi­na­ram a na­tu­re­za do investimento: uma aca­de­mia de dan­ça.

No Se­brae, ela apren­deu o que era ne­ces­sá­rio pa­ra a ges­tão do ne­gó­cio e co­me­çou de for­ma sim­ples, na la­van­de­ria de ca­sa. Em um ano, a aca­de­mia já ti­nha fi­la de es­pe­ra. Nem foi pre­ci­so in­ves­tir em mar­ke­ting, bas­tou a pro­pa­gan­da ‘bo­ca a bo­ca’.

Síl­via es­tá fe­liz com os ru­mos da car­rei­ra e da vi­da. O to­que fe­mi­ni­no não es­tá só na for­ma de ad­mi­nis­trar o ne­gó­cio, apa­re­ce na mar­ca da aca­de­mia, on­de a deu­sa egíp­cia Bas­tet, pro­te­to­ra das mu­lhe­res, es­tá em des­ta­que. Ho­je a aca­de­mia fun­ci­o­na num lo­cal mai­or, alu­ga­do em 2012 pa­ra com­por­tar tur­mas de di­fe­ren­tes mo­da­li­da­des, co­mo dan­ça do ven­tre, de sa­lão, alon­ga­men­to, hip hop, en­tre ou­tras.

Es­ti­lo­pes­so­al

O di­fe­ren­ci­al do ne­gó­cio Síl­via vem da ex­pe­ri­ên­cia pes­so­al. De­pois de ver tan­tas pes­so­as em tra­ta­men­to por le­sões cau­sa­das em ati­vi­da­des fí­si­cas mal ori­en­ta­das, ela quis fa­zer di­fe­ren­te. “Fi­cou mui­to cla­ro pa­ra mim, desde aque­la épo­ca, o quan­to o cor­po hu­ma­no é frá­gil”, en­fa­ti­za a mi­cro­em­pre­sá­ria. No tra­ba­lho, Síl­via pro­cu­ra ava­li­ar o con­di­ci­o­na­men­to de ca­da alu­no e de­sen­vol­ver um pla­no de ati­vi­da­des sem ris­co de le­sões. O cui­da­do é o mes­mo, in­de­pen­den­te de quão he­te­ro­gê­ne­as.

“Apren­di mui­to quan­do es­ta­gi­ei no Sesc com tur­mas de pes­so­as com di­fe­ren­tes ní­veis de con­di­ci­o­na­men­to. Pa­ra acer­tar a do­sa­gem de ati­vi­da­des sem ma­chu­car os alu­nos fui bus­car ori­en­ta­ção com os pro­fes­so­res e com o co­or­de­na­dor de ati­vi­da­des fí­si­cas, foi um apren­di­za­do. Ho­je­eu­te­nhou­ma­a­lu­na­co­mos­te­o­gê­ne­se (os­sos de cris­tal), que es­tá co­nos­co há dois anos sem in­ci­den­tes e que evo­luiu mui­to. Ou­tras du­as se ins­pi­ra­ram na mi­nha his­tó­ria e que­rem se pro- fis­si­o­na­li­zar tam­bém”, co­me­mo­ra a em­pre­sá­ria.

Quan­do abriu o ne­gó­cio, ela en­fren­tou gran­des di­fi­cul­da­des, es­ta­va re­co­me­çan­do a vi­da afe­ti­va, ti­nha um fi­lho pe­que­no e ou­tro a ca­mi­nho, ho­je com 5 e 3 anos, res­pec­ti­va­men­te. “Sem meus pais e mi­nha fa­mí­lia sei que não es­ta­ria aqui. Nin­guém cres­ce so­zi­nho, nem o Bra­sil. Sei que há quem te­nha re­ceio de in­ves­tir em mo­men­tos de cri­se, mas pen­so di­fe­ren­te. Acre­di­to que se o País es­tá num mo­men­to cru­ci­al, to­dos nós te­mos que nos em­pe­nhar em re­ver­ter es­se qua­dro”, diz.

Em ca­sa, no tra­ba­lho e pe­ran­te a so­ci­e­da­de as coi­sas es­tão na di­re­ção cer­ta. Ela foi uma das três pa­ra­na­en­ses in­di­ca­das ao Prê­mio Mu­lher Em­pre­en­de­do­ra do Se­brae es­se ano. O re­co­nhe­ci­men­to é mais uma ra­zão pa­ra con­ti­nu­ar cres­cen­do co­mo mi­cro­em­pre­sá­ria e Síl­via já tem pla­nos definidos pa­ra o fu­tu­ro: vai cur­sar uma pós-gra­du­a­ção em Psi­co­mo­tri­ci­da­de no ano que vem.

— FO­TO: DI­VUL­GA­ÇÃO

O pra­zer en­con­tra­do na ati­vi­da­de aju­dou-a a su­pe­rar pro­ble­mas no tra­ba­lho, a cri­se no re­la­ci­o­na­men­to con­ju­gal e aca­bou se tor­nan­do um em­pre­en­di­men­to de su­ces­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.