Mu­lhe­res op­tam mais por mo­to de al­ta ci­lin­dra­da

O Diario do Norte do Parana - - CLASSIDIÁRIO - He­ver­ton Nas­ci­men­to Agên­cia Es­ta­do

y O nú­me­ro de mu­lhe­res ao gui­dão de mo­to­ci­cle­tas não pa­ra de cres­cer no País. Em 2005, elas re­pre­sen­ta­vam 19% dos bra­si­lei­ros ha­bi­li­ta­dos­na­ca­te­go­ri­aA-atu­al­men­te, são 26%, ou na­da me­nos que 5.034.147 de mo­to­ci­clis­tas, de­a­cor­do­com­da­dos­doDe­par­ta­men­to Na­ci­o­nal de Trân­si­to (De­na­tran). E o me­lhor: mui­tas de­las se aven­tu­ram em ru­as e es­tra­das so­bre­mo­de­los­de­al­ta­ci­lin­dra­da.

É o ca­so da den­tis­ta Ce­cí­lia Sa­tu­miKom­bo,queu­sa­di­a­ri­a­men­te um Hon­da PCX, sco­o­ter com mo­tor de 150 cm3, mas tem uma BMW R1200R com a qual cos­tu­ma fa­zer vi­a­gens in­ter­na­ci­o­nais. A es­por­ti­va ale­mã, aliás, fi­cou “pre­sa” em Ro­sá­rio, na Ar­gen­ti­na. Ce­cí­lia viajou ao país vi­zi­nho com o ma­ri­do e aca­bou per­den­do­os­do­cu­men­tos­da­mo­to.Do­na de uma Har­ley-Da­vid­son Deluxe ano 2009, a ar­qui­te­ta Cléia Me­ga­lo­ma­ti­dis faz par­te do La­di­es of the Ro­ad, gru­po que reú­ne mais de 30 mu­lhe­res mo­to­ci­clis­tas. Ela con­ta que an­da de mo­to desde a ado­les­cên­cia, mas aca­bou fi­can­do lon­ge do gui­dom por al­gum tem­po. “Há al­guns anos, en­trei em uma cri­se agu­da de es­tres­se por cau­sa do tra­ba­lho e re­sol­vi com­prar a Har­ley co­mo uma es­pé­cie de te­ra­pia. Foi a me­lhor­coi­sa­que­fiz.”

A ad­mi­nis­tra­do­ra de em­pre­sas Pris­ci­la Ca­mi­lis tam­bém se in­te­res­sou pe­las mo­to­ci­cle­tas na ado­les­cên­cia, pe­río­do no qual cos­tu­ma­va pi­lo­tar es­con­di­da do pai. Já adul­ta, re­sol­veu com­prar um sco­o­ter, que al­gum tem­po de­pois foi tro­ca­do por uma Ya­maha Vi­ra­go, que por sua vez foi tro­ca­da por uma Har­ley-Da­vid­son Deluxe 2014. A vol­ta ao mundo das du­as ro­das até a fez mu­dar de ra­mo. Atu­al­men­te ela é re­pre­sen­tan­te no Bra­sil de uma em­pre­sa ame­ri­ca­na de alu­guel de mo­to­ci­cle­tas. “Gos­to tan­to de mo­tos que re­sol­vi abrir a agên­cia eas­si­mes­tou­o­tem­po­to­do­en­vol­vi­da­co­mo­as­sun­to”,con­ta.

O mo­de­lo de Pris­ci­la é to­do per­so­na­li­za­do. Traz vá­ri­os aces- só­ri­os da Har­ley ex­clu­si­vos pa­ra o pú­bli­co fe­mi­ni­no, co­mo strass nos aros dos mos­tra­do­res do pai­nel e na tam­pa do tan­que de com­bus­tí­vel.

A fe­mi­ni­li­da­de e a vai­da­de, aliás, são mar­cas das seis mo­to­ci­clis­tas ou­vi­das pe­la re­por­ta­gem. Elas­di­zem­que,em­bo­ra­te­nha­di­mi­nuí­do, o pre­con­cei­to em re­la­ção às mu­lhe­res de mo­to ain­da exis­te. Ar­qui­te­ta e em­pre­sá­ria, Cinthia Mo­ra­les con­ta que um gru­po de mo­to­ci­clis­tas que se­guia por uma es­tra­da a des­de­nhou quan­do ela de­ci­diu acom­pa­nhá-los com sua BMW F800 R.“Ele­sa­cha­ram­que­eu­não­con­se­gui­ria an­dar rá­pi­do, mas, na pa­ra­da se­guin­te, um de­les veio di­zer que eu an­da­va co­mo um ho­mem.Res­pon­di­que­e­ra­me­les que pi­lo­ta­vam co­mo me­ni­nas”, di­ver­te-se.

Fã de mo­de­los es­por­ti­vos, a cor­re­to­ra de imó­veis Car­la Del Val­le afir­ma que usa di­a­ri­a­men­te sua Triumph Day­to­na 675. “Ado­ro mo­tos desde sem­pre. Já ti­ve (Hon­da) Hor­net e pre­ten­do tro­ca­raT­riumph­po­ru­maKawa- sa­kiZX-6R.”

Já a co­or­de­na­do­ra de even­tos Eli­a­na Ma­li­zia pre­fe­re as vir­tu­des on e off ro­ad da Du­ca­ti Mul­tis­tra­da com a qual vai à aca­de­mia e aos com­pro­mis­sos pro­fis­si­o­nais. Ela man­tém um blog no qual es­cre­ve so­bre o as­sun­to. “Ti­ve uma - úni­ca - e ruim ex­pe­ri­ên­cia com o trans- por­te pú­bli­co. En­tão com­prei mi­nha pri­mei­ra mo­to aos 18 anos, fui ‘su­bin­do’ de ci­lin­dra­da e acho que nun­ca vou ter um car­ro.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.